Siga nossas redes

Negócios

Petrobras vai ajustar preços quando chegar a hora, diz CFO

Fala do executivo acontece em meio à recente alta do petróleo.

Publicado

em

Tempo médio de leitura: 3 minutos

A Petrobras (PETR4) segue com sua política de suprimir a volatilidade dos preços de curto prazo dos combustíveis, mesmo após a recente alta do petróleo, e realizará reuniões com analistas de mercado para aliviar as preocupações, disse o diretor executivo financeiro Sergio Caetano Leite em entrevista.

Tanques de combustíveis da Petrobras
Tanques de combustíveis da Petrobras 17/06/2022 REUTERS/Ueslei Marcelino

A Petrobras segue “confortável” com a importação de combustíveis e não ultrapassou os limites de seu “túnel de volatilidade” para o petróleo, disse ele, acrescentando que a empresa está cumprindo suas metas em termos de rentabilidade. O petróleo acima de US$ 90 o barril acendeu o sinal de alerta dos investidores, preocupados com a possibilidade de a estatal voltar a subsidiar combustíveis como já fez no passado. 

“O petróleo começa a escalar, todos os analistas começam a ligar para a Petrobras”, disse Leite, acrescentando que a real preocupação é se Brasília ainda controla o preço da estatal. “O mercado vai gradativamente observar que a estratégia da Petrobras é aumentar na hora que tiver que aumentar.”

A Petrobras tem custos logísticos mais baixos do que seus concorrentes para importar gasolina e diesel, está importando de forma confortável e cumprindo os objetivos de rentabilidade fixados no planejamento estratégico, afirmou o executivo. 

Ajuste de preços

A última vez em que a petroleira ajustou os preços domésticos da gasolina e do diesel foi em agosto, antes de o barril superar os US$ 90,00. Leite disse que a Petrobras tem “independência considerável” para definir os preços e que considera a atual alta do petróleo “acima do que deveria estar”, mas não um pico de preços. 

O diretor espera que os preços do petróleo se estabilizem ainda este ano, depois que a OPEP+ aumentar a oferta e as refinarias russas voltarem a operar normalmente. A petroleira havia previsto que os cortes de fornecimento da OPEP+ pressionariam o mercado de petróleo, afirmou.

Leite estima que o fluxo global de petróleo deve se normalizar cerca de 45 dias após as refinarias russas retomarem atividades regulares. A manutenção está programada para atingir o pico entre a segunda quinzena de setembro e a primeira quinzena de outubro.

“Há um risco de o petróleo se estabilizar e cair no final do ano, e vamos continuar ganhando muito dinheiro”, disse.

Veja também

ANÚNCIO PATROCINADO Confira

Abra sua conta! É Grátis

Já comecei o meu cadastro e quero continuar.