Siga nossas redes

Criptonews

O mercado de NFTs é uma bolha?

Tecnologia só está começando e tem potencial para resolver diversos problemas.

Publicado

em

Tempo médio de leitura: 10 minutos

Na era em que vivemos, a evolução tecnológica está cada vez mais rápida e as soluções digitais são fundamentais para o andamento das mais diversas atividades.

Não é de se estranhar que NFTs, blockchain e criptografia sejam termos cada vez mais citados e tecnologias cada vez mais utilizadas em diversos setores.

Quando o assunto são NFTs, especificamente, os olhos de muitas pessoas brilham. Eleita a palavra do ano em 2021 pelo dicionário Collins, trata-se na verdade de uma sigla que significa “Non Fungible Tokens”, ou tokens não fungíveis, em bom português. 

Mas, afinal, o que isso quer dizer?

O termo “fungibilidade” é a característica de tudo aquilo que é substituível, trocável. Por isso, quando estamos falando de ativos digitais, tokens fungíveis são aqueles cujas unidades individuais são intercambiáveis e essencialmente indistinguíveis uma da outra. 

Por exemplo, o bitcoin é fungível, porque cada unidade de $ BTC é intercambiável com qualquer outra unidade individual equivalente. 

Independentemente do bloco em que tenham sido emitidos, todos eles possuem o mesmo valor unitário, pois essa é uma propriedade fundamental para um ativo que é a representação digital do dinheiro, que, por consequência, pode ser usado como um meio de troca. 

Acontece que em 24/01/18 foi lançada uma proposta de melhoria no ethereum que resultou na criação de um novo padrão de contrato inteligente, denominado ERC-721. 

Basicamente, a partir de então passou a ser mais fácil criar tokens únicos, não intercambiáveis entre si, ou seja, não fungíveis, utilizando a tecnologia do ethereum.

Mas ainda que o ERC-721 tenha sido a melhoria tecnológica responsável pela popularização dos NFTs, a história desses tokens únicos começou anos antes. Poucos sabem, mas o conceito de tokens únicos nasceu com as chamadas “moedas coloridas” (colored coins) em 2012.

Mas foi só nos últimos anos que os NFTs se popularizaram. O sucesso recente foi tanto que diversas celebridades entraram na onda: desde o jogador de futebol Neymar até outras celebridades de âmbito global, como Justin Bieber, Jimmy Fallon, Snoop Dogg e Serena Williams. 

Em 2021, o mercado de NFTs chegou a movimentar cerca de US$ 40 bilhões, segundo dados da Chainalysis, atraindo grandes empresas de fora do universo blockchain, como Coca-cola, Pepsi, Adidas, Budweiser, Volkswagen, Nike, dentre muitas outras.

Como tudo começou

Token não fungível (NFT) exibido no OpenSea é visto através de uma lupa 28/02/2022 REUTERS/Florence Lo

O conceito de tokens únicos nasceu com as chamadas “moedas coloridas” (colored coins) em 2012. Armazenadas na blockchain do bitcoin, as colored coins ofereciam uma maneira de representar digitalmente a propriedade de ativos únicos do mundo real.

Com objetivo de conectar tecnologias inovadoras com a arte, em 2014 foi criado, durante um evento no Museu de Arte Contemporânea em Nova York, aquele que parece ter sido o primeiro NFT. Os criadores eram o artista Kevin McCoy e o empreendedor Anil Dash.

Na ocasião, eles fizeram com que um videoclipe criado pela esposa de McCoy fosse representado por um NFT, criado na blockchain da Namecoin. 

O foco dessa criação era proporcionar aos artistas fontes adicionais de renda extra e maior controle sobre seus trabalhos.

Mais adiante, em 2015, após a criação do ethereum, surgiu o primeiro projeto de NFT fazendo uso de sua blockchain, chamado Etheria. 

