Siga nossas redes

Geral

5 fatos para saber hoje: BC da China estimula crédito; a disparada da Natura

Mesmo com prejuízo, a gigante de cosméticos desempenhou bem no último pregão da semana passada.

Publicado

em

por

InvestNews
PBoc

1 – Na China, PBoC injeta US$ 101 bi via linha de crédito de médio prazo

O Banco Central da China, conhecido como PBoC, informou nesta segunda-feira (17) que injetou 700 bilhões de yuans (US$ 101 bilhões) no sistema bancário do país por meio de sua linha de crédito de médio prazo.

LEIA MAIS: EUA x China: como ficam as suas ações?

Os recursos vencem em um ano e foram repassados a uma taxa de juros de 2,95%, as mesmas condições da operação anterior.

A última vez em que o PBoC reduziu o juro dessa linha de crédito foi em abril, quando a taxa caiu de 3,15% a 2,95%.

2 – Mesmo após prejuízo, ação da Natura sobe 8%

A ação da gigante de cosméticos Natura teve forte alta na B3, na sexta-feira (14), mesmo depois de a companhia divulgar um forte prejuízo do segundo trimestre, de R$ 392 milhões. O principal papel da companhia na Bolsa paulista teve alta de 8,18%, fechando o pregão cotado a R$ 51,43.

LEIA MAIS: Inclusão e tecnologia: os segredos por trás do boom das ações da Natura

O balanço da Natura era esperado com apreensão não apenas por causa dos impactos da pandemia de coronavírus – que fecharam mais de 90% das lojas da companhia, que também controla Avon, The Body Shop e Aesop -, mas também pelas fortes perdas com um ataque cibernético à Avon.

Segundo o presidente da holding Natura & Co., Roberto Marques, as perdas com os problemas da Avon chegaram a R$ 450 milhões. Sem esse impacto, o executivo afirmou que as receitas da companhia teria caído 7% entre abril e junho. Com esse item, a queda foi de 12,7%, para R$ 7 bilhões.

3 – Grupo Mateus, de varejo e atacado no Nordeste, protocola prospecto para IPO

O Grupo Mateus, com atuação no segmento de atacado e varejo no Nordeste do País, protocolou na noite de sexta-feira, na CVM, o prospecto preliminar de sua oferta inicial de ações (IPO). O grupo, familiar, é controlado por quatro acionistas: Ilson Mateus Rodrigues, Maria Barros Pinheiro, Ilson Mateus Rodrigues Junior e Denilson Pinheiro Rodrigues.

A empresa tem forte participação no Nordeste e fechou junho deste ano com 29 lojas do Mix Atacarejo, 24 lojas do Mateus Supermercados, 2 Hiper Mateus. A empresa ainda conta com 66 lojas da rede Eletro Mateus.

No prospecto, o grupo informou que a receita nos primeiros seis meses de 2020 fechou em R$ 5,1 bilhões, crescimento de 27% na comparação com igual intervalo de 2019. O lucro líquido foi de R$ 297 milhões, alta de 78%. Já o Ebitda fechou em R$ 478 milhões, crescimento de 62% em igual comparação, com margem Ebitda avançando de 7,3% para 9,3%.

4 – Com pandemia, importação cai 10,5% até julho

Auxiliares do presidente Jair Bolsonaro na área de comércio exterior assumiram os cargos no início do ano passado repetindo o bordão: “importar é o que exporta”. A frase era uma inversão do título de um programa da ditadura militar – “Exportar é o que importa” – que, a partir de 1967, incluiu o financiamento de exportações e devolução de impostos sobre as vendas ao exterior.

Com o objetivo declarado de abrir a economia brasileira e reduzir tarifas de importação, a ideia do atual governo é que a compra de insumos e máquinas do exterior aumentaria a produção brasileira e, por consequência, as exportações.

A pandemia do coronavírus, porém, derrubou um dos pilares do mantra. Se as vendas brasileiras conseguiram recuar menos de janeiro a julho (6,4%), sustentadas pelo agronegócio, as importações chegaram a encolher 35,5% no mês de julho, acumulando uma queda de 10,5% nos sete primeiros meses do ano.

Depois de um primeiro trimestre atipicamente forte, as compras do exterior começaram a registrar quedas acima de dois dígitos a partir de abril. Considerado o período entre abril e julho, o total apresenta queda de 21% na comparação com o ano anterior. As importações chegaram a US$ 46 bilhões, nível que, nos últimos dez anos, só foi alcançado em 2016.

5 – Canadá revela que conduz investigação antitruste contra Amazon

O órgão regulador antitruste do Canadá informou nesta sexta-feira (14) que lançou uma investigação cível contra a Amazon, a fim de avaliar se ela abusa de sua posição dominante no setor de varejo no tratamento de vendedores independentes no seu site. Alguns Estados dos Estados Unidos e a Europa também apuram eventuais excessos da mesma companhia, sobretudo o modo como ela trata outros vendedores que usam seu marketplace.

O Escritório de Competição do Canadá afirmou que a investigação está em andamento e que “não há conclusão de transgressão até agora”. Um porta-voz da empresa sediada em Seattle diz que ela coopera com a revisão. O escritório afirmou que sua investigação tem como foco o abuso da dominância, ou se uma empresa dominante no mercado adota um comportamento voltado a eliminar competidores ou conter a entrada de concorrentes.

Em 2017, a Amazon concordou em pagar uma multa de 1 milhão de dólares canadenses (US$ 756 mil) e se comprometeu a mudar práticas de preços, após uma investigação concluir que ela fazia alegações errôneas sobre a economia em certos produtos.

*Com Estadão Conteúdo

Seja sócio das maiores empresas do Brasil com corretagem ZERO! Invista em Ações

Anúncio Patrocinado Invista em Ações com TAXA ZERO de corretagem! Invista em Ações com TAXA ZERO de corretagem!