Siga nossas redes

Economia

‘Paraíso fiscal’ de hedge funds ofusca crise crescente em Porto Rico

Problemas de energia e má administração assolam população, enquanto incentivos atraem investidores e exilados do mundo cripto.

Publicado

em

por

Tempo médio de leitura: 7 minutos

Se você andar por certos círculos, é fácil acreditar que Porto Rico superou furacões devastadores e a maior falência municipal da história dos Estados Unidos.

Hotéis sofisticados e restaurantes luxuosos estão surgindo ao longo das praias de areia branca e águas cristalinas da ilha. Um jantar para dois pode custar US$ 500 nesses locais sofisticados. Executivos de hedge funds e exilados das criptomoedas estão se mudando, atraídos por incentivos fiscais lucrativos.

Mas é o zumbido dos investidores privados que possibilita esse estilo de vida, e blinda esse conjunto de habitantes da ilha da realidade vivida pela grande maioria.

Grafite em rua de San Juan, Porto Rico. Foto: Jim Wyss/Bloomberg

A envelhecida e frágil empresa de energia de Porto Rico já estava falida e precisava desesperadamente de reparos quando o furacão Maria atingiu a ilha, em 2017. A tempestade causou mais de US$ 90 bilhões em danos e derrubou a eletricidade em algumas áreas por quase um ano.

Desde então, a administração da Autoridade de Energia Elétrica de Porto Rico, ou Prepa, foi colocada em mãos privadas, mas os problemas persistem. Os apagões – mesmo em dias ensolarados – são comuns, e a ilha normalmente tem a eletricidade mais cara de qualquer jurisdição dos EUA, exceto o Havaí e o Alasca.

Os problemas de energia são um fardo adicional em uma ilha onde 40% da população vive na pobreza e uma crise de acessibilidade se aprofundou, em parte graças ao influxo de residentes ricos.

O produto nacional bruto (PIB) real ainda está abaixo dos níveis de 2016 em meio a furacões, terremotos e má administração. Espera-se que encolha novamente este ano, apesar de um influxo de US$ 120 bilhões em ajuda federal à reconstrução. Enquanto isso, os pagamentos de pensões e o serviço da dívida ocupam 25% do orçamento da comunidade, mesmo após a falência.

Isso deixou Porto Rico à beira de outra possível crise fiscal, exacerbada pelo peso da dívida da Prepa e pelo aumento das tarifas de eletricidade que levaram a protestos nas ruas.

“Precisamos obter uma carga de dívida sustentável que Porto Rico possa pagar e que os consumidores possam suportar. Esse é o resultado mais importante de todo esse processo que acabou sendo incrivelmente difícil, longo e complicado.”

Sergio Marxuach, diretor de políticas do Center for a New Economy, sobre a Prepa.

O governo fechou seu próprio acordo de falência em 2022, cortando cerca de US$ 22 bilhões em dívidas para cerca de US$ 7,4 bilhões. Mas cortar as obrigações da Prepa – enquanto a rede elétrica está sendo colocada sob administração privada e requer bilhões em reparos – tem sido mais controverso.

Seis anos de negociações não conseguiram resolver sua dívida de quase US$ 9 bilhões, embora a Prepa e alguns detentores de títulos estejam trabalhando em um acordo provisório. O treino prolongado testou a paciência da juíza Laura Taylor Swain, que está supervisionando o caso.

Swain recentemente limitou o pagamento da Prepa aos detentores de títulos em cerca de US$ 2,4 bilhões. No entanto, qualquer pagamento aos credores seria adicionado à conta de eletricidade dos residentes carentes por meio de uma chamada cobrança herdada, de acordo com a atual proposta de corte de dívida do conselho de supervisão financeira de Porto Rico, que está administrando a falência da concessionária. É isso que torna os processos judiciais da Prepa tão vitais.

Blindados de problemas reais

Os ricos da ilha podem mitigar os aumentos das tarifas adotando sistemas solares e de bateria no telhado, mas esses podem custar vários milhares de dólares e estão fora do alcance da maioria dos residentes de uma ilha com renda familiar média de US$ 22.000.

