Siga nossas redes

Economia

É recessão ou depressão o que vem por aí? Entenda o que cada uma significa

Por conta da pandemia, a retração da atividade econômica é cada vez mais certa. Mas qual a profundidade da crise e até onde ela pode ir?

Publicado

em

por

Breno Queiroz
Investimento queda

Acordar cedo e tomar café na padaria, arrumar-se para o trabalho, levar as crianças à escola, exercitar-se na academia. Estes deixaram de ser hábitos comuns. Enquanto algo invisível nos impede de sair de casa e conviver normalmente, alguns reclamam do isolamento, argumentando que a pandemia do coronavírus não seria motivo para interromper totalmente a atividade econômica.

Discutem letalidade, grupos de risco e margens de lucro. Não querem que a roda gire para trás: querem evitar uma recessão. Outros acham que a recessão já acontece, e que aconteceria mesmo se o novo coronavírus não tivesse entrado no país. Consideram, então, se tratar de algo mais sério, como uma depressão. Mas não se pode falar de uma sem olhar para outra, pois são conceitos interligados. Mas o que cada uma significa?

VEJA MAIS: Quanto tempo dura a crise?

Não existe uma teoria estabelecida sobre as depressões, como há para as recessões uma literatura consagrada sobre o assunto. A primeira, ao contrário do que alguns acham, não foi a Grande Depressão de 1929. No final do século XIX, a dissolução da Bolsa de Viena, na Áustria, espalhou uma crise mundial, em um episódio hoje conhecido como O Pânico de 1873.

Desde então, as depressões deixam marcas evidentes que os economistas usam para caracterizá-las: disparam fora do mercado de bens e serviços e tornam-se internacionais; acarretam em deflação — o contrário de inflação, uma queda nos preços; uma acentuada queda da produção e elevação do desemprego.

É também consenso entre os economistas que as depressões são prolongadas, enquanto as recessões são pontuais e até consideradas normais. Nos Estados Unidos, o Escritório Nacional de Pesquisas Econômicas (NBER, na sigla em inglês) possui um comitê de datação de ciclos. De 1945 a 2008, ou seja, um período isento de depressões, o órgão privado identificou 112 meses de recessão distribuídos em 11 ciclos.

Definição técnica

Segundo o consultor econômico e professor da Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS), Francisco Funcia, a recessão se caracteriza, tecnicamente, por dois trimestres seguidos de queda no Produto Interno Bruto (PIB).

Nesta quinta-feira (26), o Relatório de Inflação do Banco Central (BC) divulgou um reajuste na projeção de crescimento do PIB em 2020, de 2,2% para zero. Ou seja, sem incluir necessariamente uma retração por dois períodos seguidos.

“A depressão seria uma recessão profunda”, resume o professor. E complementa alertando que o lento processo de retomada “não recompôs as quedas vivenciadas na recessão entre 2015 e 2016”.

Para a professora e coordenadora do curso de graduação em economia do Insper, Julia Inhasz, existem alguns indicadores que podem ajudar a identificar uma recessão, apesar da grande incerteza característica da atual crise.

“A percepção que temos de recessão atualmente é uma perda de atividade econômica muito intensa, durante um período que tende a ser prolongado”. Logo, a recomendação dela é olhar os índices de desaquecimento: produção industrial, expectativa do consumidor e do investidor e a taxa de desemprego.

Aplicação no contexto

Usando as métricas dadas pela professora e analisando alguns dados já disponíveis, podemos enxergar melhor a crise. A China, por exemplo, — que apesar de ser o epicentro da doença — já passou pelo pico de contaminação, registrou queda na produção industrial de 13,5% no primeiro bimestre de 2020, ante igual período de 2019.

A taxa de investimentos caiu 24,5% em janeiro/fevereiro sobre o ano anterior, enquanto o investimento privado despencou 26,4%. As vendas no varejo encolheram 20,5%, uma vez que consumidores evitaram locais lotados. A taxa de desemprego subiu de 5,2% em dezembro, para 6,3% em fevereiro, número mais alto da série histórica. Os dados são do Escritório Nacional de Estatísticas (NBS, na sigla em inglês).

Além das incertezas próprias de uma crise causada por uma pandemia, ao se fazer as projeções para a economia brasileira a partir da China, é preciso considerar que as medidas restritivas adotadas pela segunda maior economia do mundo para conter a disseminação foram extremamente rigorosas. Algo determinante para diminuição do período em que a atividade econômica ficou paralisada.

Como atesta o professor Funcia, ainda que “as possibilidades de intervenção de um Estado forte sejam dadas pelo próprio modelo político, elas servem de referência para mostrar como uma ação coordenada, inclusive com gasto público aumentado, pode ter efeito, mesmo em um regime aberto”.  

Depressão ou recessão? 

É difícil escolher um critério básico para determinar o quanto uma recessão deve perdurar para que se torne uma depressão de verdade. No Brasil, dados fundamentais como crescimento do PIB e desemprego já representam um cenário caótico de discordância entre os economistas. 

Alguns consideram que o país ensaia desde 2014 uma depressão, já que o crescimento atual não recuperou os níveis pré-crise, e muito menos foi suficiente para trazer o nível de empregabilidade alcançado antes. Entre o primeiro trimestre de 2015, quando houve queda de 0,7% no PIB, e a última retração de 0,9% no segundo trimestre de 2017, foram no total 10 trimestres de recessão.

VAIVÉM DA ECONOMIA

Embora não considere uma depressão, o professor Funcia, como prestador de serviços técnicos na área de orçamento e finanças públicas, ocupado principalmente com o Sistema Único de Saúde (SUS), teme que a demora do Governo Federal em aumentar os gastos públicos possa piorar a crise.

Ele cita como exemplo as ações dos governadores de São Paulo, João Dória (PSDB), e da Bahia, Rui Costa (PT), que optaram por acionar a justiça para não serem cobrados de suas respectivas dívidas com a União, e assim remeterem os recursos para o combate ao coronavírus.

Já a professora Inhasz, do Insper, afirma que a questão entre recessão e depressão “de fato é polêmica”. Segundo ela, “a economia mundial passou por momentos raros de depressão. A gente tem uma grande depressão em 1929, que muita gente caracteriza como grande recessão. Os economistas não entraram em um consenso quanto a isso, como em muitas outras coisas”.

Ela segue, porém, apontando que estamos em um período em que novos pactos sociais devem ser feitos, sem que “cada um puxe a corda para o seu lado”. E termina dizendo que “o mundo passa por um momento diferente, já que nunca imaginamos que com o avanço da tecnologia e da medicina uma pandemia traria ameaça. As economias vão ter que se reinventar”. 

Anúncio Patrocinado Dinheiro parado? Não mais! Invista e mudo o jogo! Dinheiro parado? Não mais! Invista e mudo o jogo!

O InvestNews é um canal de conteúdo multiplataforma que oferece a cobertura diária de notícias e análises sobre economia, investimentos, finanças, mercado financeiro, educação financeira, projeções, política monetária e econômica. Tudo o que mexe com o seu dinheiro você encontra aqui, com uma linguagem simples e descomplicada sobre o mundo da economia e dos investimentos.