Siga nossas redes

Criptonews

Bitcoin sobe e se aproxima de US$ 30 mil, na esteira de crise bancária nos EUA

Dominância de mercado da cripto subiu de 42% para 49% em março, maior percentual em 22 meses; falência do SVB se deu no mesmo período.

Publicado

em

Tempo médio de leitura: 3 minutos

O bitcoin (BTC) subia nesta quinta-feira (4), com os investidores reagindo aos últimos sinais de estresse no setor bancário regional dos EUA e digerindo a decisão de política monetária do Federal Reserve (FED) em aumentar a taxa de juros em 0,25 ponto percentual, para a faixa de 5% a 5,25%.

A cripto de maior valor de mercado subia 2,9% às 7h nesta quinta, negociada a US$ 29.241. Já no decorrer do dia, a moeda chegou a cair 0,3%, segundo o Tradeview. Nas últimas três semanas, o bitcoin chegou a superar a marca dos US$ 30 mil após um salto de 76% neste ano.

Segundo Tasso Lago, especialista em criptomoedas e fundador da Financial Move, era esperado que o mercado cripto não reagisse negativamente com a alta do juros americano em 0,25%. Agora, caso o aumento do Fed fosse mais intenso, a volatilidade seria maior porque estaria fora da previsão do teto de juros.

“Tudo anda mais ou menos dentro do esperado dado que o cenário [de juros nos EUA] já se consolidou e o bitcoin deve ficar oscilando neste ano dentro dos US$ 40 mil. Claro que essa onda pode mudar de direção mediante mudança de política do Fed”.

TASSO LAGO, ESPECIALISTA EM CRIPTOMOEDAS

Essa recuperação parcial vem após o chamado “inverno cripto” do ano passado, causado em maior parte por polêmicas como a quebra da exchange FTX. Mas, agora, outra série de turbulências envolvendo a quebra de bancos regionais americanos vem favorecendo as criptomoedas.

Moeda dourada com o símbolo do bitcoin em cima de uma folha de papel quadriculado, em que um gráfico de linhas coloridas foi desenhado.
Bitcoin. (Foto: Shutterstock / spaxiax)

Quebra de bancos aciona alerta para crise

As falências do Silicon Valley Bank, Signature Bank, Silvergate Bank e First Republic Bank acionaram o alerta para uma crise financeira nos EUA. O PacWest Bancorp é o mais recente foco de preocupação sobre os bancos regionais americanos. E com condições de crédito mais apertadas – dado a alta dos juros -, alimenta-se expectativas de turbulência econômica.

Com isso, defensores do bitcoin argumentam que a falta de confiança na moeda fiduciária está reforçando o interesse em criptomoedas, por serem consideradas uma alternativa ao sistema financeiro tradicional.

Segundo o TradingView, a dominância de mercado (parcela do valor de mercado) do bitcoin subiu de 42% para 49% em março, sendo este o maior percentual em 22 meses. Já o ETF SPDR S&P – que replica o comportamento de ações de bancos regionais nos EUA – teve queda de mais de 35% em igual período.

Bitcoin é o novo ouro?

Para Tasso Lago, a tese de que o bitcoin é uma proteção de capital é validada uma vez que a moeda está subindo junto com o ouro e sua dominância vem se mantendo.

“Tem muitas mais pessoas entrando no mercado cripto e fazendo prevalecer o BTC como um porto seguro”.

Segundo o especialista, o bitcoin é o novo ouro uma vez que vem fazendo movimentos de defesa de proteção de capital – “o que fortalece mais visão de longo prazo” – e sendo uma alternativa ao sistema financeiro tradicional.

O analista também ressaltou que o BTC foi criado na crise do Subprime – que foi a crise financeira causada pela quebra de bancos em 2008.

“Ele [bitcoin] veio justamente do resgate dos bancos perante o Estado, então estamos vendo mais uma vez o BTC sendo uma inspiração para os investidores. E acho que quem não investe é maluco”.

Veja também

Este conteúdo é de cunho jornalístico e informativo e não deve ser considerado como oferta, recomendação ou orientação de compra ou venda de ativos.

ANÚNCIO PATROCINADO Confira

Abra sua conta! É Grátis

Já comecei o meu cadastro e quero continuar.