Siga nossas redes

Análise

Morning Call: gambiarra no orçamento não engana o mercado; bolsas globais recuam

Os principais fatos que podem impactar os mercados hoje e uma breve análise do índice Bovespa.

Publicado

em

Tempo médio de leitura: 3 minutos

O mercado deve reagir nesta terça-feira à aprovação pelo Congresso Nacional de projeto de lei que altera a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) e traz ajustes para permitir a sanção do Orçamento deste ano. Após meses de impasse e indefinição, saiu o acordo do Orçamento, mas o desfecho foi negativo para a credibilidade da política fiscal e Paulo Guedes. O Ministro acabou cedendo ante a pressão do Congresso e teve de engolir um “cheque em branco”, sem limite de gastos extras com a Covid, que já superam R$ 100 bilhões este ano. 

No exterior, os altos rendimentos de títulos soberanos e aumento dos casos globais de Covid-19 levavam investidores a questionar as recentes altas do mercado de ações. Enquanto isso, o dólar permanecia sob pressão, atingindo o nível mais baixo em quase sete semanas durante o pregão asiático.

Europa: seguindo o fluxo dos mercados asiáticos e os futuros em Wall Street, as bolsas europeias operam em queda hoje, motivada também por notícias corporativas ruins. As grandes empresas do setor de tabaco despencam, com as notícias de que os Estados Unidos querem apertar a regulação sobre cigarros. Do lado positivo, a taxa de desemprego no Reino Unido caiu 4,9% no trimestre findo em fevereiro, ante 5,1% dos três meses anteriores. A taxa de inflação da Alemanha subiu 3,7% na base anual em março. O índice Stoxx 600 opera em queda de 1,16%, aos 437,04 pontos.

NY/Futuros: S&P 500 recua 0,40%, após uma queda de 0,53% ontem, porém são movimentos que não mudam ou ameaçam a forte tendência de alta que se encontra. O yield da T-note de 10 anos cai a 1,59690% ( de 1,60120% no fechamento de ontem).

IBOV: o Ibovespa fechou com queda discreta na segunda-feira, em sessão volátil marcada por ajustes, com Petrobras subindo quase 6% após o novo presidente da empresa afirmar que buscará reduzir a volatilidade dos preços de combustíveis sem desrespeitar a paridade de importação. O índice segue consolidando uma tendência de alta no curto prazo, após operar acima do nível dos 120 mil pontos e deixando para trás uma zona de congestão em torno dos 115 mil pontos. No longo prazo, ao ficar acima da média móvel de 200 períodos (linha azul), mantém a sua tendência de alta.

Indicadores e eventos:
Brasil
FGV: Monitor do PIB de fevereiro (10h15)
Receita: arrecadação tributária federal em março, com Paulo Guedes participando de coletiva após divulgação dos dados (14h30)
EUA
Balanços de Procter & Gamble, Johnson & Johnson e Netflix
API: Estoques de petróleo e derivados (17h30)
ANÚNCIO PATROCINADO Confira

Abra sua conta! É Grátis

Já comecei o meu cadastro e quero continuar.