Embora os mais pobres possam ser elegíveis para subsídios de energia, isso deixaria a classe média e os negócios arcando com o peso de quaisquer novos aumentos.

Protesto em San Juan, Porto Rico. Foto: Gabriella N. Baez/Bloomberg

Ariel Torres Ramos, presidente do conselho da Selectos, uma cadeia de supermercados porto-riquenha com mais de três dúzias de locais, disse que as empresas locais pagam o preço da má administração do governo.

As tarifas de energia comercial em Porto Rico já são o dobro da média dos EUA. As pequenas empresas não podem absorver nenhum aumento adicional e é cada vez mais difícil repassar os custos para os consumidores em dificuldades.

“Eles não podem continuar abrindo buracos no setor privado”, disse ele. “É por isso que temos que levantar nossas vozes e parar o abuso. Eles não podem continuar nos apertando”.

Protestos

A poucos quilômetros de onde o bilionário John Paulson está construindo um condomínio de luxo – onde uma unidade de quatro quartos custa US$ 4,7 milhões – a ativista Janet Cruz juntou-se a alguns milhares de outros em um dia de semana recente para marchar até o palácio do governador no distrito turístico de Old San Juan.

Os manifestantes exigiam que a Prepa não pagasse um centavo dos US$ 8,3 bilhões que devia aos detentores de títulos.

Segundo ela, as instituições financeiras dos EUA enriqueceram com os títulos de Porto Rico emitidos por políticos locais corruptos, apesar dos limites constitucionais da dívida.

“Essa dívida era ilegal, mas os investidores a compraram de qualquer maneira, sabendo dos riscos”, disse Cruz, que voltou recentemente a Porto Rico depois de viver no continente americano por uma década. “Essa dívida não é nossa e não há razão para pagá-la.”

JANET CRUZ, ATIVISTA.

Economia em crescimento

Segundo algumas medidas, a economia de Porto Rico está crescendo. Uma casa na comunidade nobre de Dorado recentemente foi colocada à venda por US$ 44 milhões, estabelecendo um novo recorde local.

O turismo está atingindo máximos históricos e a taxa de desemprego de cerca de 6% está perto de uma baixa recorde. O governador Pedro Pierluisi chamou os números de prova “real e irrefutável” de que a economia está em alta.

Mensagem contra regra que torn ou Porto Rico paraíso de hedge funds. Foto: Jim Wyss/Bloomberg

Os credores de Porto Rico também dizem que a economia virou a esquina, mas o governo está alegando dificuldades para evitar o pagamento de suas dívidas há muito atrasadas.

“Nenhum detentor de títulos jamais forçou o governo a emitir títulos”, disse Daniel Solender, chefe de municípios da Lord Abbett & Co., que detém dívidas da Prepa. “Agora é tudo sobre como os detentores de títulos estão pedindo demais.”

Fundos federais pode salvar região?

Um dos principais motores da economia agora são US$ 120 bilhões em fundos federais, emitidos após a temporada de furacões de 2017, terremotos e a pandemia. O dinheiro equivale ao recebimento de US$ 2 trilhões pelo estado de Nova York, segundo o conselho que administra as finanças da ilha.

“Esses fundos representam uma oportunidade única na vida de reconstruir a economia da ilha. Mas nossa análise não aponta para um crescimento econômico sustentável se esses recursos não forem investidos para estimular o crescimento.”

Robert Mujica Jr, diretor-executivo do conselho, em recente reunião pública.

E parte dessa equação é reconstruir a rede elétrica e outras infraestruturas que fortalecerão o setor privado.

Enquanto Cruz marchava em direção à mansão do governador, ela apontou para lojas e prédios que costumavam pertencer a porto-riquenhos, mas agora estão nas mãos dos habitantes do continente.

Veja também

ANÚNCIO PATROCINADO Confira

Abra sua conta! É Grátis

Já comecei o meu cadastro e quero continuar.