Siga nossas redes

ESG

Fundo que só investe em democracias livres supera 97% de emergentes

Gestor tem lista proibida de países antidemocráticos, deixando um terço dos emergentes de fora.

Publicado

em

por

Tempo médio de leitura: 5 minutos

Um gestor de fundos com padrões ambientais, sociais e de governança (ESG) que evita investir em nações classificadas como antidemocráticas tem um de seus melhores anos, depois que a estratégia o ajudou a evitar colapsos em vários mercados emergentes.

Thierry Larose, gestor da Vontobel Asset Management, administra um fundo de títulos em moeda local de mercados emergentes sustentáveis de US$ 330 milhões. De Zurique, ele monitora os rankings da Freedom House, em Washington, e coloca na lista proibida todos os países identificados como “não livres”. Isso deixa um terço do universo dos mercados emergentes de fora, o que inclui alguns dos maiores países.

Nações ‘não livres’ ficam de fora

Os rankings da Freedom House, com 210 países e territórios, levam em consideração eleições, liberdade de expressão e estado de direito. Entre as nações classificadas como “não livres” estão China, Rússia, Egito, Turquia e Tailândia. A estratégia do fundo é baseada na afirmação de que regimes autocráticos tendem a apresentar mais instabilidade no longo prazo, porque carecem dos pesos e contrapesos tipicamente presentes em democracias mais fortes.

“Essa estrutura de filtragem nos ajudou muito”, disse Larose, que coadministra o fundo com Carl Vermassen para a Vontobel, de controle familiar, e que tem US$ 230 bilhões sob gestão.

“Se não houver um mínimo de democracia ou liberdade em um determinado país, as chances são altas de que as instituições sejam mais fracas, implicando maior incerteza em todos os níveis e, para os mercados financeiros, maior probabilidade de volatilidade e retornos erráticos.”

Thierry Larose, gestor da Vontobel Asset Management.

A regra do fundo de não financiar regimes autoritários o salvou do colapso na Rússia após a invasão da Ucrânia por Vladimir Putin e de perdas no Egito e na Turquia. Combinado com o rali deste ano nas democracias da América Latina, isso o coloca à frente de 97% dos mais de 5 mil fundos de mercados emergentes de renda fixa monitorados pela “Bloomberg”.

O fundo da Vontobel gerou retornos totais de 17% em dólar em 12 meses, em comparação com 4% no índice de dívida local de mercados emergentes de referência da Bloomberg.

Evitar Rússia

A Rússia, que já foi a favorita de investidores em mercados emergentes, foi expulsa dos índices de referência dos mercados emergentes e recebeu fortes sanções dos EUA e Europa.

Ucrânia desafia exigência russa de depor armas em Mariupol
Tropas pró-Rússia vasculham carros na cidade portuária ucraniana de Mariupol 20/03/2022 REUTERS/Alexander Ermochenko

A Turquia, classificada como “não livre” pela Freedom House por reprimir dissidentes e limitar a liberdade de expressão, lidera as perdas em dívida local de mercados emergentes este ano, com uma queda de quase 40%. O Egito, onde a oposição significativa é praticamente inexistente, segundo a organização, perdeu 18%, segundo dados compilados pela Bloomberg.

Por outro lado, três dos cinco países com melhor desempenho neste ano — Colômbia, Brasil e Polônia — são classificados como “livres”, enquanto outros dois — Hungria e México — foram classificados como “parcialmente livres” no relatório anual “Freedom in the World” do think tank.

Larose permite o investimento em países “parcialmente livres” e, embora possa haver diferenças de opinião sobre as designações, “preferimos confiar nas classificações fornecidas por terceiros para fins de objetividade”, disse.

“Você não pode ser muito rigoroso se quiser investir em mercados emergentes”, afirmou. “Se quiser democracias completas, acabará com um portfólio com Canadá, Nova Zelândia, Suíça.”

Thierry Larose, gestor da Vontobel Asset Management.

Embora autocracias muitas vezes se esforcem para evitar default da dívida em moeda forte, o que poderia desestabilizar seus regimes e arriscar a apreensão de ativos internacionais pelos tribunais dos EUA, o conjunto de riscos é diferente para a dívida local.

“Nossa convicção é que, se não houver liberdade e democracia suficientes, há um risco maior de que decisões não pragmáticas e irresponsáveis sejam tomadas, levando a mais incerteza e, no final, a mais volatilidade dos ativos”.

Thierry Larose, gestor da Vontobel Asset Management.

“Esses países são mais propensos a não tomar medidas ortodoxas e pragmáticas e, historicamente, têm deixado de pagar suas dívidas locais com mais frequência do que países livres ou parcialmente livres”.

Favoritos do fundo

Países emergentes que devem se beneficiar mais da queda dos juros nos EUA e da forte demanda da China são classificados como livres, acrescentou Larose. Sua cesta de favoritos inclui títulos da Coreia do Sul, Malásia, República Tcheca, Israel, África do Sul, Brasil e México.

No entanto, sua estratégia nem sempre funcionou. Em 2019, o gestor teve um desempenho inferior ao de seus pares, quando Egito e Rússia entregaram os maiores retornos aos investidores, enquanto Argentina e Chile tiveram as maiores perdas.

“Essa é uma grande restrição, mas estamos felizes em usar essa estratégia, pois a vemos como uma salvaguarda”, afirmou. “Às vezes, você vai ficar de fora, mas, na média, é benéfico.”

Veja também

ANÚNCIO PATROCINADO Confira

Abra sua conta! É Grátis

Já comecei o meu cadastro e quero continuar.