Siga nossas redes

Carteira Recomendada de Dividendos

A Carteira Recomendada de Dividendos é voltada para quem busca a tão sonhada renda passiva na aposentadoria, essa estratégia busca por empresas geradoras de caixa, com alta distribuição de dividendos, baixo endividamento, elevadas margens e com modelo de negócio estável e previsível. O objetivo é superar o índice de Dividendos (IDIV) no longo prazo com uma combinação entre ganhos com proventos e valorização dos ativos.

Carteira de Dividendos

Delay de 15 minutos

Código Alocação Preço Entrada Comprar Até Freq. de pgtos. DY proj. (12 meses)
ABEV3 15% R$ 18,83 01/06/2021 R$20,00 Dezembro 2,8%
B3SA3 15% R$ 17,22 09/03/2021 R$ 22,00 Trimestral 5,0%
AGRO3 15% R$ 30,82 09/03/2021 R$ 37,00 Outubro 3,7%
COCA34 15% R$ 45,54 09/03/2021 R$ 52,00 Trimestral 3,1%
TAEE11 15% R$ 39,33 09/03/2021 R$ 45,00 Maio, Out e Nov 10,9%
VALE3 15% R$ 109,62 09/03/2021 R$ 130,00 Semestral 9,5%
CPLE11 10% R$ 30,62 09/03/2021 R$ 40,00 Dezembro 12,6%
Retorno esperado em dividendos (dividend yield) da carteira para os próximos 12 meses Retorno esperado em dividendos (dividend yield) da carteira para os próximos 12 meses 6,5%

Desempenho da carteira

+17.89%

Desempenho do índice de Dividendos (IDIV) no mesmo período

+16.5%

Objetivo

O objetivo desta carteira é superar o Índice de Dividendos (SMLL) a longo prazo através de empresas de menor valor de mercado. Para isso, a equipe de análise da Easynvest se vale do uso da análise fundamentalista em busca de empresas com bom potencial pela frente e sempre visando a formação de um portfólio equilibrado em busca da melhor relação risco-retorno.

Perfil do investidor

Conservador Moderado Experiente

O investimento em ações para o longo prazo exige que o investidor tenha capacidade financeira e emocional de absorver as oscilações de curto prazo. No caso das empresas pagadoras de dividendos, é preciso ter coragem para comprar as empresas após as quedas já que, mantido o montante de dividendos pagos, isso se traduz em maior dividend yield. Por outro lado, a distribuição recorrente de dividendos ao longo do ano traz uma melhor estabilidade e previsibilidade à carteira.

Rentabilidade da Carteira

O foco é no longo prazo. Estamos em uma maratona e não em uma corrida de 100 metros. Mesmo assim, nossas primeiras semanas têm sido excelentes. Desde o início, no dia 09 de março, a carteira Dividendos Easynvest acumula um retorno de +17,9% contra +16,5% do IDIV e +13,4% do IBOV no mesmo período.

Mudanças para junho

A virada para o mês de junho conta com a primeira alteração em nossa carteira recomendada desde seu início em 09 de março. De agora em diante, a gigante Ambev passa a integrar nosso portfólio no lugar da Cyrela. O percentual alocado em Copel também foi reduzido de 15% para 10%. Dessa forma, as Ações ABEV3 entram na carteira Dividendos Easynvest com 15% de alocação.

Em maio de 2018, Jorge Paulo Lemann chegou a dizer que era um “dinossauro apavorado” e que lutava para se reinventar. Como um dos responsáveis pelo surgimento da Ambev, essa mesma preocupação se aplicava à companhia de cerveja naquela época. Três anos depois, apesar da forte concorrência, estabilidade do setor e aumento de custo, a Ambev parece ter encontrado uma nova avenida de crescimento. O resultado do 1T21 surpreendeu positivamente o mercado após a companhia reportar várias linhas do balanço acima do consenso e apresentar bom crescimento no volume de vendas mesmo sem o Carnaval.

Zerando nossa posição em construção civil

Montar uma carteira de Ações recomendadas é como montar uma seleção de futebol: infelizmente muitos bons jogadores ficam de fora pois é preciso selecionar os jogadores que se complementam dentro de campo e que estão em melhor momento. Como o time é enxuto, muitas vezes para um novo jogador ser convocado, outro precisa ficar de fora.

