Siga nossas redes

Economia

Inflação na Argentina fecha 2022 em quase 95%; entenda a crise do país

Endividado, país vive escassez de dólares e fuga de capitais, com 36% das pessoas vivendo em situação de pobreza.

Publicado

em

Tempo médio de leitura: 8 minutos

Em Salta, cidade no noroeste da Argentina, o artista Sergio Guillermo Diaz usa seus pincéis e tintas para pintar sobre notas de peso, transformando as imagens oficiais das cédulas em retratos do jogador Lionel Messi ou até personagens dos filmes de Harry Potter. “Hoje em dia faz sentido para mim pintar na maior cédula aqui na Argentina. Uma vez que eu pinto nela, posso vendê-la por muito mais do que vale a cédula.”

Notas de cinco pesos da Argentina pintadas por Sergio Diaz, em Salta, Argentina 30/12/2022 REUTERS/Javier Corbalan

A declaração do artista foi dada à agência Reuters e representa a descrença dos argentinos sobre sua própria moeda. Nesta quinta-feira (12), foi divulgada a inflação oficial em 2022. Segundo o Instituto Nacional de Estatísticas e Censos (INDEC), o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) fechou o ano em 94,8%. 

Com a disparada dos preços e o peso argentino valendo cada vez menos, a população (assim como investidores) tenta recorrer ao dólar. A tarefa, no entanto, não é fácil, já que, com a corrida para a moeda norte-americana, o governo Argentino impôs nos últimos anos uma série de medidas de restrição no mercado de câmbio.

Em um ano, o peso já perdeu mais de 42% de seu valor frente ao dólar – em uma medida difícil de mensurar diante das dezenas de taxas de câmbio na Argentina, incluindo não oficiais como o “dólar paralelo”. 

Falta de dólares

As limitações para se obter dólares não é um problema apenas para o dia a dia dos argentinos, mas também para os investidores e para a própria recuperação da delicada situação da economia argentina. 

O principal ponto é o endividamento do país e seu histórico de calotes que não inspira a confiança de investidores estrangeiros, que não aceitam o risco de colocar seu dinheiro no país – nem mesmo diante da taxa de juros de 75% ao ano definida pelo Banco Central da Argentina. 

No terceiro trimestre de 2022, a dívida bruta da Argentina estava em 79,8% do PIB. O valor é elevado, mas abaixo de outros países. O que preocupa o mercado, na verdade, é a composição dessa dívida: 66% da dívida argentina é em moeda estrangeira e 33,2%, em moeda nacional. 

A Argentina começou a ver seu “colchão” em dólar diminuir em 2019, e desde então não houve recuperação. Em 9 de janeiro de 2023, as reservas internacionais da Argentina estavam em US$ 43 bilhões, segundo informações do Banco Central do país. O valor significa um tombo de mais de 58% em cerca de 4 anos.

O país coleciona uma série de acordos com o Fundo Monetário Internacional (FMI) para tentar sair da crise, mas nunca conseguiu reconquistar a confiança dos investidores. “A Argentina está completamente descontrolada em termos de fuga de capitais“, resume Roberto Dumas, estrategista-chefe do Voiter e professor de economia internacional do Insper. 

Gabriel Meira, economista da Valor Investimentos, acrescenta que a crise da Argentina já se arrasta há muitos anos, e não há perspectivas de melhora. 

“As dificuldades do país começam por não conseguir acessar o mercado externo de dívida. Ninguém hoje quer financiar a Argentina, com exceção do FMI.”

Gabriel Meira, economista da Valor Investimentos

E, se o mercado financeiro não é porta de entrada de dólares no país, resta o comércio exterior – ou seja, as exportações. A situação das exportações, no entanto, também entrou em alerta.

Segundo dados mais recentes do INDEC, nos primeiros 6 meses de 2022 a balança comercial argentina teve um saldo positivo de US$ 3 bilhões – uma redução a praticamente menos da metade do mesmo período do ano anterior, de US$ 6,7 bilhões. Essa redução se deu em meio ao aumento de 25% nas exportações e ao salto de 44% nas importações.

