Siga nossas redes

Análise

Morning Call: Wall Street será movimentada pelos balanços de grandes bancos

Os principais fatos que podem impactar os mercados hoje e uma breve análise do índice Bovespa.

Publicado

em

Cenário global e bolsa de valores

No cenário global, os mercados continuam de olho na pressão inflacionária nesta quinta-feira, enquanto no cenário doméstico, o investidor fica de olho nas intervenções do Banco Central no câmbio, como ontem quando anunciou um leilão extraordinário de US$ 1 bilhão de swap cambial. Voltando para o tema de inflação, que preocupa o mundo, o número recorde para os preços ao produtor na China, depois de dados acima do esperado para a alta dos preços ao consumidor nos Estados Unidos na véspera, mantém o tema sobre holofotes. Além disso, este ambiente inflacionário mexe com as taxas de juros nos EUA e valoriza o dólar, que chegou a uma máxima de mais de um ano esta semana diante das crescentes apostas do início da redução de estímulos em novembro e uma alta dos juros nos EUA em 2022. Mais um dado de preços nos Estados Unidos, desta vez o PPI, deve confirmar a inflação elevada. Já Wall Street será movimentada pelos balanços de quatro grandes bancos (Wells Fargo, BofA, Citi e Morgan Stanley), todos antes da abertura. 

As pressões de custo nas fábricas chinesas continuaram a se acumular no último mês diante da alta dos preços de energia e reduz a esperança de um arrefecimento da inflação global no curto prazo. O PPI chinês subiu 10,7% em setembro na comparação com o mesmo mês de 2020, tornando-se a maior alta desde 1996. A alta recorde foi puxada principalmente pelos preços do carvão e de alguns produtos intensivos em energia, informa o Escritório Nacional de Estatísticas. Neste caso, para o mercado, o maior receio é de que o ambiente inflacionário prejudique a retomada da economia e o crescimento, os últimos dados apresentados já sinalizam esta desaceleração econômica na China, apesar dos avanços ainda estarem bem acima da média global.

Futuros: Dow Jones (+0,62%), S&P 500 (+0,70%), Nasdaq (+0,82%); Petróleo: Brent a US$ 84,20 (+1,23%); Ouro: +0,20%, a US$ 1.798,30 a onça-troy na Comex; Treasuries: T-note de 10 anos a 1,53440 (de 1,53960); Bolsas na Europa: Londres (+0,75%) a 7.195.69; Frankfurt (+0,85%) a 15.379,54; Paris (+0,82%) a 6.651,37; Madrid (+1,09%) a 8.978,50.

Cenário no Brasil  

Aqui, o IBGE informa o volume de serviços em agosto, enquanto o Banco Central realiza novo leilão extraordinário de swap cambial (mais US$ 1 bilhão), provendo mais liquidez ao mercado depois de uma operação que pegou o mercado de surpresa na quarta-feira e que derrubou o dólar de máximas acima de 5,57 reais para R$ 5,50. Antes de o BC atuar no câmbio, dólar subia ante o real na contramão da queda lá fora, refletindo os riscos domésticos e a perspectiva de piora do fluxo a partir do tapering, que deve ser anunciado pelo Fed em novembro. O tesouro faz a sua oferta semanal de títulos prefixados. Na Câmara, passou ontem à noite o projeto do ICMS fixo sobre os combustíveis.

Ibovespa

A bolsa brasileira teve um respiro na quarta-feira, seguindo a tendência global de maior apetite por risco, em movimento liderado por papéis de empresas ligadas ao mercado doméstico. O Ibovespa avançou 1,14%, com volume financeiro de R$64,8 bilhões, puxado pelo vencimento de opções sobre o índice. O IBOV entrou em uma tendência de baixa no longo prazo ao cruzar abaixo da média móvel de 200 períodos e formar topos e fundos descendentes, além disso, um movimento de queda no curto prazo já foi consolidado, após operar abaixo da média móvel curta (21 períodos).

Indicadores e eventos
EUA: Balanços de Bancos (antes da abertura)
IBGE: volume de serviços (9h)
BC faz leilão de swap extra (9h30)
EUA: Pedidos de auxílio-desemprego (9h30)
EUA: PPI de setembro e Núcleo do PPI (9h30)
EUA/DoE: Estoques de petróleo (11h30)


Ganhe dinheiro com hospitais, shoppings e outros empreendimentos, tudo com taxa ZERO de corretagem! Invista em Fundos de Investimento Imobiliários

Anúncio Patrocinado Invista em Ações com TAXA ZERO de corretagem! Invista em Ações com TAXA ZERO de corretagem!