Siga nossas redes

Economia

Cortes na oferta de petróleo pela Opep+ podem levar o mundo à recessão, diz IEA

Alerta da agência destaca uma divergência com a Arábia Saudita, maior exportador de petróleo do mundo e líder de fato da Opep.

Publicado

em

por

Tempo médio de leitura: 2 minutos

A decisão do grupo produtor de petróleo Opep+ na semana passada de conter a produção elevou os preços e pode levar a economia global à recessão, disse a Agência Internacional de Energia (IEA, na sigla em inglês) nesta quinta-feira (13).

“A deterioração implacável da economia e os preços mais altos provocados por um plano da Opep+ para cortar a oferta estão diminuindo a demanda mundial de petróleo”, disse a agência com sede em Paris, que inclui os Estados Unidos e outros países consumidores importantes.

“Com pressões inflacionárias implacáveis e aumentos das taxas de juros cobrando seu preço, as cotações mais altas do petróleo podem ser o ponto de inflexão para uma economia global já à beira da recessão”, acrescentou em seu relatório mensal do petróleo.

O alerta da agência destaca uma divergência com a Arábia Saudita, maior exportador de petróleo do mundo e líder de fato da Opep.

O presidente dos EUA, Joe Biden, prometeu “consequências” não especificadas para as relações com a Arábia Saudita após a medida da Opep+, mas Riad rejeitou as críticas e disse que a medida não era política e visava equilibrar o mercado e conter a volatilidade.

As perdas reais de oferta provavelmente serão de cerca de 1 milhão de barris por dia e não os 2 milhões de barris anunciados pela Opep+, bloco que une o clube de produtores e aliados como a Rússia, disse a AIE.

As restrições de capacidade que afetam a produção em outros membros da Opep significam que a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos entregarão a maior parte das reduções, disse a AIE, enquanto novas sanções do G7 e da União Europeia à Rússia podem restringir ainda mais a oferta global.

FOTO DE ARQUIVO: O sol se põe atrás de uma bomba de petróleo nos arredores de Saint-Fiacre, perto de Paris, França, 28 de março de 2019. REUTERS/Christian Hartmann/Foto de arquivo

Veja também

ANÚNCIO PATROCINADO Confira

Abra sua conta! É Grátis

Já comecei o meu cadastro e quero continuar.