Siga nossas redes

Cafeína

É a era da tokenização dos times de futebol? CBF cria NFT e criptomoeda própria

As seleções de futebol do Brasil, Argentina e Espanha, assim como times como Juventus, Barcelona, Milan, Paris Saint- Germain e Corinthians já detêm seus próprios “fans tokens”.

Publicado

em

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) fechou uma parceria com uma empresa de blockchain turca, a Bitci Technology, para o lançamento de uma criptomoeda oficial e de tokens não fungíveis  (NFTs, na sigla em inglês) ligados à seleção brasileira.  Essa parceria deverá durar três anos e tanto a criptomoeda quanto os NFTs lançados serão negociados diretamente pela empresa turca.

Mas o que é um NFT?

O NFT, que traduzido significa “token não fungível” são tokens gerados a partir de uma blockchain e que servem para dar a um item específico uma espécie de identidade única, como um selo oficial de item raro. Essa é uma espécie de garantia a um item digital.  A principal diferença entre criptomoedas (que são ativos digitais fungíveis) e os NFT (não fungíveis) é que os primeiros são intercambiáveis e os últimos não.

Isso significa que criptomoedas são cambiáveis pelo valor equivalente em dólares ou reais, por exemplo. Isso porque o termo “fungível” significa “passível de ser substituído por outra coisa de mesma espécie, qualidade, quantidade e valor”. Ao contrário, os NFTs são “não fungíveis”.

E de olho nesse mercado, seleções de futebol assim como clubes estão criando os seus próprios NFTs. A seleção brasileira não é a primeira a lançar um token de torcedor no mundo do futebol. A própria Bitci, que é a parceira nesse negócio com a CBF tem uma parceria anterior com a seleção da Espanha. Além disso, a seleção da Argentina fechou recentemente uma parceria com o unicórnio cripto Chiliz   – que está por trás da plataforma Sócios.com, para também lançar seu token de torcedor, assim como o Corinthians.

No caso do time paulista, quem deter o token do Timão poderá participar das decisões do clube, promoções especiais, adquirir conteúdo exclusivo, além de receber recompensas por interação na plataforma da sócios.com. A mesma estratégia que a CBF está adotando para alavancar a interação com os fãs da seleção brasileira em todo o mundo, além de proporcionar experiências, conteúdo e benefícios .

Os NFTs da seleção brasileira estarão disponíveis para venda em breve. Vale dizer que também incluirá as seleções brasileiras de futebol masculino e feminino, além das seleções sub-20, sub-17 e sub-15. Durante a vigência do contrato, a Bitci Technology será a única parceira de negócios relacionados à tecnologia blockchain da seleção brasileira. Porém, a CBF também não descarta a listagem dos tokens em outras corretoras.

Vale dizer que o objetivo principal dos times é alavancar a sua receita comercial com a criação dos tokens, além de aproximar os torcedores. No meio do futebol, quase 40 times de todo o mundo já emitiram os seus próprios “fan tokens”. O Atlético Mineiro foi o primeiro clube do Brasil a aderir o formato.

Alguns gigantes europeus, como, Juventus, Barcelona, Milan e Paris Saint- Germain também já aderiram aos fans tokens, que aliás, só em 2021 já renderam mais de 150 milhões de dólares, segundo a Socios.com.  Mas vale ressaltar que os ativos digitais como os fans tokens não prometem valorização muito menos a manutenção de seu valor.

Ganhe dinheiro com as variações cambiais enquanto seu patrimônio fica protegido. Invista em Dólar!

Anúncio Patrocinado Invista em Ações com TAXA ZERO de corretagem! Invista em Ações com TAXA ZERO de corretagem!