Siga nossas redes

Economia

Da BlackRock à Pimco, gestores apostam que o Fed encerrou altas

Pela primeira vez desde que o banco central dos EUA, o Federal Reserve (Fed), começou a aumentar as taxas de juro, há quase 18 meses, o mercado de trabalho americano apresentou fissuras suficientes para encorajar alguns dos maiores investidores em títulos do mundo a apostar que o ciclo de aperto está finalmente perto do fim.

Uma onda de desaceleração nas métricas de emprego, coroada pelo resultado de sexta-feira (1º) do relatório de agosto conhecido como payroll, mudou o sentimento do mercado em favor da compra de títulos do Tesouro americana de dois anos, sensíveis à política monetária, chamado pelo diretor-executivo da BlackRock, Jeff Rosenberg, “compra gritante”.

Prédio do Federal Reserve em Washington

A perspectiva de que o Fed está a caminho de encerrar a sua campanha de aperto mais agressiva em décadas também atraiu os investidores para outra opção de investimento favorita para fim de ciclo – a chamada inclinação da curva de rendimentos.

A aposta é que, à medida que o foco muda para o momento de uma potencial mudança da Fed para a flexibilização, as notas do Tesouro de curto prazo terão um desempenho melhor do que as obrigações de longo prazo. A estratégia também pode ser beneficiada por uma tendência sazonal: as empresas normalmente apressam-se em vender dívida após o feriado do Dia do Trabalho dos EUA, neste dia 4 de setembro, exercendo pressão sobre os papéis mais longos.

Os dados sobre empregos deixam “o mercado de títulos confortável com a visão de que o Fed está em espera, por enquanto, e tenha encerrado o ciclo de altas”, disse Michael Cudzil, gestor de portfólio da Pacific Investment Management Co., Pimco, que administra US$ 1,8 trilhão.

“Se eles já encerraram o ciclo, trata-se então de olhar para o primeiro corte, que levará a curvas a ganhar inclinação.”

Michael Cudzil, gestor de portfólio da Pimco

Embora a inflação tenha apresentado tendência de queda nos últimos meses, um mercado de trabalho resiliente tem sido o principal obstáculo para o Fed interromper as subidas de juros, depois de aumentar os custos dos empréstimos em 525 pontos base desde março de 2022, para um intervalo de 5,25%-5,5%.

Finalmente o mercado de trabalho parece ter esfriado. O relatório do governo de sexta-feira mostrou que a taxa de desemprego saltou para 3,8%, um nível visto pela última vez em fevereiro de 2022, e o crescimento salarial moderou-se. Foi a terceira divulgação fraca do mercado de trabalho ao longo da semana passada, depois de resultados mais fracos do que o esperado para as vagas de emprego do Bureau of Labor Statistics e do mercado privado divulgados pelo Instituto de Pesquisa ADP.

Os investidores em títulos tiveram alívio com os dados, depois que uma sequência de quedas em agosto fez com que os rendimentos de 10 anos atingissem o nível mais alto desde 2007. A taxa, uma referência para empréstimos globais, terminou a semana abaixo de 4,2%.

Os títulos do Tesouro de curto prazo tiveram desempenho superior na sexta-feira, dado que a curva de rendimentos se tornou mais inclinada. Os rendimentos de dois anos caíram cerca de 20 pontos base na semana, para menos de 4,9%. Enquanto isso, os rendimentos de 30 anos permaneceram praticamente estáveis na semana, em torno de 4,30%, depois de subirem acima dos rendimentos de cinco anos pela primeira vez em semanas.

Fila de pessoas que buscam assistência com pedidos de auxílio-desemprego no Kentucky Career Center, EUA 18/06/2020. REUTERS/Bryan Woolston

Os relatórios de emprego pareciam “o início do fim do mercado de trabalho robusto e a contagem regressiva para quanto tempo o Fed pode permanecer com os juros estáveis”, disse George Goncalves, chefe de estratégia macro para os EUA no MUFG, acrescentando que os rendimentos de dois anos podem cair para 4,5%.

A curva americana implica chance de pouco menos de 50% de outro aumento até novembro. Depois disso, eles as taxas negociadas nos EUA incidam um corte de 0,25 ponto percentual até junho do próximo ano.

O gestor da BlackRock, que administra US$ 7,4 bilhões do fundo Systematic Multi-Strategy Fund, disse que o Fed tem que reduzir os custos dos empréstimos para evitar que a taxa real – ou a taxa básica ajustada pela inflação – sofra um aperto.

“Trata-se de uma política restritiva por mais tempo, não de uma política mais elevada por mais tempo”, disse em entrevista à Bloomberg TV.

“É isso que o mercado de títulos precificou para o próximo ano. Um declínio gradual da inflação, fazendo com que a Fed tenha de cortar as taxas, não porque se trate de uma aterragem forçada ou porque estejam excessivamente restritivas, mas porque deve evitar que a política se torne excessivamente restritivas.”

diretor-executivo da BlackRock, Jeff Rosenberg

Rosenberg disse que prefere títulos do Tesouro de dois anos porque eles têm rendimentos elevados e também o potencial de se beneficiar de uma mudança na política do Fed. Os títulos de longo prazo são menos atraentes devido às incertezas em torno da inflação e do prêmio de risco, disse ele.

Os vencimentos mais longos caíram na sexta-feira porque os traders estavam se preparando para mais emissões corporativas à frente, de acordo com Subadra Rajappa, chefe de estratégia de taxas dos EUA no Societe Generale.

Abra sua conta! É Grátis

Já comecei o meu cadastro e quero continuar.

Últimas