Siga nossas redes

Análise

Morning Call: Ibovespa em tendência de alta; EUA e China se recuperam em ‘V’

Os principais fatos que podem impactar os mercados hoje, os destaques do pregão anterior e uma breve análise do índice Bovespa.

Publicado

em

Retrospectiva do fechamento: o Ibovespa disparou quase 2% na segunda-feira, voltando a ser cotado acima dos 117 mil pontos, nível este que não alcançava desde 19 de fevereiro, puxado pela disparada de Vale após anúncio de recompra de ações e pelas máximas em Wall Street em meio a perspectivas otimistas para a economia norte-americana. Ibovespa: +1,97%, a 117.518,44 pontos, com volume financeiro de R$ 25,9 bi.

Câmbio: o dólar começou a semana em queda frente ao real, precificando algum alívio no noticiário sobre o Orçamento de 2021 no qual se fala em acordo já firmado entre equipe econômica e o congresso durante o último final de semana. Dólar/Real: -0,60%, a R$ 5,6798.

Mercado hoje: o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, deve concentrar as atenções nesta terça-feira com dois eventos marcados, promovidos pelo FMI e Banco Itaú, este último, terá a participação do Ministro Paulo Guedes à tarde. No exterior dados econômicos fortes da China e dos Estados Unidos davam sustentação aos mercados acionários.

Os índices de ações operam próximos da estabilidade em NY, após recordes de fechamento ontem, e as bolsas europeias que estavam fechadas nesta segunda-feira por conta de feriado, sobem precificando dados que mostram que a atividade de serviços nos EUA chegou a nível recorde, enquanto na China a recuperação do setor ganhou força.

Europa: bolsas europeias sobem com dados do índice de gerentes de compras (PMI) do setor de serviços na China, que subiu para 54,3 em março, ante 51,5 em fevereiro. A este excelente dado, soma-se ainda o payroll americano, pois ontem foi feriado na maioria das bolsas da Europa. Ambos os indicadores mostram sinais de recuperação econômica nas duas maiores economias do mundo. A Alemanha informou ainda que terá 20% de sua população imunizada contra o coronavírus até o início de junho. Este conjunto de fatores leva as bolas europeias a operarem em alta firme; a bolsa de Frankfurt sobe 1,04%, Londres +1,14%, Paris +0,52% e Madri +0,74%.

NY/Futuros: Dow Jones cai 0,12%, S&P 500 perde 0,21% e Nasdaq recua 0,24%; Yield da T-note de 10 anos vai a 1,70310%, de 1,70030%.

Commodities: Petróleo tipo Brent sobe 2,28%, para US$ 63,57 o barril; Ouro avança 0,23%, cotado a US$ 1.732,75 a onça-troy.

Ásia: mais cedo o índice Nikkei 225 (Tóquio) caiu 1,30%; o Kospi, da Bolsa de Seul, avançou 0,20%; o Hang Seng, de Hong Kong, subiu 1,97%; na China continental, o Xangai Composto recuou 0,04%.

IBOV: o índice Bovespa retoma uma tendência de alta no curto prazo, após operar próximo do nível dos 117 mil pontos e tenta sair de uma zona de congestão em torno dos 115 mil pontos. No longo prazo, ao ficar acima da média móvel de 200 períodos (linha azul), mantém a sua tendência de alta.

Indicadores e eventos:
Brasil
Roberto Campos Neto profere palestra em eventos do FMI (8h30) e do Itaú Unibanco (11h)
Paulo Guedes participa de evento virtual do Spring Meetings (15h30)
Bolsonaro dá posse a sete ministros (9h)
PMI composto e PMI de serviços de março (10h)
EUA
Deptº do Trabalho: divulgação do relatório Jolts de fevereiro (11h)
FMI divulga relatório sobre estabilidade financeira global (11h30)
API: Estoques de petróleo e derivados (17h30)
Europa
Zona do euro/Eurostat: taxa de desemprego de fevereiro (6h): inalterada em 8,3%, ante consenso de 8,1%

Seja sócio das maiores empresas do Brasil com corretagem ZERO! Invista em Ações

Anúncio Patrocinado Invista em Ações com TAXA ZERO de corretagem! Invista em Ações com TAXA ZERO de corretagem!

O InvestNews é um canal de conteúdo multiplataforma que oferece a cobertura diária de notícias e análises sobre economia, investimentos, finanças, mercado financeiro, educação financeira, projeções, política monetária e econômica. Tudo o que mexe com o seu dinheiro você encontra aqui, com uma linguagem simples e descomplicada sobre o mundo da economia e dos investimentos.