Siga nossas redes

Cafeína

O que você escolheria? iPhone de R$ 15,5 mil ou 200 da BDRs Apple?

Brasileiro médio precisa trabalhar quase 7 meses para comprar o modelo top de linha da fabricante.

Publicado

em

Em seu evento anual, a gigante de tecnologia Apple lançou seu mais novo modelo do iPhone e demais produtos. Segundo o levantamento do iPhone Price Index , comparando o preço cobrado em 37 países, há a confirmação do que muitos esperavam: o Brasil terá o iPhone 13 mais caro do mundo.

Já o modelo mais “barato” sai por 1.250 dólares (ou R$ 6.599). Este será o valor cobrado pelo iPhone 13 Mini no Brasil. O que significa que o pequeno celular da Apple é 73% mais caro que nos Estados Unidos. Em nenhum dos países consultados, o preço oficial desse modelo passou dos 1 mil dólares – nem mesmo na Suécia, Itália ou Dinamarca.

É claro que ao comparar com o modelo top de linha, o preço fica ainda mais salgado: o aparelho sai por quase três mil dólares no Brasil, o equivalente a quinze mil e quinhentos reais. Este valor é 85% maior que o cobrado nos Estados Unidos. Este modelo também sai 20% mais caro que o praticado na Índia, que fica em segundo lugar no ranking de preços, imediatamente após o Brasil.

Logo após os Estados Unidos, Hong Kong, Japão e Malásia cobram preços até 40% menores que o Brasil. O preço cobrado nos Emirados Árabes é 37% menor, assim como no Canadá (-30%), México (-28%) e Portugal (25%).  Para os cálculos, foi levado em consideração pelo índice os preços de varejo autorizados da Apple, e não de revendedores ou sites de compras online. Também foram consideradas as taxas de câmbio além de impostos aplicáveis em cada país.

Tempo de trabalho

Levando em consideração o cálculo do IBGE do salário médio no Brasil, que é de R$ 2.515,00 bruto  – e R$ 2.266,00 líquido -, um brasileiro médio teria que trabalhar quase sete meses para pagar o iPhone 13 Pro Max de 1 terabyte. Isso ao presumir que todo o salário líquido seria gasto com o aparelho.

Já analisando o mesmo modelo, porém, com 128 gigabytes, o brasileiro médio teria de trabalhar por quase três meses.  São os cidadãos suíços que precisam de menos dias de trabalho para obter o novo iPhone: eles só precisam de 4,4 dias. Um americano pode pagar o smartphone após 5,9 dias, enquanto um australiano após 6,4 dias. Já em Portugal, é preciso ao menos 24 dias trabalhados.

Sendo assim, os 3 países com o pior resultado, são: Turquia, onde o iPhone vale 92,5 dias úteis; Filipinas, com 90 dias e Brasil, com 79,2 dias, segundo levantamento da picodi.com.

BDRs AAPL34 ou 1 iPhone?

Bem, agora pensando em todo o dinheiro necessária para comprar um iPhone 13 Pro Max, de 1 terabyte, se o valor fosse aplicado em BDRs da Apple, daria para comprar quase 200 recibos de ações (198,7 mais precisamente) segundo a cotação do dia 23. O modelo sai a R$ 15.500 no Brasil.

se alguém fosse investir o valor do iPhone 13 mini – que é o mais barato, daria para comprar cerca de 85 BDRs.

Quando analisada a rentabilidade dos últimos 12 meses até o dia 20, os BDRs da Apple tiveram uma alta de 31,7%. Por mais que rentabilidade passada não seja garantia de rentabilidade futura, na hipótese de que alguém tivesse investido esse valor um ano antes, o retorno seria de pelo menos dois mil reais. Isso para o menor valor investido. No caso de um maior aporte, no valor do iPhone mais caro, a rentabilidade seria de quase cinco mil reais.

Já quando analisada as ações da Apple negociadas na Nasdaq, a alta foi quase igual aos BDRs negociados aqui nos últimos 12 meses: um retorno de 32%. Já quando é feito um recorte maior, de cinco anos, o retorno dos papeis foi de 415%.

Este conteúdo é de cunho jornalístico e informativo e não deve ser considerado como oferta, recomendação ou orientação de compra ou venda de ativos.

Invista na Apple, Amazon, Google, Disney, Netflix em poucos cliques e com taxa ZERO de corretagem! Invista em BDR

Anúncio Patrocinado Invista em Ações com TAXA ZERO de corretagem! Invista em Ações com TAXA ZERO de corretagem!

O InvestNews é um canal de conteúdo multiplataforma que oferece a cobertura diária de notícias e análises sobre economia, investimentos, finanças, mercado financeiro, educação financeira, projeções, política monetária e econômica. Tudo o que mexe com o seu dinheiro você encontra aqui, com uma linguagem simples e descomplicada sobre o mundo da economia e dos investimentos.