O projeto tinha o objetivo de ser um mundo descentralizado: foram criados os “cripto-imóveis”, representados por hexágonos comercializáveis, o que foi apresentado posteriormente na DEVCON 1.

Seguindo a linha de desenvolvimento e novas descobertas, em 2017, a Larva Labs lançou uma coleção com 10 mil NFTs, num projeto chamado de CryptoPunks, com vários personagens com características únicas, imagens de arte em pixels 24×24 retratando os “punks”.

Um dado interessante a respeito desse projeto é que inicialmente eles foram criados para serem distribuídos gratuitamente. No entanto, em 2017, um dos modelos da coleção foi vendido pela bagatela de US$ 917 mil. O sucesso foi tanto que, em 2021, a Visa adquiriu um personagem da coleção, identificado como CryptoPunk #7610.

Mas, como se sabe, a evolução dos NFTs não parou por aí.

Desenvolvedores continuaram abrindo diversos leques de oportunidades, até que o próximo experimento, dessa vez com games, ocorresse: um jogo chamado CryptoKitties foi lançado, trazendo NFTs colecionáveis com imagens de diversos gatinhos, emitidos utilizando a blockchain da ethereum.

Apenas após a popularidade viral de coleções como Rare Pepes na plataforma Counterparty, baseada em bitcoin, a ethereum disponibilizou o padrão ERC-721, em 2018. Isso abriu caminho para que outras redes blockchain habilitadas para contratos inteligentes, como solana e tezos, ajudassem a promover a adoção e circulação de NFTs.

A popularização

Para entender esse ponto, é preciso saber que o momento do mercado de criptoativos entre 2018 e o início de 2020 vinha sendo marcado por baixas sucessivas, ou seja, estávamos vivendo um bear market

Entretanto, foi justamente nesse período que diversas equipes construíram infraestrutura para NTFs, apostando na popularização futura desse tipo de token. Foi o caso de plataformas como OpenSea, SuperRare, e Nifty Gateway, nomes desconhecidos até meados de 2020, mas que logo após começaram a valer bilhões de dólares, protagonizando juntamente com o crescimento exponencial desse mercado.

O ponto de virada das NFTs veio depois do aquecimento do mercado de criptoativos, que, após o halving do BTC, em 2020, passou a apurar novas e sucessivas altas, iniciando um ciclo bem mais atrativo a investidores (bull run). 

Nesse sentido, o grande marco para os tokens não fungíveis veio com o lançamento dos Bored Ape Yacht Club (BAYC), em 23 de abril de 2021. A coleção era composta por 10.000 NFTs precificados a 0.08 ETH cada – na época, algo próximo dos US$ 200. 

Por quase uma semana, para ter um dos NFTs desses macacos bastava entrar no site, fazer uma transação (mint) e obtê-lo. A aparência do item ainda estaria oculta: a data oficial em que os modelos foram revelados foi apenas em 30 de abril. 

Até aquele momento, os NFTs não eram criados com características de cartoon – foram os BAYC que inauguraram o padrão. A comunidade ficou surpresa e pouco mais de oito horas depois da revelação das artes, todos os NFTs foram vendidos.

Os NFTs do BAYC inicialmente tinham uma utilidade: além da sinalização social, permitiam que os seus detentores pudessem grafitar na parede de um “banheiro virtual” e acessar um chat exclusivo no Discord.

A partir dessa experiência, ficou evidente o quão promissora poderia ser a utilização dos NFTs para diversos setores e modelos de negócios. 

No caso da Yuga Labs, responsável pelo BAYC, o plano passou a ser criar um clube com experiências restritas apenas aos detentores dos NFTs de determinada coleção.

O sucesso foi tanto que diversas celebridades entraram na onda, como já comentado.  Em outras palavras, “a moda pegou” e apenas isso foi o suficiente para a tamanha popularização do assunto.

Exclusividade, status e utilidade: o valor dos NFTs

Entender a precificação de alguns ativos não é tarefa fácil: de uma pintura ao direito autoral de uma música, muitas vezes não temos ideia de porquê uma obra chega a valer preços astronômicos.