Dumas lembra a medida argentina, em março de 2022, que elevou os impostos sobre exportações de alguns itens para tentar elevar a arrecadação do governo. “O governo está batendo tanto a cabeça que colocou imposto sobre exportações para levantar recursos. Como você coloca imposto sobre exportações se está precisando captar dólares? Não faz sentido”, diz o especialista.

“Quando você está com dívida externa, o que mais precisa é exportação. O governo está dando tiro no pé ao tributar exportação para cobrir os rombos fiscais que ele mesmo piorou.”

Roberto Dumas, estrategista-chefe do Voiter e professor de economia internacional do Insper

Vida real 

FOTO DE ARQUIVO: Uma vendedora de vegetais em um mercado em Salta, Argentina, em 11 de agosto de 2021. Foto tirada em 11 de agosto de 2021. REUTERS/Agustin Marcarian/Foto de arquivo

O impasse financeiro (e político) tem reflexos na economia real, impactando fortemente a vida da população. Segundo dados do INDEC, no primeiro semestre de 2022 a Argentina tinha mais de 36% de sua população vivendo em situação de pobreza, o que representa quase 27% dos lares do país enfrentando dificuldades. 

Para tentar amenizar a situação dos mais pobres, o governo tem lançado mão de medidas encaradas como “benesses” à população, emitindo mais moeda. Segundo dados do BC Argentino, a quantidade de pesos em circulação mais que dobrou em 2 anos, com expansão de 108% da base monetária entre janeiro de 2021 e o mesmo mês de 2023.

O resultado, segundo especialistas, é mais impulso para a inflação. “Se você gasta mais do que arrecada, gera inflação. E isso atinge diretamente a população, principalmente e diretamente as camadas mais baixas”, diz Meira. “Há uma piora no estilo de vida da população porque inflação é o pior tipo de indicador. É o pior tipo de ‘imposto’ que você tem: é invisível e não controlado. Você não define, simplesmente acontece.”

Dumas, por sua vez, cita ainda a tentativa do governo de tentar controlar a inflação via congelamento de preços – o que, na prática, chegou a resultar em falta de produtos nas prateleiras de supermercados. “Não tem a menor explicação. Você pode até me proibir de vender a um preço maior. Mas não pode me obrigar a produzir a quantidade que a população quer a um preço artificialmente baixo.” 

O economista aponta que, diante da situação, os argentinos, na prática, estão desistindo de sua moeda. “A população desiste de usar o peso. Tudo está cotado em dólar. Na prática, se pode dizer que o país está dolarizado – não está, mas as transações são feitas em dólar.”

“Eles praticamente não carregam peso, não cotam nada em peso. Mas, quanto mais você desiste da sua moeda, mais ela se deprecia.”

Roberto Dumas, estrategista-chefe do Voiter e professor de economia internacional do Insper

A Argentina pode ‘virar uma Venezuela’?

Diego, 19, vasculha lixão em Lujan, perto de Buenos Aires 05/10/2022. REUTERS/Agustin Marcarian

Com a piora no quadro inflacionário da Argentina, muitos se questionam sobre a possibilidade de a situação do país se aproximar da fragilidade vivida pela Venezuela. 

Para Meira, “ainda tem um caminho muito grande” até a Argentina se aproximar da Venezuela em uma comparação do poder aquisitivo da moeda. “A desvalorização do capital (na Venezuela) foi tão grande que hoje não vale praticamente nada. Não acho que é algo que pode acontecer com a Argentina.”

Ele cita ainda o fator da credibilidade. “Na Argentina, ainda tem uma vice sendo condenada por corrupção, então mostra que tem minimamente instituições que funcionam, diferente da Venezuela”, cita Meira, em referência à decisão da Justiça que condenou, no dia 6 de dezembro de 2022, a vice-presidente Cristina Kirchner por corrupção.

No entanto, ainda há pontos de atenção. “Mas, em questão de arcabouço fiscal, está próximo. Tem que cuidar e fazer as reformas econômicas”, alerta Meira.

Veja também

ANÚNCIO PATROCINADO Confira

Abra sua conta! É Grátis

Já comecei o meu cadastro e quero continuar.