Siga nossas redes

Análise

Morning Call: Copom deve elevar Selic acima de 1 p.p.

Os principais fatos que podem impactar os mercados hoje e uma breve análise do índice Bovespa.

Publicado

em

Cenário global e bolsa de valores

Os mercados asiáticos tiveram um dia negativo com as quedas de ações ligadas a produção de carvão e de tecnologia da China. Apesar da divulgação do avanço de 10,1% em agosto para 16,3% em setembro do lucro industrial chinês, as atenções se voltaram para a possível escassez de carvão resultante de seu maior uso durante a crise energética enquanto o governo da China intensifica investigações e regulamentações das negociações como forma de conter a alta. No dia, o índice de Shanghai teve -0,98%, Hang Seng -1,57%, Coréia do Sul -0,77% e Japão -0,03%.

As bolsas americanas seguem atingindo máximas históricas com influência da temporada de resultados durante a semana com divulgação de grandes nomes do mercado como Facebook, Microsoft, Google, Twitter e Tesla. O pré mercado de futuros americanos tem Dow Jones com +0,04%, S&P 500 com -0,09% e Nasdaq com -0,15%.

As commodities tem um dia de correção nos preços com Milho -0,35%, Ouro -0,14%, Petróleo Brent -1,11%, Petróleo WTI -1,26% e Bitcoin -6,30%.

Cenário no Brasil

Apesar da temporada de balanços por aqui ter começado, seus resultados não conseguiram impactar o desempenho geral da bolsa por conta do clima de apreensão onde investidores acompanham o desenrolar da PEC dos precatórios, que deve ser votada hoje em plenário após ter passado na comissão especial da câmara. Se o projeto for aprovado, haverá um espaço de R$ 83 bilhões no teto de gastos do governo para financiar o Auxílio Brasil. A medida foi duramente criticada por mudar as regras do teto, reduzindo a credibilidade do governo no controle orçamentário do ponto de vista dos investidores, pressionando ainda mais a alta do dólar em um momento de aversão ao risco.

Após defender a PEC dos precatórios, o ministro da economia Paulo Guedes reforçou que a tarefa de conter a inflação é do Banco Central, que coloca pressão sobre a decisão do Copom sobre a taxa Selic. Em sua última reunião, o Copom afirmou que altas de 1 ponto percentual eram adequadas para garantir a convergência da inflação para a meta do BC em um prazo maior mas atualmente existe um consenso de mercado que o resultado da reunião dessa vez deve ser superior com alguns palpites indo desde 1,25 ponto percentual até 2 pontos percentuais.

A divulgação ontem do IPCA-15 de outubro mostrou um aumento da taxa acumulada em 12 meses de 10,05% para 10,34% agitando ainda mais a curva de juros, que apesar de subir em todos os vencimentos, teve um movimento maior nos vencimentos curtos sinalizando o entendimento do mercado da necessidade do aumento superior a 1 p.p. pelo Copom.

Ibovespa

Fonte: TradingView

Aos 106.419,53 pontos, o Índice ainda sente a pressão dos riscos políticos acima dos resultados que estão sendo divulgados. Após a queda da semana passada superior a 7%, a bolsa ainda deve apresentar volatilidade alterando entre dias de baixa e alta porém com uma tendência de baixa no curto prazo. Um possível ponto de reversão para o curto prazo é a superação dos 114.700 pontos para buscar a faixa dos 119.400 enquanto a zona dos 105.800 pontos possa servir como suporte imediato.

Indicadores e eventos
Brasil
Relatório Dívida
IBGE: Pnad Contínua
Confiança da Indústria
Copom anuncia decisão sobre a Selic (após as 18h30)
Fluxo cambial semanal
Balanços de Gerdau, Metalúrgica Gerdau, Getnet, Weg e Santander, antes da abertura do mercado, e de Multiplan, Movida, LOG Commercial Properties, Intelbras, Odontoprev, Dexco e Telefônica, após o fechamento do mercado
EUA
Balanços de Boeing, Coca-Cola, General Motors e McDonald’s, antes da abertura do mercado, e de Ford, após o fechamento do mercado
Encomendas de bens duráveis em setembro
Estoques de petróleo da semana até 22/10
Canadá
BoC divulga decisão de política monetária

Investimento com rentabilidade acima da média em Renda Fixa? Invista em Debêntures. invista já.

Anúncio Patrocinado Invista em Ações com TAXA ZERO de corretagem! Invista em Ações com TAXA ZERO de corretagem!