Siga nossas redes

Economia

Campos Neto: barra é alta para BC fazer cortes diferentes de 0,50 p.p na Selic

Presidente da autoridade monetária disse que o BC enxerga que o ciclo de 0,50 ponto porcentual é apropriado.

Publicado

em

Tempo médio de leitura: 4 minutos

A barra estabelecida pelo Banco Central para fazer algo diferente de cortes de 0,50 ponto percentual na taxa Selic à frente é alta, disse nesta quinta-feira o presidente da autarquia, Roberto Campos Neto.

Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central, em Brasília, Brasil 15/02/2023 REUTERS/Adriano Machado

“A gente enxerga que o ciclo de 0,50 ponto porcentual é apropriado. A barra é alta para mudar o ritmo tanto para cima quanto para baixo”, afirmou Campos Neto, em entrevista ao portal Poder 360. “Estamos olhando inflação corrente, expectativas e hiato.”

Roberto campos neto, presidente do BANCO CENTRAL.

Campos Neto revelou que defendeu uma sinalização de porta aberta ao corte de juros na reunião de junho, assim como votou por um corte mais expressivo em agosto.

No começo do mês, o Copom optou por iniciar o ciclo de afrouxamento monetário com uma queda de 0,50 ponto porcentual dos juros básicos, para 13,25% ao ano, o que surpreendeu uma parte do mercado, que apostava majoritariamente em uma queda mais “parcimoniosa”, de 0,25 ponto.

O colegiado sinalizou ainda a manutenção do ritmo de cortes nas próximas reuniões.

Autonomia do BC

Campos Neto disse que a autonomia da instituição – aprovada em lei no governo passado – é um processo cujos fundamentos vão sendo incorporados ao longo do tempo.

“Estamos passando pelo primeiro grande teste da autonomia, em um ambiente em que o País está polarizado. Vamos incorporando diretores novos, que às vezes têm vertentes de pensamento novas, que vão incorporando ao debate. Temos aprendido muito na parte de como fazer os debates e na comunicação”, afirmou, em entrevista ao portal Poder 360.

Questionado sobre as críticas do governo Lula à atuação do BC ao longo deste ano, Campos Neto voltou a citar a polarização política no Brasil e reforçou que é necessário respeitar o resultado das urnas.

“Entrou um novo presidente que tem opiniões sobre juros. Mas a história vai mostrar ao longo do tempo que as decisões do BC foram técnicas. O BC parou de subir os juros muito perto das eleições. O resultado do que foi feito está aí”, completou o presidente do BC.

Campos Neto disse ainda que em nenhum momento pensou em sair do BC, apesar das críticas até pessoais. “As decisões não são tomadas só pelo presidente. Se eu saísse do BC, estaria colocando em risco avanço institucional da autonomia”, acrescentou.

Parcelamento sem juros do cartão de crédito

O presidente da autoridade monetária disse ainda que não propôs acabar com o parcelamento sem juros do cartão de crédito, mas sim criar “desincentivos” para o crescimento da modalidade mais longa. Ele afirmou não ter visto o projeto final do Congresso sobre o tema.

“Não tem solução tomada sobre parcelado sem juros. A solução sobre rotativo e parcelado sem juros provavelmente será tomada pelo CMN [Conselho Monetário Nacional], e o BC é apenas um voto. Precisamos ter uma solução que equilibre, porque não pode ter inadimplência tão grande em cartões que leve à reversão do produto”, afirmou o presidente do Banco Central, em entrevista ao portal Poder 360.

O presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, fala sobre juros e inflação, em audiência pública da Comissão de Defesa do Consumidor (CDC) da Câmara dos Deputados.

Campos Neto repetiu que a massa de operações no cartão de crédito no parcelado sem juros é três vezes maior que as vendas com juros. “Aliado a isso, outro problema foi o crescimento rápido da emissão de cartões, que passou de 100 milhões para 220 milhões. Com mais cartões no parcelamento sem juros, a inadimplência ficou muito grande”, repetiu.

Segundo ele, mesmo com a Selic parada, o juro do rotativo do cartão de crédito subiu quase 70%. “Novos entrantes do mundo de cartões, principalmente no varejo, emitiram muito de cartões”, acrescentou.

(*Com informações de Reuters e Estadão Conteúdo.)

Veja também

ANÚNCIO PATROCINADO Confira

Abra sua conta! É Grátis

Já comecei o meu cadastro e quero continuar.