Siga nossas redes

Economia

Fed dá adeus à recessão que não houve

Há um ano grande parte dos Estados Unidos estava convencida de que o país entraria em recessão.

Publicado

em

por

Tempo médio de leitura: 5 minutos

Pode-se jogar a culpa na teoria econômica que não corresponde à realidade, no pensamento de bolha dos analistas ou no partidarismo político dos oponentes do governo Biden, mas há um ano grande parte dos Estados Unidos estava convencida de que o país estava em recessão ou logo entraria em uma.

Os dois primeiros trimestres de 2022 viram a produção econômica norte-americana contrair a uma taxa anual de 1,6% de janeiro a março e a uma taxa anual de 0,6% de abril a junho e, por uma definição comum, embora não tecnicamente precisa, o país já havia entrado em uma recessão.

O Federal Reserve estava aumentando rapidamente as taxas de juros, o investimento imobiliário parecia estar diminuindo e a sabedoria convencional era que outras indústrias, os gastos do consumidor e o mercado de trabalho também cairiam.

“Várias forças coincidiram para desacelerar o ímpeto econômico mais rapidamente do que esperávamos”, disse Michael Gapen, economista-chefe do Bank of America nos Estados Unidos, em uma análise de julho de 2022.

Tesouro dos Estados Unidos, em Washington 20/01/2023 REUTERS/Jim Bourg

“Prevemos agora uma leve recessão na economia norte-americana este ano… Além do enfraquecimento do apoio fiscal anterior… os choques inflacionários corroeram o poder de compra real das famílias com mais força do que prevíamos anteriormente e as condições financeiras se apertaram visivelmente conforme o Fed mudou seu tom para aumentos mais rápidos em sua taxa básica de juros.”

Avançando um ano, a taxa de desemprego de 3,5% em julho está na verdade mais baixa do que o ponto em que muitos analistas esperavam que começasse a subir, os consumidores continuam gastando e muitas previsões econômicas profissionais seguiram Gapen em uma correção de curso.

As pesquisas da Reuters com economistas no ano passado mostraram que o risco de uma recessão daqui a um ano aumentou de 25% em abril de 2022, um mês após o primeiro aumento de juros do atual ciclo de aperto do Fed, para 65% em outubro. A leitura mais recente é de 55%.

“Os dados recebidos nos fizeram reavaliar nossa visão anterior” de uma recessão que já havia sido adiada para 2024, escreveu Gapen no início deste mês. “Revisamos nossa perspectiva em favor de um ‘pouso suave’, onde o crescimento cai abaixo da tendência em 2024, mas permanece positivo o tempo todo.”

Os revisionistas da recessão incluem a própria equipe do Fed, que seguiu seus modelos para rebaixar constantemente as perspectivas para os Estados Unidos, passando de preocupações crescentes sobre “risco de queda” no outono passado, para citar a recessão como um resultado “plausível” em dezembro passado, e, em seguida, projetando a partir da reunião do Fed de março de 2023 que a recessão começaria este ano.

A perspectiva mais sombria desapareceu na reunião de 25 a 26 de julho, confirmou recentemente o presidente do Fed, Jerome Powell, com a expectativa de que mais detalhes sobre a perspectiva da equipe sejam reveladas na ata dessa reunião, que será divulgada nesta quarta-feira.

“A equipe agora tem uma notável desaceleração no crescimento começando no final deste ano na previsão, mas dada a resiliência da economia recentemente, eles não estão mais prevendo uma recessão”, disse Powell em coletiva de imprensa após o final da reunião de política monetária do mês passado.

As projeções dos formuladores de política monetária do Fed, que são divulgadas trimestralmente, nunca mostraram contração anual do Produto Interno Bruto.

Consumidores

O que determinou a diferença entre a recessão que muitos entendiam estar em curso no ano passado e o crescimento que surpreendeu para cima?

A falha na previsão não foi pequena. No terceiro trimestre do ano passado, o crescimento se recuperou para uma taxa anual de 3,2% e permaneceu em 2% ou mais desde então, acima do 1,8% que o Fed considera como o potencial subjacente da economia.

Uma grande parte da história é o poder dos consumidores dos EUA, que continuaram “engajados” e gastando mais do que o esperado.

Mas não é só isso. Pode ser que altas taxas de juros não funcionem da mesma maneira em uma economia que gasta mais em serviços menos sensíveis a taxas e onde as empresas continuaram a tomar empréstimos e investir mais do que muitos economistas previam.

Um aumento nos gastos de governos locais também deu um impulso inesperado ao crescimento, conforme localidades colocaram os fundos da era da pandemia para trabalhar com atraso.

Um risco é se a inflação ressurgir ao lado de uma economia mais apertada do que o esperado, e a política do Fed precisar se tornar ainda mais rígida e induzir a desaceleração da inflação que as autoridades ainda esperam evitar.

Mas as chances disso ocorrer podem estar diminuindo. “Estivemos hesitando por um tempo sobre mudar para o campo de ‘aterrissagem suave’, mas não mais”, observou Sal Guatieri, economista sênior da BMO Capital Markets, em referência às esperanças do Fed de reduzir a inflação sem provocar uma recessão.

“A ampla força” na economia dos Estados Unidos, disse ele, “nos convenceu de que a economia é mais durável do que o esperado… Não só não está mais desacelerando, como pode estar se recuperando”.

Veja também

ANÚNCIO PATROCINADO Confira

Abra sua conta! É Grátis

Já comecei o meu cadastro e quero continuar.