Siga nossas redes

Finanças

Bancos lucram, mas ações caem na Bolsa: por quê?

Papéis do Bradesco, Itaú, Santander e BB acumulam perdas desde o começo do ano.

Publicado

em

bolsa

As ações dos grandes bancos aparecem entre os piores desempenhos do Ibovespa no primeiro mês de 2020. Mas desde o ano passado, as quatro maiores instituições financeiras da B3 vêm deixando a desejar quando o assunto é a valorização de seus papéis.

Até o fechamento desta quinta-feira (30), o Itaú Unibanco (ITUB4) acumulava uma desvalorização de 9,84%. O banco Bradesco (BBDC4) recuava 7,52%, o Santander Brasil (SANB11) perdia 9,24% e o Banco do Brasil (BBAS3), 5,72%. Foi um comportamento inferior ao do Ibovespa, que cedia 0,10%.

Nem os lucros crescentes estão satisfazendo as expectativas dos investidores. A exemplo de outras instituições financeiras em trimestres anteriores, as ações do Santander caíram 1,86% na quarta-feira (30), dia em que o banco divulgou um lucro líquido 9% maior no quarto trimestre de 2019, de R$ 3,7 bilhões. 

Uma explicação, segundo analistas, é que o mercado está mais atento a outros números do balanço, como o crescimento da receita com serviços — um dos fatores de pressão com a ascensão de bancos digitais e fintechs que zeraram as taxas para transferências eletrônicas e anuidade do cartão de crédito. 

Mas para o ex-economista-chefe da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), Roberto Luis Troster, a concorrência com as startups financeiras, que se multiplicaram nos últimos tempos, não chega a ser uma ameaça.

Ele acredita que o mercado está reduzindo o preço das ações, mas a melhora da economia permite prever um aumento da rentabilidade, como o custo de captação mais baixo, a expansão do crédito e a queda da inadimplência.

O aumento da alíquota do CSLL (Contribuição Social sobre o Lucro Líquido) sobre os bancos, de 15% para 20% é apontado como uma das causas de pressão da margem dos bancos. “Pesou um pouco, mas os outros fatores são favoráveis”, diz Troster. 

A queda das ações do Itaú Unibanco e do Bradesco veio mais forte após o Bank of America ter rebaixado a recomendação de compra de suas ações para “abaixo da média do mercado” (outperform) e “neutro”. 

Mas não existe um consenso sobre o rumo dos papéis do setor bancário. O Credit Suisse soltou um relatório no final deste mês defendendo que as ações dos quatro maiores bancos têm potencial para subir 32%.

Em outro estudo, o banco UBS concluiu que a melhora gradual da economia trará benefícios aos grandes bancos. Para cada meio ponto percentual de alta no PIB em 2020, isso aumentaria, em média, 1,1% as receitas dos bancos, considerando só as operações de crédito.

Segundo analistas do mercado, entre os motivos que estão pesando na queda das ações dos bancos estão:

  • A queda da taxa de juros para 4,5% ao ano (Selic);
  • Aumento da alíquota da CSLL de 15% para 20%;
  • Limite de 8% ao mês do cheque especial;
  • Concorrência crescente com as fintechs e bancos digitais;

Que tal emprestar dinheiro para o governo e obter lucros com a maior segurança do mercado? Invista em Tesouro Direto pela Easynvest!

Anúncio Patrocinado Não corra o risco de faltar dinheiro lá na frente. Não corra o risco de faltar dinheiro lá na frente.

O InvestNews é um canal de conteúdo multiplataforma que oferece a cobertura diária de notícias e análises sobre economia, investimentos, finanças, mercado financeiro, educação financeira, projeções, política monetária e econômica. Tudo o que mexe com o seu dinheiro você encontra aqui, com uma linguagem simples e descomplicada sobre o mundo da economia e dos investimentos.