Siga nossas redes

Cafeína

Investimentos e herança: como fazer um planejamento sucessório

O Cafeína de hoje vai abordar um tema pouco falado, porém, necessário. O que acontece com a carteira de um investidor em caso de morte?

Publicado

em

O Cafeína de hoje vai abordar um tema pouco falado, porém, necessário. O que acontece com os ativos de um investidor em caso de morte? Com quem fica se não houver um testamento? Existe uma maneira de se planejar quanto a sucessão dos investimentos?

O planejamento financeiro quanto a sucessão dos investimentos é pouco realizado, pelo menos no Brasil. Com isso, os possíveis herdeiros ficam muitas vezes sem saber o que fazer ou por onde começar para ter direito aos investimentos do falecido. Em muitos casos, a família desconhece a existência de uma carteira de investimentos. Com um planejamento sucessório, a transferência do patrimônio (seja imóveis, carros ou investimentos) seria facilitada.

Recentemente, o Colégio Notarial do Brasil divulgou que houve um aumento de 134% de testamentos formalizados nos cartórios. Porém, esse indicador está muito aquém da demanda populacional.

Segundo a advogada especializada em direito civil e processo civil, Sheyla Cruz, a sucessão de investimentos, ativos financeiros (títulos, ações, depósitos bancários), pelo falecimento de um familiar, também chamada de sucessão causa mortis, acontece da mesma maneira que a sucessão de um imóvel ou de um veículo. Ou seja: está relacionada ao regime do casamento ou união estável de quem falecer; se existem filhos, e se esses são menores; e se outras situações podem alterar a distribuição da herança.

A existência de um testamento também pode afetar a forma com que será feita a partilha do patrimônio. Segundo a advogada, cada pessoa tem o direito de resguardar 50% do seu patrimônio para ser distribuído como bem entender. Os outros 50% são resguardados por lei para os familiares de primeiro grau (esposa, marido ou filhos). Mas de qualquer modo, os ativos financeiros serão objeto de sucessão, ou seja: poderão ter a titularidade transferida aos herdeiros ou legatários – aquele que recebe um legado, um direito ou um bem determinado, através de testamento -, ou ainda, ser vendidos ou regatados antecipadamente, caso o título preveja essa possibilidade.

Essa sucessão definitiva, no entanto, só ocorrerá após a conclusão do processo de inventário e partilha, com a expedição do formal de partilha – onde constará o patrimônio existente, os beneficiários e a forma de distribuição – ou com a emissão da Escritura Pública de Partilha – a qual contará com as mesmas descrições, mas é feita extrajudicialmente e tende a ser muito mais rápida que o processamento no Poder Judiciário.

Nas duas situações será imprescindível o acompanhamento de um advogado, mas a opção pelo procedimento de inventário e partilha extrajudicial depende de alguns requisitos: serem todos os herdeiros maiores, não havendo, portanto, nenhum herdeiro menor, e sejam considerados juridicamente aptos a responderem por seus atos civis. Além destas condições, é também indispensável que estejam de acordo com a forma que serão distribuídos os bens, atendendo aos requisitos legais de distribuição, vocação hereditária e demais critérios, assim como não pode haver testamento, exceto se o testamento estiver “caduco ou revogado”.

Uma outra questão não menos importante é que, para solicitar a transferência de um investimento para o(s) respectivo herdeiro(s) ou resgatá-lo antecipadamente, deve-se antes quitar todas as pendências tributárias, inclusive, pagar o Imposto sobre Transmissão Causa Mortis e Doação, o chamado ITCMD. No estado de São Paulo a alíquota é de 4% sobre o valor do patrimônio, enquanto que em alguns estados o valor pode chegar a 8%.

Há ainda a exigência de iniciar o processamento do inventário e partilha no prazo de até 60 dias a contar da data do óbito, tanto no âmbito judicial quanto extrajudicial, sob pena de se exigir o pagamento de multa equivalente a 10% do valor do imposto e, se o atraso exceder 180 dias, equivalente a 20%.

E como ficam os investimentos?

Uma boa notícia é que nem todo ativo financeiro deverá passar por inventário judicial ou extrajudicial para se ter acesso. É o caso da previdência privada e do seguro de vida, já que os beneficiários são indicados pelo contratante.

Nestes dois tipos de ativos não há – por enquanto – a cobrança do ITCMD. Contudo, no caso da previdência, alguns estados como Rio de Janeiro, Minas Gerais e Paraná, tributam.

No caso das ações, derivativos, títulos de renda fixa, fundos de investimento e tesouro direto, eles permanecerão sob a custódia da respectiva instituição onde foram contratados. O acesso aos herdeiros será apenas depois que o processo do inventário estiver concluído.

No caso do Tesouro Direto, juros e cupons recebidos ou aqueles que vencerem durante o inventário, permanecerão na corretora, vinculados a conta do titular, sem rentabilizar. As ações e derivativos, por exemplo, também permanecerão com a corretora de valores mobiliários que os operaram, podendo, ao final, serem negociados ou ter as custódias transferidas aos titulares, conforme o formal de partilha ou a escrituração de partilha. Os fundos de investimentos continuarão rentabilizando e, tal qual as ações, derivativos, commodities, poderão ser vendidos posteriormente ou mesmo ter a titularidade alterada para o nome do herdeiro ou legatário.

Como se planejar para a sucessão?

“Conversar com os familiares sobre a existência de investimentos, informar em quais bancos comerciais e de investimentos se tem vínculo, em quais corretoras ou distribuidoras de valores se tem conta, além de organizar uma pasta com toda a documentação dos seus bens, incluindo as cópias dos documentos pessoais, os extratos das operações financeiras, apólices entre outros registros é um primeiro passo para organizar a sucessão dos investimentos”, apontou a advogada Sheyla Cruz.

Pode- se também procurar um advogado para formalizar seus desejos em um documento, dando assim início a um testamento.

Leia mais:

O que acontece com o dinheiro do investidor se ele morrer?

Certidão de óbito: como tirar e quais documentos levar?

Carteira inteligente: tudo sobre robôs de investimento

Diversifique a sua carteira e deixe que um gestor especializado cuida pra você! Invista em Fundos de Investimento!

Anúncio Patrocinado Invista em Ações com TAXA ZERO de corretagem! Invista em Ações com TAXA ZERO de corretagem!