Cyrela é uma excelente jogadora, uma das melhores empresas de construção civil da Bolsa e com valuation atrativo. No entanto, as empresas do setor não vem performando bem recentemente devido à uma piora no cenário macroeconômico. E com o mercado já enxergando uma Selic acima de 6% em algum momento de 2022, a parte longa da curva de juros segue elevada.

Para completar o cenário mais adverso no lado macro, tivemos a notícia de que os produtos na construção caminhavam para registrar, em maio, o maior patamar de inflação acumulada em 12 meses dos últimos 28 anos. Essa notícia é ruim pois as empresas que já fizeram lançamentos no ano (como é o caso de Cyrela) ficam sem saber até que patamar o custo da produção vai subir e afeta também as que ainda não lançaram já que, por essa mesma falta de visibilidade sobre os custos, postergam seus lançamentos. Com o dólar e o preço das commodities ainda em patamares elevados, o aumento dos preços deve persistir no curto prazo.

No lado micro, apesar de um trimestre mais fraco de lançamentos devido ao fechamento dos estandes em março, o resultado do 1T21 veio bom, acima das expectativas tanto em termos de receita líquida como margem bruta e lucro líquido.

No entanto, o fato de Cyrela ter acabado de distribuir dividendos em abril, somado ao problema da inflação, é possível que a companhia adote uma postura mais conservadora e segure novos dividendos por enquanto.

Empresa boa e barata, mas volátil. Com um timing complicado no curto prazo e uma menor expectativa de dividendos pela frente versus uma blue chip brasileira com gestão consagrada e excelente histórico de pagamento de proventos, voltando a ficar nos holofotes do mercado financeiro. Na minha visão, faz sentido escolher pela segunda opção e trocar CYRE3 por ABEV3.

Diminuindo a alocação em Copel

O caso de Copel é diferente do de Cyrela. A Copel vem passando por uma série de transformações em 2021. A companhia anunciou sua política de dividendos, desdobrou suas Ações na proporção de 1 para 10 e recentemente criou suas UNITs. A ideia com a criação das UNITs é facilitar a saída do BNDES, que está na iminência de vender metade dos 24% que possui de participação na estatal paranaense.

O BNDES já teria até contratado bancos para assessorar a operação, que deve avançar em junho. Enquanto a oferta de Ações (follow-on) para dar saída ao BNDES não ocorre, uma maior pressão negativa sobre as Ações de Copel deve perdurar.

A Copel pós-BNDES será uma companhia com mais liquidez e uma governança corporativa melhor já que a oferta também permitirá que a empresa avance em seu plano de migração do Nível 1 para o Nível 2 de governança corporativa, uma vez que o governo do Paraná havia colocado a operação com o BNDES como uma condição para dar seu apoio à melhora de padrão de governança. Porém, enquanto isso não ocorre, aproveito para reduzir levemente a posição de 15% para 10% e realocar estes 5% na recém-chegada Ambev.

O investidor que tiver paciência poderá ser premiado com um caminhão de dividendos pelo caminho. Com a política de dividendos estabelecida, a expectativa é que a companhia distribua 50% de seu lucro líquido ao final de 2021. Considerando o valor de mercado atual da companhia, isso poderia representar um impressionante retorno em dividendos (dividend yield) de 13%.

Reduzindo o risco do portfólio

Um efeito colateral benéfico dessa nossa primeira alteração é uma menor volatilidade esperada do portfólio. A volatilidade anualizada de Cyrela desde março de 2020 é de 61%, mais do que o dobro da volatilidade do Ibovespa no mesmo período (29%).

Apesar da volatilidade de Ambev (38%) ser superior à do índice desde março de 2020, ela é bem inferior do que a de Cyrela e também é menor do que a volatilidade de Copel no mesmo período (41%), o que reduz diretamente a volatilidade da carteira como um todo. Sendo assim, a volatilidade anual esperada para a carteira Dividendos Easynvest agora é de 18%.

Além do racional da alteração já detalhado acima, a redução da volatilidade da carteira está alinhada ao nosso objetivo de construção de uma renda passiva no longo prazo sem a necessidade de nos expormos a riscos desnecessários.

