Siga nossas redes

Finanças

Após ministro da Saúde se demitir, Ibovespa fecha em queda de 1,84%

Com dias complexos na política brasileira, Bolsa volta aos 77 mil pontos e recua 3,37% no acumulado semanal

Publicado

em

por

InvestNews
bolsa

O Ibovespa, principal índice da B3, não conseguiu fugir dos impactos da escandalosa política brasileira e fechou em queda de 1,84% aos 77.556 pontos nesta sexta-feira (15). No acumulado da semana, a bolsa de valores perdeu 3,37%. A saída do ministro de Saúde, Nelson Teich, que permaneceu no cargo menos de um mês colocou o mercado de ponta-cabeça. Desde que a pandemia começou, esta seria a terceira perda ministerial que o governo Bolsonaro enfrenta.

Com mais uma crise política, o dólar fechou em alta de 0,33%, cotado a R$5,839. Além do conturbado cenário interno, o embate entre EUA e China contribuiu com a alta da moeda americana. Na máxima do dia, o dólar chegou a R$ 5,864.

Entre as ações mais negociadas do dia subiram os papéis da B3 (B3SA3), com alta de 4,55%. A B3 divulgou nesta sexta-feira o balanço do primeiro trimestre de 2020, onde registrou lucro líquido de R$ 1,02 bilhão e alta de 69,1% em relação ao mesmo período em 2019. Subiram também as ações da Vale (VALE3), com leve alta de 0,04%.

Caíram entre as mais negociadas: as ações da Suzano (SUZB3), que recuaram 10,99%, após prejuízo da companhia de R$ 13,42 bilhões no primeiro trimestre de 2020. E as ações da Petrobras (PETR4), que perderam 2,50% após a petroleira também registrar prejuízo de R$ 48, 523 bilhões no primeiro trimestre, resultado influenciado pela revisão dos preços do petróleo Brent a nível mundial. Caiu também a Via Varejo (VVAR3), que recuou 3,77%.

Destaques da Bolsa

Entre os destaques positivos do dia estavam: as ações da Cia Hering (HGTX3), Gol (GOLL4) e Braskem (BRKM5) que avançaram 13,24%, 8,04% e 7,43% respectivamente.

Já entre as maiores baixas do dia estavam: Suzano (SUZB3), Pão de Açúcar (PCAR3) e Cyrela (CYRE3), que recuaram 11,80%, 7,93% e 7,19%, respectivamente. As companhias Suzano e Cyrela sofreram forte queda após ter um desempenho fora do esperado nos balanços do primeiro trimestre de 2020. A Suzano teve prejuízo de R$ 13,42 bilhões, enquanto a Cyrela teve lucro líquido de R$ 48,235 milhões, contudo sofreu queda de 21,44% frente ao mesmo período em 2019.

Crise política

Segundo José Falcão, analista de investimentos da Easynvest, o Ibovespa acumula queda semanal de 3,37% e mensal de 3,66%. Ele avalia que a demissão de Teich e a expectativa de liberação do vídeo devastador que comprometeria Bolsonaro impõem cautela, o que pressionou o Ibovespa que se segurou o quanto conseguiu com ajuda da Petrobras, favorecida pela alta do petróleo com dados da utilização das refinarias na China que estão crescendo e que sinalizam retomada da atividade econômica no país. “Esta troca-troca de ministros é péssimo para o ambiente político, inclusive porque o Brasil é candidato a ser o novo foco mundial do coronavírus e isso foi precificado no mercado, hoje”, explica Falcão.

Para George Sales, professor de finanças do Ibmec, a bolsa estava recuperando sua estabilidade até a saída do ministro Teich, que foi precificada pelo mercado que está farto de indefinição dos processos relacionados a quarentena, o que prejudica a economia. “Quanto mais tempo levemos para resolver este assunto é pior para os mercados, esta confusão atrapalha o andamento dos negócios nos estados e municípios, por este motivo o mercado sinalizou como ruim a saída do ministro da Saúde“, defende.

O estrategista-chefe da Levante Investimentos, Rafael Bevilacqua acrescenta que a questão política está atrapalhando o desempenho dos mercados, mesmo com notícias positivas. “As bolsas americanas estavam aliviando, a Petrobras mesmo com prejuízo teve um desempenho melhor do que esperado, mas novamente a política dominou o mercado”, conclui.

Além do Ibovespa, Falcão enxerga os impactos da crise interna na desvalorização do real frente ao dólar, que fechou cotado a R$ 5,8390, sem atuação extraordinária do Banco Central. Na semana, o dólar subiu 1,67%, com máxima de R$ 5,97 e no mês a alta da moeda americana foi de 7,33%. “Embora tenha mantido posição defensiva com os riscos políticos no horizonte, o investidor respeitou limites no dólar hoje, que se manteve abaixo de R$ 5,86”, avalia.

Seja sócio das maiores empresas do Brasil com corretagem ZERO! Invista em Ações

Anúncio Patrocinado Invista em Ações com TAXA ZERO de corretagem! Invista em Ações com TAXA ZERO de corretagem!