Siga nossas redes

Economia

Peruanos estão deixando de comer ceviche: o que isso tem a ver com o El Niño?

Fortes chuvas devastaram as culturas locais de lima, fazendo com que os preços subissem quase 70% apenas em agosto.

Publicado

em

por

Tempo médio de leitura: 2 minutos

Muitos peruanos já não podem dar-se ao luxo de comer o seu próprio prato nacional, o ceviche, à medida que o fenômeno climático El Nino atinge as colheitas e ajuda a pressionar a inflação dos alimentos no país.

As fortes chuvas devastaram as culturas locais de lima, fazendo com que os preços subissem quase 70% apenas em agosto. Como o suco de limão é um ingrediente-chave da culinária peruana, isso criou furor nacional e forçou o ministro das finanças a pedir calma.

Limas, no Peru. Foto: Cris Bouroncle/AFP/Getty Images

Os rápidos aumentos dos preços dos alimentos estão impedindo que a inflação global desacelere e atinja a meta na velocidade que as autoridades gostariam, enquanto criam dificuldades para os peruanos mais pobres. Os danos causados ao setor agrícola pelo El Niño levaram a economia à recessão no segundo trimestre.

“É importante usarmos o que chamamos de soberania do consumidor”, disse o ministro das Finanças, Alex Contreras, em entrevista à TV no domingo. “Se esta semana eu estava planejando fazer ceviche, posso trocá-lo por refogado de frango.”

Marinado mais caro

Memes nas redes sociais agora mostram pilhas de frutas cítricas como sinal de riqueza. Uma porção de ceviche pode exigir cinco ou mais limões para criar o marinado usado para curar peixe cru.

A taxa de inflação de Lima monitorada pelo Banco Central desacelerou para 5,6% no mês passado, de 8,5% no início do ano. Mas a inflação dos alimentos e das bebidas não alcoólicas foi mais que o dobro, de 11,5%. O banco tem como meta aumentos anuais nos preços ao consumidor de 2%.

O pior é esperado no próximo ano, quando se prevê que o El Nino se intensifique, perturbando ainda mais a agricultura. O Peru é um grande exportador de culturas como mirtilos, aspargos e uvas.

O Banco Central do Peru deve cortar as taxas de juros em algum momento entre setembro e dezembro, de acordo com uma previsão de Felipe Hernández, que cobre a América Latina para a Bloomberg Economics. Chile e Brasil já começaram a cortar as taxas e a Colômbia deverá fazer o mesmo no próximo mês.

Veja também

ANÚNCIO PATROCINADO Confira

Abra sua conta! É Grátis

Já comecei o meu cadastro e quero continuar.