Siga nossas redes

Economia

Para Lula, Brasil tem de encontrar solução independente de cenário global

O presidente teceu comentários sobre a economia brasileira, mas se esquivou de falar sobre indicações ao Banco Central.

Publicado

em

Tempo médio de leitura: 7 minutos

O presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, disse nesta sexta-feira (27) que o Brasil precisa encontrar soluções para a economia independentemente do cenário internacional. Ele também se disse confiante com a aprovação da reforma tributária.

Além disso, o presidente disse que o vice-presidente da República, Geraldo Alckmin, e o ministro da Casa Civil, Rui Costa, viajarão para vender projetos brasileiros voltados a energias limpas.

Lula mencionou as previsões de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2023 acima de 3%, e disse que desde o começo do governo de Dilma Rousseff o país não tem um avanço dessa monta na economia.

“Não adianta ninguém encucar ‘ah, porque está ruim, o juros americanos estão ruim’. Não quero saber, eu quero saber do Brasil. Temos que encontrar solução aqui. Temos que ser criativos aqui. Temos que aceitar os desafios aqui. Eu na minha vida não aceito a ideia de que tem coisas que são impossíveis. Na minha experiência de vida a única coisa impossível é Deus pecar. O resto, a gente pode fazer qualquer coisa, é só querer”.

presidente Lula

No entanto, o presidente afirmou ainda que dificilmente o Brasil atingirá o déficit zero nas contas públicas em 2024, como proposto pelo ministro da Fazenda, Fernando Haddad. O chefe do Executivo avalia que um rombo de 0,5% ou 0,25% não é “nada” e reforçou que vai tomar a decisão “que seja melhor para o Brasil”.

“Tudo que a gente puder fazer para cumprir a meta fiscal, a gente vai fazer. O que posso dizer é que ela não precisa ser zero. A gente não precisa disso. Eu não vou estabelecer uma meta fiscal que me obrigue a começar o ano fazendo um corte de bilhões nas obras que são prioritárias nesse país”

Lula

“Eu acho que muitas vezes o mercado é ganancioso demais e fica cobrando a meta que eles acreditam que vai ser cumprida. Então, eu sei da disposição do Haddad, sei das vontades do Haddad, sei da minha disposição, e quero dizer para vocês que nós dificilmente chegaremos à meta zero, até porque eu não quero fazer cortes em investimentos e obras. Se o Brasil tiver o déficit de 0,5% o que é? 0,25% o que é? Nada. Então vamos tomar a decisão correta e nós vamos fazer aquilo que vai ser melhor para o Brasil”, continuou o presidente.

Presidente Luiz Inácio Lula da Silva em Brasília REUTERS/Ueslei Marcelino

Apesar da descrença do mercado financeiro e de setores do Congresso em relação ao cumprimento da meta fiscal estabelecida pela equipe econômica, Haddad tem insistido, em público e nos bastidores, na importância de se perseguir o objetivo fixado no arcabouço para dar uma sinalização de responsabilidade fiscal ao mercado.

A discussão sobre mudar a meta de 2024 ganhou força com o apoio da ala política do governo, incluindo a presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann. A avaliação feita por esses aliados de Lula é que o ajuste fiscal precisa ser mais gradual para evitar uma desaceleração do crescimento econômico.

O ministro da Fazenda, contudo, tem resistido ao “fogo amigo” da ala política do governo. Tanto ele, quanto outros integrantes da equipe econômica mantêm o discurso de que a meta não será alterada.

A posição de Haddad recebeu o respaldo do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central, que no comunicado de sua mais recente reunião ressaltou que perseguir a meta fiscal ajuda a ancorar as expectativas de inflação, o que facilita o ciclo de queda dos juros. O presidente do BC, Roberto Campos Neto, também já fez questão de dizer que é importante o governo persistir na meta.

Brasil na rota da sustentabilidade

O presidente também disse que o Brasil tem condições de ser um dos líderes globais em energias limpas e renováveis. “É por isso que o companheiro Alckmin, a partir do momento que eu puder viajar internamente, o companheiro Rui Costa e outros companheiros do governo vão colocar todos os projetos que nós temos sobre energia verde, colocar embaixo do braço, e viajar o mundo. Viajar. Vendendo os projetos”, declarou o presidente.

“Queremos construir parcerias produtivas para que as pessoas não venham com seus fundos aqui apenas explorar a taxa de juros alta. Que eles venham para cá para investir em coisas produtivas, que gerem um produto, que gere um emprego, que gere um salário, que gere um dinamismo no crescimento de nossa economia brasileira, que é o que estamos precisando. Estamos com a responsabilidade de aprovar a política tributária. Estou confiante de que ela vai ser aprovada”.

presidente Lula

O relator da reforma tributária no Senado, Eduardo Braga (MDB-AM), apresentou o relatório do projeto nesta semana.

“Estou confiante de que a gente vai mudar a relação capital e trabalho. Estamos tentando manter negociação com as empresas de aplicativo para cuidar das pessoas que trabalham com Uber, para cuidar das pessoas que trabalham com moto, para cuidar das pessoas que trabalham de bicicleta”, afirmou o presidente da República. “Estamos sobretudo preocupados em não permitir que a juventude brasileira perca a expectativa que o jovem tem que ter”, disse ele.

Foto: Ricardo Stuckert/PR

Economia difícil em 2024

 Lula disse que apesar de 2023 estar sendo positivo na economia brasileira, com um crescimento previsto de até 3%, o ano de 2024 tende a ser “difícil” dado os problemas da economia global, e por isso, é preciso se preparar para evitar que a “doença se prolifere”.

A queda no crescimento e investimento chinês, além do aumento na taxa de juros americanos apresentam o ano que está por vir como um desafio, na visão do presidente.

Ele fez uma analogia com uma doença e falou em fazer check-ups para evitar “surpresas com doenças que não tem mais cura”. “Nós não vamos ficar parados”, disse.

Balanço para ‘prestação de contas’

O presidente também afirmou que pretende fazer um balanço do governo no final deste ano para oferecer uma “prestação de contas” à sociedade com relação ao seu trabalho.

Lula adiantou otimismo, no entanto, e comemorou os investimentos e entregas realizadas neste primeiro ano do Lula 3.

Indicações ao Banco Central

Com a expectativa de anúncio dos novos indicados ao Banco Central em breve, Lula esquivou-se de perguntas relacionadas ao tema durante café com jornalistas. Segundo o presidente, neste ano ele tem que indicar “muita gente” e os nomes serão anunciados quando tiverem que ser.

O aval ainda depende de conversas com o ministro da Fazenda, Fernando Haddad.

“Na primeira oportunidade que tiver que indicar alguém eu vou. As coisas vão acontecer no momento que tiver que acontecer, eu tenho que indicar muita gente neste ano, não sei se vocês estão acompanhando”, disse o presidente da República.

“Eu tenho que indicar muita gente esse ano. Eu tenho que indicar mais alguns ministros do Superior Tribunal de Justiça (STJ), quatro pessoas do Cade, procurador-geral da República ou procuradora, ministro ou ministra da Suprema Corte. Tudo isso”.

presidente Lula

Com informações de Estadão Conteúdo

Veja também

ANÚNCIO PATROCINADO Confira

Abra sua conta! É Grátis

Já comecei o meu cadastro e quero continuar.