O mesmo vale para os NFTs: por que alguém pagaria cerca de R$ 6 milhões por uma imagem de um macaco fazendo uma bola de chiclete, como fez Neymar?

A questão aqui não é simples, como se pode supor. É claro que, como tudo que permeia o universo de criptoativos, as precificações se dão pela simples lei de oferta e demanda. 

Ocorre que, com todo esse histórico de desenvolvimento e diversos casos bem sucedidos, a demanda por NFTs aumentou exponencialmente e é composta tanto por pessoas que buscam os benefícios que os tokens oferecem quanto por especuladores. 

Esse aumento desenfreado da demanda sem dúvida foi determinante para as valorizações também exponenciais dos preços de alguns NFTs, porém não foi o único. 

A verdade é que a gama de utilidade por trás da tecnologia blockchain atrelada ao que os NFTs podem proporcionar nos faz entender que o valor de um token não-fungível está ligado a três aspectos: exclusividade, status/autoridade e utilidade.

Portanto, coleções de NFTs que constroem senso de pertencimento e que criam a possibilidade de uso prático são as mais valiosas. Um exemplo é o Bored Ape Yacht Club (BAYC).

Com o tempo, conforme os casos de uso forem evoluindo, é possível que outros fatores também venham a interferir na precificação desses ativos.

Mas a lei da oferta e demanda ainda deverá ser o mais determinante: períodos de baixa do mercado poderão trazer oportunidades de NFTs subprecificadas e períodos de alta poderão ocasionar tokens extremamente inflacionados.

É bolha?

Estamos diante de um novo mercado, utilizando uma nova tecnologia que, dada sua natureza, pode sim ser altamente especulativa. 

Por isso, é possível que, em determinados momentos, o mercado dos NFTs apresente um comportamento de bolha, com coleções a preços altamente inflados.

Possivelmente, esse foi o caso que presenciamos ao final de 2021: com o mercado de criptoativos em alta, os preços de muitos NFTs atingiam novos recordes a cada dia.

Contudo, a correção de preços nesse caso veio rápida e acompanhada da baixa do mercado cripto ocorrida durante o ano de 2022. Isso é um sinal de que, assim como alguns criptoativos em geral, o mercado também tende a corrigir grandes disparidades que ocorrem no nicho dos NFTs.

De toda maneira, é importante lembrar que os NFTs criaram um conceito fundamental para a existência do metaverso, que é a unicidade digital. 

Apenas com tokens não fungíveis, que são escassos de forma digital, é possível a criação de uma identidade única e de itens únicos que um usuário pode deter dentro de um ambiente virtual. 

Além disso, diversos outros usos de caso possíveis em diversos mercados (artes, itens colecionáveis, indústria da música, serviços financeiros) ainda estão nos primórdios da exploração dos NFTs como solução para antigos problemas. Portanto, é de se esperar que diversas novidades surjam nesse sentido – e diversos novos tokens também.

Assim, me parece cedo para dizer que o mercado de NFTs é uma bolha. Na verdade, considerando o potencial da tecnologia e a quantidade de problemas que ela pode solucionar, minha opinião é de que ainda mal começamos a ver o potencial dessa indústria – e da valorização dos tokens não fungíveis também.

*Helena Margarido é especialista em blockchain e moedas digitais e sócia da Monett

As informações desta coluna são de inteira responsabilidade do autor e não do InvestNews e das instituições com as quais ele possui ligação. 

Veja também

Faça seu dinheiro começar a render mais hoje! Vem pro Nu invest!

Anúncio Patrocinado Probabilidades Samy Dana Probabilidades Samy Dana
ANÚNCIO PATROCINADO      Carteira de Dividendos Agosto

Abra sua conta! É Grátis

Já comecei o meu cadastro e quero continuar.
Anúncio Patrocinado Cripto no App Nu