Siga nossas redes

Economia

Collins, do Fed, diz que corte de juros pode ocorrer mais à frente este ano

Publicado

em

por

Tempo médio de leitura: 3 minutos

Por Michael S. Derby

NOVA YORK (Reuters) – A presidente do Federal Reserve de Boston, Susan Collins, disse nesta quarta-feira que, se a economia atender às suas expectativas, o banco central dos Estados Unidos provavelmente conseguirá reduzir os juros em algum momento ainda este ano.

Mas ela não indicou em que momento esse passo será dado e disse que precisará de mais evidências de que a inflação está recuando para a meta de 2% antes de defender um afrouxamento monetário.

“Por ora, a política monetária permanece bem posicionada, à medida que avaliamos cuidadosamente a evolução dos dados e as perspectivas”, disse Collins em discurso preparado para uma reunião do Clube Econômico de Boston.

“À medida que ganharmos mais confiança na economia, atingindo os objetivos do Comitê (Federal de Mercado Aberto, Fomc), e consistente com as últimas projeções dos participantes do Fomc, acredito que provavelmente será apropriado começar a aliviar a restrição da política monetária mais para frente este ano”, disse Collins.

A flexibilização dos juros “proporcionará gradualmente a flexibilidade necessária para gerir os riscos, ao mesmo tempo que promoverá preços estáveis ​​e pleno emprego”.

As declarações de Collins foram as primeiras feitas por ela desde que as autoridades do Fed deixaram inalterada sua taxa básica de juros entre 5,25% e 5,5%, movimento que disse ter apoiado.

O Fed também abriu a porta para a redução da taxa, dado o rápido recuo da inflação em direção à meta de 2%, mas o chair do Fed, Jerome Powell rejeitou a visão do mercado de que o primeiro corte poderia ocorrer em março.

A cautela do Fed sobre o corte dos juros foi aparentemente corroborada pelos dados muito fortes de criação de empregos fora do setor agrícola, divulgados na sexta-feira. Para Collins, esses dados ajudaram a mostrar o motivo pelo qual o Fed precisa ser cauteloso na transição para uma política monetária mais frouxa.

“A força inesperada nos dados recentes do PIB e do mercado de trabalho exemplifica a resiliência contínua da demanda e destaca que a desaceleração prevista na atividade pode levar algum tempo”, observou Collins, acrescentando que “o caminho que a economia toma em direção aos objetivos do Fed continua a ser acidentado e desigual, e não devemos reagir exageradamente a dados individuais.”

Ela explicou o que precisa ver na economia para apoiar uma flexibilização da política monetária.

“Quero ver evidências de que os salários estão evoluindo de uma forma que, em última análise, seja consistente com a estabilidade de preços”, disse.

Ela também afirmou que “esperar que todos os indicadores estejam bem alinhados é uma barra muito elevada, mas ver sinais sustentados e amplos de progresso deve fornecer a confiança necessária para iniciar um ajuste metódico em nossa postura de política monetária”.

Após seus comentários formais, Collins disse que o Fed não precisará atingir a meta de inflação de 2% imediatamente para começar a reduzir os juros, dizendo que a confiança na trajetória da inflação é mais importante. “Concordo plenamente” que, se o Fed fosse esperar por uma inflação de 2% em uma base de 12 meses, “isso seria esperar demais”.

Veja também

ANÚNCIO PATROCINADO Confira

Abra sua conta! É Grátis

Já comecei o meu cadastro e quero continuar.