Siga nossas redes

Cafeína

Exploração espacial: como investir no setor?

Com Musk, Bezos e Branson no comando, como surfar na exploração espacial? Veja como se expor a empresas ligadas a exploração do espaço.

Publicado

em

Estima-se que em uma década o turismo espacial deva chegar a uma indústria de US$ 20 bilhões anuais, competindo diretamente com as aéreas. Mas a curto e médio prazos, a aposta é que os satélites para internet banda larga serão os principais responsáveis por esse crescimento.

Segundo o Bank Of America, a maior oportunidade do setor espacial hoje é fornecer acesso à internet para partes sub desenvolvidas e não atendidas ao redor do mundo. Somado a isso, há projeções de um aumento na demanda por ampliação de banda larga para tecnologias como carros autônomos, internet das coisas, inteligência artificial e realidade virtual.

De olho nessa demanda, a Starlink, empresa de Elon Musk, já colocou 11.670 satélites de conexão de banda larga no espaço. Porém a meta é chegar à marca de 42 mil. Já a Blue Origin – empresa de Jeff Bezos – está de olho no filão do turismo espacial, porém, não sozinha. A Virgin Galactic, de Richard Brenson, também está nessa corrida ao espaço. A companhia vem fazendo algumas projeções para viagens turísticas curtas, a pelo menos 100 quilômetros acima da terra.

O que parece ser bem mais pés no chão do que Musk, já que o fundador da Space-X pretende colonizar Marte em um futuro não tão distante. Até 2050, o seu objetivo é enviar um milhão de humanos para o planeta vermelho, em viagens a cada 30 dias.

Toda essa movimentação coloca em foco o setor espacial que parece estar se aquecendo cada vez mais. E seguindo este rastro, investidores começam a ficar de olho onde apostar suas fichas.

Das 3 empresas espaciais – Space-X, Blue Origin e Virgin Galactic, apenas a última tem ações negociadas em bolsa. Desde outubro de 2017, que foi quando os papeis da Virgin Galactic (SPCE) estrearam, eles rentabilizaram 450%.

Já no universo dos ETFs, existe o fundo de índice UFO, negociado na bolsa americana com o ticker OVNI. Este é o primeiro fundo global aeroespacial e de defesa. O ETF tem lastro em um índice espacial chamado S-Network Space Index, e já ultrapassou US$ 100 milhões em ativos sob gestão.

As empresas incluídas neste fundo abrangem várias indústrias, incluindo produtos e serviços de consumo baseados em satélite, fabricação, implantação e manutenção de foguetes e satélites, hardware de tecnologia espacial, fabricação de equipamentos de solo, e serviços de inteligência. 

Este ETF divide as empresas em dois setores. O primeiro é composto por empresas não diversificadas, com pelo menos 50% de suas receitas provenientes de atividades relacionadas ao espaço. O segundo setor é composto por empresas diversificadas, que desempenham um papel significativo na produção de tecnologia e equipamentos espaciais. 

O primeiro setor – que é o não diversificado – recebe 80% do peso do Índice. Já as de empresas diversificadas correspondem a 20% do peso do índice. Seu crescimento foi de 23% desde dezembro de 2019 .

E também existe o ETF FITE. Ele rastreia um índice de ações dos EUA que apoia as inovações tecnológicas em futuras aplicações militares e de segurança. As empresas que compõe o índice são selecionadas a partir de sete subsetores: robótica, tecnologia vestível, tecnologia de drones, realidade virtual, tecnologia espacial, segurança cibernética e segurança avançada de fronteira.

Um comitê ainda classifica as ações elegíveis com base no impacto que a empresa fornece em relação ao futuro da segurança. Seu rendimento foi de 73% desde sua abertura, em dezembro de 2017.

A questão é que nenhum destes investimentos, pelo menos por enquanto, estão acessíveis na B3 – a bolsa brasileira. Para acessar é necessário abrir uma conta em uma corretora de investimentos no exterior. Mas com tantos investimentos surgindo, como ETFs ou fundos ligados a empresas de tecnologia, isso é só uma questão de tempo.

Este conteúdo é de cunho jornalístico e informativo e não deve ser considerado como oferta, recomendação ou orientação de compra ou venda de ativos.

Seja sócio das maiores empresas do Brasil com corretagem ZERO! Invista em Ações

Anúncio Patrocinado Invista em Ações com TAXA ZERO de corretagem! Invista em Ações com TAXA ZERO de corretagem!