Siga nossas redes

Vale a Leitura

Vale a Leitura: um elogio ao óbvio para quem faz acontecer

Imagine explicar sua ideia para uma criança. Ela entenderia? Se você concluir que não, significa que a ideia não é tão óbvia assim.

Publicado

em

Obvio Adams

Quando fiz minhas primeiras anotações em 2015 sobre o livro “Óbvio Adams”, de Robert Updegraff, grifei em letras grandes a seguinte citação: “Quando se pensa em empreender, a maioria das pessoas confunde criatividade com algo sofisticado, diferente, inédito, nunca o que é óbvio. O óbvio é simples demais”. Assim, recomendo a leitura desse livro que me fascinou e continua a ocupar o meu espaço mental.

LEIA MAIS: Vale a leitura: ‘O Jogo Infinito’, de Simon Sinek

O livro “Óbvio Adams” faz lembrar um outro óbvio, escrito pelo jornalista Nelson Rodrigues, “O Óbvio Ululante”. Ambos com o mesmo sentido: “gritar o óbvio” ou “a verdade que grita”.  Foi daí que veio a inspiração para essa recomendação. Lembro-me que, quando li o livro, buscava tornar simples a comunicação para a oferta de produtos e que estimulassem os clientes a comprarem.

Agora, ainda mais atual do que nunca, a obra de Robert Updegraff é uma recomendação necessária. O nosso mundo de hoje requer simplicidade, porém fazer não é simples, daí me faz lembrar de Leonardo Da Vinci: a simplicidade é o máximo da sofisticação. Trocando em miúdos, o simples é fazer o óbvio e o óbvio é simples e tem que ser ululante, saltar à vista e levar a expressão, puxa é isso mesmo, tão claro que brilha na nossa mente. Essa é a grande lição que aprendi ao ler o “Óbvio de Adams” publicado há 104 anos.

O que Adams ensina

Quantas pessoas são capazes de perceber e fazer o óbvio? E quantas têm persistência suficiente para levar adiante suas ideias a respeito do que é óbvio? “Quanto mais eu pensava nisso, mais me convencia de que havia lugar na empresa para um rapaz capaz de ver a coisa óbvia a se fazer, lidar com ela diretamente” pergunta Bob Updegraff, em trechos do livro. Sem dúvida, o óbvio é ir direto ao ponto.

No livro, Oliver Adams é um personagem comum, salvo por uma característica especial – o poder de ir direto ao ponto, melhor ferramenta para resolver problemas e chegar ao sucesso. Na imaginação do autor, o personagem de Adams transcorre em lições, por meio de metáforas, para as empresas e pessoas ligadas ao mundo dos negócios. Tais lições ficam tão óbvias que tornam-se ao longo da leitura, possibilidades concretas e ficam reais em nossas mentes.

Com dicas simples e bem-humoradas, baseadas em situações reais e com exemplos de empresas e produtos, o autor expõe os princípios de Adams:

  1. Se você conseguir passar uma mensagem que lhe pareça óbvia, o mais provável é que ela também pareça óbvia para as outras pessoas — inclusive os clientes.
  2. E quando a mensagem é óbvia para os clientes, eles a entendem e compram o que você tem para oferecer
  3. Aquilo que é óbvio, normalmente, é tão simples e comum, que não exerce nenhum efeito sobre a imaginação nem oferece muito assunto para discussão, e todos nós gostamos de falar de ideias criativas, pirotécnicas e planos elaborados em jantares de negócios. Mas quase sempre essas ideias representam um gasto desnecessário e visam atender ao ego, não ao objetivo real, que é vender algo: ideia, produto ou serviço. 
  4. Quando se pensa em empreender, a maioria das pessoas confunde criatividade com algo sofisticado, diferente, inédito, nunca o que é óbvio. O óbvio é simples demais.
  5. Não caia na armadilha do pensamento hiper-criativo. Diz o autor, por meio de seu personagem Adams: “E esse pensamento, com frequência, leva as pessoas a criarem mensagens, propostas, produtos vagos, confusos e, muitas vezes, difíceis de entender, o que resulta em marketing ineficiente e dinheiro jogado fora”.
  6. O timing é tudo. “Muitas ideias podem ser excelentes, mas talvez cheguem antes ou depois de seu tempo. Há inúmeros casos de ideias ótimas que foram lançadas e naufragaram. Depois, são relançadas por outras pessoas e alcançam enorme sucesso. Não se antecipe nem se atrase. Estará antecipado quando as pessoas gostarem da proposta, mas pedem para pensar um pouco”. Simples assim. E atrasado, se não parecer novo, original.
  7. Curto, objetivo, simples — Imagine explicar a ideia para uma criança. Escreva a ideia e pense se, ao mostrar para uma criança, ela entenderia. Se você concluir que não, mesmo que esteja no caminho certo, significa que a ideia não é tão óbvia ou a proposta não está suficientemente amadurecida”.

            De tudo, o que podemos assinalar sobre o “Óbvio Adams” é que ao final fazer simples é tirar os excessos na comunicação e ir direto ao ponto.

*Aloisio Sotero é professor de Finanças para Economia Digital, designer de Negócios Digitais e cofundador da BAEX, Escola Internacional de Educação para Executivos.

Ganhe dinheiro com hospitais, shoppings e outros empreendimentos, tudo com taxa ZERO de corretagem! Invista em Fundos de Investimento Imobiliários

Anúncio Patrocinado Invista em Ações com TAXA ZERO de corretagem! Invista em Ações com TAXA ZERO de corretagem!