Siga nossas redes

Negócios

Crise substancial da WeWork coloca em xeque seu futuro; ações despencam

Startup de coworking está perdendo dinheiro e clientes de seus escritórios alugados estão cancelando assinaturas em massa.

Publicado

em

por

Tempo médio de leitura: 5 minutos

Nos últimos quatro anos, a WeWork vem tentando entregar a narrativa de que a turbulenta startup de coworking se transforma em uma empresa estável e lucrativa. Ela dispensou Adam Neumann, seu indisciplinado cofundador e ex-CEO, e o substituiu por um veterano do setor que ostentava a reputação de salvar empresas imobiliárias problemáticas.

A WeWork não foi salva, e a empresa de coworking agora diz que há “dúvidas substanciais” de que conseguirá permanecer no mercado.

Adam Neumann e Miguel McKelvey em 2021. Bloomberg

A empresa com sede em Nova York está perdendo dinheiro e os clientes de seus escritórios alugados estão cancelando suas assinaturas em massa, disse a WeWork em comunicado na terça-feira. Suas ações caíram 17% nas negociações de pré-mercado na quarta-feira.

Ações despencam

As ações da WeWork caíram 98% desde que a empresa abriu seu capital em outubro de 2021, eliminando quase US$ 9 bilhões em valor de mercado. A ação era sendo negociada a US$ 16 centavos no pré-mercado desta quarta-feira (9).

Seus títulos de dívida também estão em níveis profundamente preocupantes. Os bonds sem garantia de 7,875% da empresa com vencimento em 2025 mudaram de mãos pela última vez por US$ 33,5 centavos de acordo com dados da Trace.

Poucas empresas chegaram tão alto apenas para ter uma queda tão grande. A WeWork foi construída a partir do idealismo e carisma de Neumann, que iniciou o negócio em 2010 com o designer Miguel McKelvey. Sua visão era arrendar o espaço do escritório e, em seguida, alugar parcelas menores para os clientes.

Escritório da WeWork em Nova York in 2019. Bloomberg

A startup expandiu lentamente, depois rapidamente, depois em velocidades estonteantes, alimentada por um ambiente financeiro de taxa de juros zero em que os investidores de risco despejavam caminhões de dinheiro em startups que mostravam um crescimento impressionante em vez de lucros.

Rápida decadência

Em 2019, a WeWork era a maior ocupante privada de escritórios em Manhattan e Londres, operava milhões de metros quadrados em dezenas de países e era avaliada em US$ 47 bilhões, o que a tornava uma das startups mais premiadas da América.

Cheio de dinheiro e impulso, Neumann tentou abrir o capital da empresa em 2019, mas a tentativa de uma oferta pública inicial fracassou quando os investidores acordaram coletivamente para os gastos extravagantes da empresa e as excentricidades de poder de Neumann.

Divulgações no prospecto dispararam alarmes. Ele estava alugando espaços para a empresa em prédios de sua propriedade e cobrou de seu próprio negócio US$ 5,9 milhões por uma marca registrada com o nome “Nós” de sua propriedade.

Neumann foi demitido no final de 2019 e, após milhares de demissões e resgate do maior investidor da WeWork, o SoftBank Group, a empresa nomeou Sandeep Mathrani como CEO na esperança de uma reviravolta. Mathrani assumiu em fevereiro de 2020, prometendo estancar o sangramento financeiro e restaurar a ordem.

WeWork
Logo da WeWork fotografado em Nova York, EUA 04/10/2019 REUTERS/Carlo Allegri

Mathrani viu um cenário nada invejável. Quase imediatamente após sua chegada, os escritórios em todo o mundo fecharam, pois o vírus da covid-19 colocou as pessoas em um bloqueio contínuo. Da noite para o dia, a ideia de colocar os pés em um WeWork tornou-se estranha, até assustadora, e a ocupação caiu para 46% em seu ponto mais baixo.

A recuperação foi lenta e levou mais de dois anos até que os escritórios da WeWork estivessem tão cheios quanto no final de 2019. Durante esse tempo, Mathrani tentou outras maneiras de manter os negócios funcionando. Em 2021, ele orquestrou uma fusão de cheque em branco para abrir o capital da WeWork, no auge do frenesi por empresas de aquisição de propósito específico, ou SPACs.

Ele supervisionou a criação de uma ferramenta tecnológica que os proprietários poderiam comprar para usar o software WeWork em seus próprios edifícios e o desenvolvimento de formas mais espontâneas e sob demanda para os clientes acessarem os escritórios da WeWork.

A WeWork parecia ter alcançado um marco em março, quando fechou um acordo com alguns de seus maiores credores e com o SoftBank para cortar sua dívida em cerca de US$ 1,5 bilhão e estender outros vencimentos. Mas então, em maio, após três anos no cargo, Mathrani repentinamente deixou o cargo para trabalhar na Sycamore Partners, deixando a WeWork sem um substituto permanente.

À medida que a pandemia se arrastava, a WeWork insistia que a mudança para o trabalho remoto e híbrido na verdade favoreceria a empresa, em vez de enfraquecer seus negócios. Os empregadores seriam mais cautelosos em assinar contratos de arrendamento de longo prazo e, em vez disso, recorreriam aos modelos flexíveis da WeWork, argumentou a empresa.

Embora isso ainda possa dar certo, não está acontecendo rápido o suficiente para o WeWork. No comunicado de terça-feira, a empresa disse que mais clientes estavam saindo e menos novos membros estavam se inscrevendo do que o previsto. Esse churn estava reduzindo sua taxa de ocupação, que caiu no segundo trimestre em relação ao anterior.

Veja também

ANÚNCIO PATROCINADO Confira

Abra sua conta! É Grátis

Já comecei o meu cadastro e quero continuar.