Uma “vaca leiteira” chamada Taesa

“Vaca leiteira” é um expressão traduzida do inglês, cash cow. Essa expressão representa um produto ou serviço que gera altos retornos financeiros, e que, ao mesmo tempo não precisa de grandes aportes financeiros para a sua manutenção. Uma cash cow é um negócio tão bom que gera tanto caixa e que tem uma posição tão consolidada no mercado que ele praticamente ganha dinheiro por si mesmo.

Uma outra analogia que o mercado gosta de usar é o de usar o leite da vaca ao invés de simplesmente vendê-la. Assim como é preciso ordenhar a vaca para encher o balde, no nosso caso, o que enche o nosso balde são os dividendos recebidos das Ações.

A Taesa é uma clara cash cow. Imagine o que é acordar com 200% do CDI no bolso. Para muitos investidores não será preciso sequer imaginar. Afinal, a Taesa pagou no último dia 28, de uma só vez, o equivalente a 7% de retorno em dividendos (dividend yield).

A companhia tem ainda o costume de distribuir dividendos nos meses de outubro e novembro. Porém, diante da bolada recém-distribuída, os montantes devem ser bem menores, com um novo balde de dinheiro voltando a aparecer só em maio do ano que vem. Contudo, a expectativa de elevadíssimos dividendos ainda segue principalmente para Copel e Vale.

Tem sido muito legal receber os feedbacks dos investidores que seguem a estratégia. Lembrem-se, de acordo com o relatório anterior, de reinvestir os dividendos recebidos. É só assim que a mágica dos juros compostos faz efeito no longo prazo.

A estratégia mais simples é usar o dividendo recebido para recomprar mais Ações da mesma empresa que distribuiu os proventos. Outra estratégia é usar os dividendos para comprar Ações daquela empresa que você ainda acredita em seus fundamentos mas que por acaso tenha ficado para trás em relação ao mercado.

Até que preço comprar

Nesta carteira recomendada nós utilizamos a expressão ‘Comprar até’ ao invés do tradicional ‘Preço Alvo’. Apesar da sutil diferença na escolha de palavras, a expressão carrega uma interpretação diferente e muito importante que deve ser devidamente compreendida pelos investidores.

Utilizando a análise fundamentalista e uma visão de médio e longo prazo para a escolha de ativos, as empresas não têm um ‘valor justo’ definitivo. Esse valor vai se alterando ao longo tempo, para cima ou para baixo, conforme a empresa vá entregando ou decepcionando as nossas expectativas.

Sendo assim, a coluna ‘Comprar até’ não deve ser compreendida como um stop gain. Ou seja, o valor informado na penúltima coluna não deve ser considerado como uma referência para se desfazer das Ações. Nessa situação, nossa recomendação é que o investidor simplesmente aguarde o preço voltar a negociar abaixo do valor estipulado antes de fazer novas compras.

Quando as Ações ultrapassam nosso preço limite sugerido de compra, sempre retornaremos às planilhas em busca de um novo potencial de alta. Caso não encontremos fundamentos suficientes que justifiquem uma revisão nos preços, iremos deixar claro em nosso relatório mensal que a companhia não faz mais parte dos ativos recomendados.

Anúncio Patrocinado Invista em Ações com TAXA ZERO de corretagem!

Abra sua conta! É Grátis

Já comecei o meu cadastro e quero continuar.

Sobre o Analista

Murilo Breder

Murilo Breder

Integrante da nova geração de analistas, possui passagens por instituições respeitadas como Banco Safra e a casa de análise independente Levante Ideias de Investimentos. Finalista em competições nacionais de mercado financeiro ainda durante a faculdade, é Engenheiro Civil de formação pela UFMG, com direito a um ano de intercâmbio nos Estados Unidos (Los Angeles e Nova York), e possui as certificações CGA e CNPI.

O InvestNews é um canal de conteúdo multiplataforma que oferece a cobertura diária de notícias e análises sobre economia, investimentos, finanças, mercado financeiro, educação financeira, projeções, política monetária e econômica. Tudo o que mexe com o seu dinheiro você encontra aqui, com uma linguagem simples e descomplicada sobre o mundo da economia e dos investimentos.