Siga nossas redes

Negócios

Embraer avalia fabricar jatos na Índia para conquistar mercado

Companhia avalia estabelecer múltiplas linhas de montagem no país para construir seus jatos de fuselagem estreita e aeronaves de transporte militar.

Publicado

em

por

Tempo médio de leitura: 2 minutos

A Embraer (EMBR3) avalia estabelecer múltiplas linhas de montagem na Índia para construir seus jatos de fuselagem estreita e aeronaves de transporte militar, na tentativa de conquistar pedidos em um dos mercados de aviação que mais crescem no mundo.

A fabricante de aviões está em negociações iniciais com potenciais parceiros para montar o jato de alcance médio E2 e o transportador de tropas C-390 Millennium, disse o presidente da Embraer, Francisco Gomes Neto, em entrevista em Nova Déli. Gomes Neto também disse que a empresa está mantendo negociações semelhantes com potenciais parceiros na China.

“Vemos a Índia como uma excelente oportunidade de colaboração”, disse Gomes Neto. “A Índia tem custos trabalhistas muito competitivos. A Índia tem disponibilidade de engenharia. A Índia possui design e conhecimento técnico. Podemos montar algo bom para ambos os lados.”

Embraer revela seu novo jato regional E-175, em São José dos Campos, São Paulo. 12/03/2014. REUTERS/Paulo Whitaker/File Phot

A Embraer vem tentando quebrar o duopólio global para aviões maiores com sua linha de jatos E2, que acomodam entre 80 e 130 pessoas e competem com o Airbus A220. Com a Índia buscando melhorar as conexões domésticas, a fabricante de aviões vê uma oportunidade para aeronaves médias que podem ser mais apropriadas em rotas mal servidas.

A Star Air é a única companhia aérea comercial que opera jatos da Embraer na Índia. A Bloomberg informou em março que a Índia pretende fazer parcerias com a Embraer e a russa Sukhoi para fabricar pequenos aviões localmente, numa tentativa de conectar pequenas cidades e áreas remotas.

Em 2016, a Embraer fechou sua linha de montagem na China — onde construía jatos regionais ERJ 145 e aeronaves executivas Legacy 650 — devido à falta de demanda. 

Mas Gomes Neto disse estar otimista com o interesse das aéreas chinesas em seus produtos e citou a recente certificação dos modelos E195-E2 e E190-E2.

Veja também

ANÚNCIO PATROCINADO Confira

Abra sua conta! É Grátis

Já comecei o meu cadastro e quero continuar.