Siga nossas redes

Economia

PIB da China em 2023 mostra recuperação econômica irregular

Publicado

em

por

Tempo médio de leitura: 3 minutos

A economia da China cresceu 5,2% em 2023, um pouco mais do que a meta oficial, mas a recuperação foi bem mais frágil do que muitos analistas e investidores esperavam, com o agravamento da crise imobiliária, riscos deflacionários e demanda fraca lançando uma sombra sobre as perspectivas para este ano.

As expectativas de que a segunda maior economia do mundo apresentaria uma forte recuperação pós-Covid rapidamente se dissiparam à medida que o ano avançava, com a fraqueza da confiança dos consumidores e das empresas, o aumento das dívidas dos governos locais e a desaceleração do crescimento global pesando fortemente sobre os empregos, a atividade e o investimento.

“A recuperação da Covid – por mais decepcionante que tenha sido – acabou”, de acordo com a última pesquisa do Livro Bege Internacional da China divulgada nesta quarta-feira.

“Qualquer aceleração real (este ano) exigirá uma grande surpresa global positiva ou uma política governamental mais ativa”, disse o coletor privado de dados.

Uma série de leituras econômicas nesta quarta-feira sugere que o país perdeu mais impulso a caminho de 2024, apesar de uma enxurrada de medidas de apoio do governo.

O Produto Interno Bruto (PIB) cresceu 5,2% no trimestre entre outubro e dezembro em relação ao ano anterior, mostraram os dados do Escritório Nacional de Estatísticas, acelerando em relação aos 4,9% do terceiro trimestre, mas um pouco abaixo da previsão de 5,3% em uma pesquisa da Reuters.

Na comparação trimestral, entretanto, o PIB cresceu 1,0%, desacelerando em relação a um ganho revisado de 1,5% no trimestre anterior.

Alguns indicadores de dezembro, divulgados juntamente com os dados do PIB, foram mais sombrios, sugerindo que a prolongada crise imobiliária do país está se aprofundando, apesar dos esforços do governo para sustentar o setor.

Outros dados do mês passado mostraram que o crescimento das vendas no varejo desacelerou e o investimento permaneceu morno, com apenas a produção industrial mostrando alguns sinais de melhora.

Especialistas preveem que Pequim irá manter uma meta de crescimento semelhante de cerca de 5% para este ano, mas analistas dizem que isso pode ser uma tarefa difícil, mesmo com estímulos adicionais.

Problemas cíclicos, como a crise imobiliária, estão colidindo com questões estruturais profundas, como a dependência excessiva de investimentos e infraestrutura impulsionadas por dívidas, em vez de medidas para ampliar e aprofundar o consumo.

O chefe do escritório de estatísticas, Kang Yi, disse em uma coletiva de imprensa em Pequim que o crescimento da China em 2023 foi “duramente conquistado”, mas acrescentou que a economia enfrenta um ambiente externo complexo e demanda insuficiente em 2024.

“No momento, o nível da dívida pública e a taxa de inflação do nosso país estão baixos, e a caixa de ferramentas de política monetária está sendo constantemente enriquecida”, disse Kang. “As políticas fiscal, monetária e outras têm uma margem de manobra relativamente grande, e há condições e espaço para intensificar a implementação de políticas macro.”

Veja também

ANÚNCIO PATROCINADO Confira

Abra sua conta! É Grátis

Já comecei o meu cadastro e quero continuar.