Siga nossas redes

Geral

3 fatos para hoje: índices chineses sobem; Gol estima prejuízo e mais

Diferença entre fundos exclusivos e offshore é ponto de discordância em projeto de taxação.

1 – Índices da China sobem após empresas anunciarem planos de recompra de ações 

As ações chinesas subiram nesta terça-feira (17), depois que dezenas de empresas chinesas anunciaram planos de recompra de ações para aumentar a confiança dos investidores, enquanto a recuperação dos mercados globais ajudou o sentimento.

O índice chinês CSI 300 fechou em alta de 0,4% e o Índice Composto de Xangai subiu 0,3%. O Índice Hang Seng, de Hong Kong, avançou 0,8%.

Outras ações asiáticas também subiram em meio a negociações cautelosas, com os investidores optando por se concentrar nas perspectivas de lucros corporativos e na resiliência da economia dos Estados Unidos em meio às tensões no Oriente Médio.

Dezenas de empresas listadas na China anunciaram planos no final da segunda-feira para recomprar ações ou descartar planos de venda de ações, seguindo uma série de medidas que as autoridades tomaram para impulsionar um mercado acionário em declínio.

Investidores aguardam ainda os dados do Produto Interno Bruto (PIB) do terceiro trimestre da China, a serem divulgados na quarta-feira, que devem mostrar uma desaceleração do crescimento, uma vez que a demanda interna e externa diminuiu, de acordo com uma pesquisa da Reuters.

2 – Gol estima prejuízo por ação de cerca de R$ 0,70 no 3° tri

A Gol (GOLL4) projeta um prejuízo por ação de cerca de R$ 0,70 no terceiro trimestre deste ano, informou a companhia aérea, citando dados preliminares e não auditados.

A empresa disse, em fato relevante, que prevê sua margem Ebitda em aproximadamente 25% nos meses de julho a setembro.

No terceiro trimestre de 2022, a Gol registrou prejuízo por ação de R$ 3,7 e margem Ebitda em base recorrente de 17,3%.

A empresa também divulgou nesta segunda-feira estimativa de alta de cerca de 6% na receita unitária de passageiros (PRASK) ante o mesmo trimestre de 2022, enquanto a receita unitária total (RASK) deve ter aumentado aproximadamente 10% no período, em movimento atribuído pela companhia a uma maior receita de carga e ao programa de fidelidade Smiles.

Do outro lado, a Gol afirmou que o custo unitário (CASK), incluindo combustível, deve registrar queda de 24% no trimestre ano a ano, devido ao recuo do preço médio do querosene de aviação em cerca de 30%.

A Gol acrescentou que o custo unitário, excluindo combustível e aeronaves dedicadas a cargas, deve subir em relação ao terceiro trimestre do ano passado, embora não tenha especificado um valor.

A companhia aérea ainda projetou que a alavancagem financeira medida pela relação dívida líquida, com ajustes que englobam a exclusão de bônus perpétuos, sobre o Ebitda recorrente nos últimos doze meses estava em aproximadamente 4,9 vezes em 30 de setembro.

A relação dívida líquida ajustada sobre Ebitda — excluindo despesas não recorrentes — ficou em 5 vezes no segundo trimestre deste ano.

A Gol agendou a divulgação dos resultados completos do terceiro trimestre para 26 de outubro.

Aeronave da Gol 23/11/2018 REUTERS/Paulo Whitaker

3- Diferença entre fundos exclusivos e offshore é ponto de discordância em projeto de taxação

O relator na Câmara do projeto de lei sobre taxação de fundos exclusivos e offshore, deputado Pedro Paulo (PSD-RJ), afirmou na véspera que o tempo para votação da medida nesta semana é curto e, portanto, é necessário ajustar pontos de discordância no texto.

“Na minha opinião, a principal questão são as diferenças entre os fundos exclusivos e os offshores, principalmente a questão das alíquotas, das diferenças. Isso tem uma reclamação, por exemplo, sobre desigualdade de tratamento de um fundo e outro e tem uma discussão de isonomia. Todas essas diferenças estão gerando essas dúvidas”, afirmou o deputado em entrevista a jornalistas no Ministério da Fazenda, após se reunir com o ministro da pasta, Fernando Haddad.

  • Você sabe quem é Fernando Haddad? Conheça sua formação, cargos anteriores e mais

Ele explicou as atualizações patrimoniais entre ambos se difere, uma vez que a dos fundos exclusivos é obrigatória, enquanto a dos offshore é facultativa, com um desconto maior. O relator afirmou anteriormente que propôs uma alíquota menor para a taxação desses instrumentos para incentivar que investidores façam suas atualizações.

O relator também minimizou o risco de que o que está sendo proposto possa resultar em uma repatriação de recursos.

“No geral, quem busca criar essas empresas offshore é muito mais por uma proteção patrimonial do que, obviamente, uma diferença de rentabilidade de renda fixa, que aqui é altíssima, em relação à rentabilidade lá fora. (A pessoa) busca muito mais para proteger seu patrimônio”, disse.

Pedro Paulo (PSD-RJ)

Com Reuters

Abra sua conta! É Grátis

Já comecei o meu cadastro e quero continuar.