Siga nossas redes

Economia

Nova política industrial tem ‘missões’ para reverter desindustrialização precoce

Proposta do governo foi inspirada na economista italiana Mariana Mazzucato, defensora do Estado empreendedor.

Publicado

em

Tempo médio de leitura: 7 minutos

O governo brasileiro lançou nesta segunda-feira (22) uma nova política industrial para o desenvolvimento do setor nos próximos anos, através de subsídios e empréstimos na ordem de R$ 300 bilhões. De acordo com o Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços (MDIC), a ideia é “reverter a desindustrialização precoce do país”. 

Produção de peças para veículos
Produção de peças para veículos 15/12/2016 REUTERS/Jorge Adorno

No entanto, a missão não é fácil. Desde a década de 1990, o Brasil tem sofrido um processo de desindustrialização, com a indústria perdendo participação no Produto Interno Bruto (PIB) nacional. Para se ter uma ideia, em meados dos anos 1980, a indústria de transformação representava cerca de 35% do PIB brasileiro.

Porém, a redução da fatia industrial na economia nacional foi se agravando nos últimos dez anos, perdendo espaço também na produção mundial, que atualmente caiu à metade, passando de quase 3% para pouco mais de 1%. Já no início da segunda década do século XXI, sob impacto da pandemia, a fatia da produção nacional no PIB doméstico era de 10%. 

Em novembro de 2023, a indústria brasileira ainda se encontrava abaixo do patamar pré-pandemia (fevereiro de 2020) e quase 20% aquém do nível recorde alcançado em maio de 2011. Os dados são do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e também da Confederação Nacional da Indústria (CNI). 

Missões da Mazzucato

Talvez, por isso, o MDIC buscou inspiração nas “missões” da política industrial proposta pela economista italiana Mariana Mazzucato. Professora da University College London, fundadora do Institute for Innovation and Public Purpose, ela é autora de quatro livros, entre eles, “Missão Economia: um guia inovador para mudar o capitalismo”.

Em artigo publicado por ela pelo Valor Econômico no dia do anúncio do governo, Mazzucato destacava que a nova estratégia industrial do Brasil sinaliza uma “mudança de maré”, com potencial para colocar o país em um rumo de desenvolvimento econômico definido por um “crescimento direcionado, que seja sustentável, inclusivo e resiliente”. 

O economista-chefe do Banco Master, Paulo Gala, também professor da Fundação Getulio Vargas (FGV), explica que a ideia central das “missões” propostas por Mazzucato é direcionar a economia e a inovação em direção a objetivos sociais e ambientais mais amplos, indo além apenas do crescimento econômico. 

Para o economista, as missões propostas pela professora diferem da tradicional ideia de política industrial uma vez que o governo deve estabelecer metas claras para resolver problemas complexos, mobilizando recursos e promovendo a colaboração entre empresas, universidades e a sociedade civil. 

“As missões de política industrial são uma abordagem inovadora para orientar a intervenção do Estado na economia”

Paulo Gala, economista-chefe do Banco Master e professor da FGV.

Segundo o economista, a política industrial desempenha um papel importante na economia, em especial dos países emergentes, de modo a promover o crescimento, a diversificação, a competitividade da indústria e o desenvolvimento de capacidades tecnológicas. Como resultado, é possível alcançar um crescimento econômico mais equilibrado. 

Daí porque as “missões” direcionam esforços e recursos para áreas específicas que requerem soluções inovadoras e transformadoras, promovendo a criação de valor público e melhorando a qualidade de vida das pessoas. “O que é uma economia orientada por ‘missões’? É estabelecer um objetivo claro, ambicioso e urgente”, emenda Gala. 

Durante a divulgação da “Nova Indústria Brasil”, o vice-presidente da República e também ministro do MDIC, Geraldo Alckmin, explicou que o plano de “neoindustrialização” terá metas para cada uma das seis missões (ou áreas), que irão nortear as ações até 2033. São elas: 

  • missão 1: cadeias agroindustriais
  • missão 2: saúde 
  • missão 3: bem-estar das pessoas nas cidades
  • missão 4: transformação digital
  • missão 5: bioeconomia, descarbonização e transição energética
  • missão 6: defesa

Missão fiscal

Para fomentar a nova política industrial, o governo vai disponibilizar R$ 300 bilhões para financiamento até 2026. Os recursos serão geridos pelo Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) e Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii). 

O montante será disponibilizado de forma contínua nos próximos três anos por meio de linhas de crédito específicas, reembolsáveis ou não, contanto que os projetos estejam alinhados com os objetivos e prioridades das “missões” de reindustrialização. Foi aí, então, que o mercado financeiro acendeu a luz amarela.

Na visão de especialistas, o anúncio colaborou para a bolsa brasileira caminhar na contramão dos mercados no exterior na segunda-feira (22). Enquanto o S&P 500 renovava o recorde de alta, o Ibovespa descia mais um degrau, atingindo o menor nível desde meados de dezembro. Já o dólar deu um salto e encostou de vez na marca de R$ 5.

Isso porque a notícia sobre o programa de financiamento para a reindustrialização do Brasil somou-se ao impasse entre o Congresso Nacional e o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, em torno da Medida Provisória (MP) da reoneração, elevando a preocupação fiscal e deixando o mercado inseguro.

  • Você sabe quem é Fernando Haddad? Conheça sua formação, cargos anteriores e mais

O economista e gestor de portfólio Dan Kawa lembra que já há algumas semanas, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva vem sinalizando certo desconforto com a possibilidade de uma desaceleração econômica ao longo de 2024. Diante disso, o mandatário se mostra disposto em adotar medidas de apoio ao crescimento, vistas como expansionistas.

“A postura do presidente mostra que, na visão dele, não existe um ‘trade-off’ entre o crescimento e as contas fiscais do país.”

Dan Kawa, economista e gestor de portfólio, na rede social X (ex-Twitter).

Portanto, por mais que tenha o selo de uma renomada economista europeia, a posição de Mazzucato a favor da liderança do governo em projetos de investimento de longo prazo acaba criando ruídos políticos e pressões, mesmo que pontuais, nos ativos locais. Ainda mais em um contexto de restrição fiscal.

Missão sem ruído

Porém, é importante ressaltar que, por ora, a nova política industrial do governo não sugere gastos públicos adicionais. O economista-chefe da Warren Investimentos, Felipe Salto, explica que para haver pressão sobre o Orçamento, o BNDES teria de retomar o “antigo expediente” de usar as emissões do Tesouro Nacional. 

“Isso teria consequências muito ruins para a sustentabilidade fiscal”, afirma. Entretanto, Salto lembra que o BNDES já conta com montante expressivo de recursos para financiar políticas públicas, tendo desembolsado R$ 75,4 bilhões em 2023 e devendo desembolsar valor similar ou superior neste ano. 

Além disso, o analista da Ajax Asset, Rafael Passos, destaca que as discussões sobre eventual alteração na taxa de juros cobrada pelo BNDES permanecem distantes, com a TLP seguindo como referência. “Mesmo com os ruídos iniciais, o programa não deve gerar impactos negativos no médio prazo”, completa, em comentário. 

Veja também

ANÚNCIO PATROCINADO Confira

Abra sua conta! É Grátis

Já comecei o meu cadastro e quero continuar.