Siga nossas redes

Invista Melhor

Os mandamentos do value investing

É impossível chegar em alguém diferente do que Warren Buffett quando falamos de uma das principais filosofias de investimentos.

Publicado

em

Tiago Reis

Olá, meu nome é Tiago Reis, e começo hoje uma série quinzenal de artigos para o InvestNews. Meu objetivo é falar de investimentos de forma fácil, descomplicada e interessante, agregando conhecimento para você colocar em prática e aumentar seus retornos. Sei bem que muita gente fala de ganhar dinheiro no mercado financeiro – ainda mais, rapidamente. Costumo dizer que a única forma de ganhar dinheiro rápido no mercado financeiro é ensinando a ganhar dinheiro rápido no mercado financeiro. Não dá certo. Por isso, sigo a mesma filosofia consagrada dos investidores de maior sucesso: o value investing.

Primeiramente, quero me apresentar: sou formado em administração de empresas pela FGV e possuo mais de 15 anos de experiência no mercado financeiro. Fui o sócio-fundador da gestora Set Investimentos e fundei a casa de análise Suno Research*. Esta última, é uma empresa focada em prover informações para que o pequeno investidor pessoa física possa tomar as melhores decisões e construir patrimônio.

Quando falamos de filosofia de investimentos, falamos do conjunto de crenças sobre como os mercados funcionam, que levam a estratégias de operações destinadas a tirar vantagem das anomalias existentes.

É importante mencionar que não existe uma única e melhor filosofia de investimento, visto que o investidor deve utilizar aquela que melhor se adapta a suas crenças. Dentre as principais filosofias de investimento temos, além do value investing, a análise técnica, growth investing, arbitragem de informações, dividendos, e muitas outras.

Por mais que não exista um modelo perfeito, podemos nos basear no que os melhores da indústria fizeram e imitá-los. Nesse universo, possuímos um placar para medir quem são os melhores investidores: ele é formado pelo patrimônio, pela rentabilidade atingida e pela consistência dessa rentabilidade.

Ao analisar essas variáveis, é impossível chegar em alguém diferente do que Warren Buffett. O “Oráculo de Omaha”, como é conhecido, entregou para os acionistas de sua empresa, em média, 21% de retorno ao ano entre 1950 e 1993. Isso significa transformar US$ 1 em US$ 142.476 nesse período.

Para atingir esses números, Buffett traçou uma estratégia, vide filosofia de investimento, e seguiu com ela até o fim, o value investing. Este é um conceito simples, mas muitas vezes mal interpretado ou pouco adotado pela disciplina e visão de longo prazo necessárias para segui-lo. Destaco a seguir três “mandamentos” do value investing.

Primeiramente, uma operação de investimento é aquela que, por meio de uma análise, promete segurança para o principal (o montante investido) e um retorno adequado. As operações que não vão ao encontro destas exigências podem ser consideradas como especulativas.

Para isso, devemos estar cientes da diferença entre valor e preço quando falamos de ativos financeiros. O primeiro é dado em função dos fluxos de caixa, crescimento e risco, estipulado por meio de uma extensa análise fundamentalista. O segundo é consequência da oferta e demanda por aquele papel, impulsionada pelo momento, humor, pensamento em manada e liquidez.

Uma operação de investimento só promete segurança para o principal e um retorno adequado quando há um gap (degrau, diferença) entre o preço e valor. Sendo assim, o primeiro mandamento do value investing é este, exigir uma margem de segurança que “cubra” esse gap.

No entanto, os mercados são irracionais no curto prazo. Pense nele como o “senhor Mercado”, um sócio de sua empresa. De segunda a sexta-feira, o mesmo lhe oferece um preço para comprar ou vender sua participação. Acontece que o senhor Mercado é um homem totalmente emocional, que deixa seu entusiasmo e seu desespero afetar suas decisões de investimento. Em alguns períodos, ele é exuberante e define o preço acima do valor. Em outros, é pessimista e temeroso, exigindo um preço muito abaixo do valor.

Por conta disso, o value investing busca se aproveitar dos momentos pessimistas. Acontece que isso é simples de dizer, mas extremamente difícil de se realizar. Períodos de euforia podem durar por muito tempo, e exigem muita convicção de se permanecer de fora da manada. O mesmo também vale para os tempos temerosos.

Sendo assim, o segundo mandamento do investimento de valor é ter uma abordagem de longo prazo e buscar minimizar suas irracionalidades. Como dito anteriormente, o mercado é irracional no curto prazo, no entanto, sempre irá convergir para a geração de caixa da empresa. As vezes de forma rápida, as vezes não.

Por fim, investidores também devem buscar empresas de alta qualidade, com fortes vantagens competitivas e que aumentarão seu valor ao longo do tempo. Este consiste no terceiro mandamento do value investing, comprar empresas que possuem retornos acima da média e que conseguirão reportá-los por longos períodos, pois isso faz toda a diferença no longo prazo.

Como disse, não há uma filosofia única de investimentos. Minha escolha, no entanto, é baseada nos dados da trajetória dos investidores de maior sucesso – entre eles, o maior investidor de todos os tempos, Buffett. Apesar de simples, esses mandamentos demandam bastante conhecimento para serem colocados em prática, o que abordaremos aqui. O conhecimento, aliás, é o grande segredo de quem consegue os melhores resultados no mercado financeiro.

*A Suno Research é uma casa de análise especializada em conteúdo sobre investimentos e educação financeira para o pequeno investidor pessoa física.

Ganhar dinheiro com Ações pode ser bem mais fácil que parece. Invista pela Easynvest!

Anúncio Patrocinado BDR BDR

O InvestNews é um canal de conteúdo multiplataforma que oferece a cobertura diária de notícias e análises sobre economia, investimentos, finanças, mercado financeiro, educação financeira, projeções, política monetária e econômica. Tudo o que mexe com o seu dinheiro você encontra aqui, com uma linguagem simples e descomplicada sobre o mundo da economia e dos investimentos.