Siga nossas redes

Economia

Recuperação da Ucrânia depende do retorno de milhões de mulheres

O fracasso em persuadir as 2,8 milhões de mulheres em idade produtiva a retornar pode custar à Ucrânia até 10% de seu PIB anual pré-guerra.

Publicado

em

por

Tempo médio de leitura: 5 minutos

A Ucrânia precisa que suas mulheres refugiadas voltem para casa, e logo.

Quase um ano e meio após a invasão russa comandada pelo presidente Vladimir Putin, o custo da resistência foi devastador. A menos que os mais de seis milhões de refugiados da Ucrânia retornem, parte desse dano será permanente.

A maioria dos homens de 18 a 60 anos não tem permissão para deixar o país, o que explica por que 68% dos refugiados ucranianos são mulheres, com uma disparidade de gênero ainda maior entre os adultos. O fracasso em persuadir as 2,8 milhões de mulheres em idade produtiva a retornar pode custar à Ucrânia até 10% de seu PIB anual pré-guerra, de acordo com Alexander Isakov, da Economia Bloomberg.

Mulheres e crianças em fuga da Ucrânia se reúnem na estação de trem de Przemysl, em 2 de março de 2022. (Foto: Bloomberg)
Mulheres e crianças em fuga da Ucrânia se reúnem na estação de trem de Przemysl, em 2 de março de 2022. (Foto: Bloomberg)

São US$ 20 bilhões por ano no pior cenário, o que facilmente superaria o pacote de ajuda de quatro anos proposto pela União Europeia para a Ucrânia, no valor anual de € 12,5 bilhões (cerca de US$ 14 bilhões).

“Para mim, pessoalmente, a vitória será quando as famílias ucranianas se reunirem na Ucrânia, não no exterior”, disse a vice-ministra da Economia, Tetyana Berezhna, em entrevista. “Portanto, a tarefa mais importante agora para a Ucrânia, para o governo ucraniano, é fazer todo o possível para que as mulheres com filhos voltem para seus maridos e se reúnam na Ucrânia.”

Valeriya Lyulko, (esquerda), sua mae, Dana, e o filho Nikos, refugiados em Frankfurt, Alemanha. Foto: Sandra Weller/Bloomberg

Mesmo antes da guerra, a maior fragilidade econômica da Ucrânia era demográfica, com taxa de fertilidade de apenas 1,2, entre as piores da Europa. Dezenas de milhares de soldados e civis mortos, e um número ainda maior de feridos ou traumatizados demais para trabalhar, reduzem ainda mais o número de consumidores e membros da força de trabalho indispensáveis ​​à recuperação.

Ataque na região ucraniana de Odessa 21/7/2023 Divulgação via REUTERS

O governo tem planos ambiciosos para a reconstrução pós-guerra que dobrariam o tamanho da economia até 2032, mas o ministério da economia diz que a Ucrânia tem 4,5 milhões a menos do número de trabalhadores e empresários necessários para atingir essa meta. O objetivo é preencher a lacuna com um misto de retorno de refugiados — 60% dos quais têm diplomas — e talentos estrangeiros.

Para tanto, está trabalhando em incentivos para trazer as mulheres de volta à força de trabalho, incluindo uma nova lei trabalhista que visa restringir a disparidade salarial entre gêneros, e subsídios para ajudar as esposas de quem luta na linha de frente a iniciar negócios.

O foco é persuadir os refugiados a retornarem a lugares como Mykolaiv.

Ataque russo em Mykolaiv 20/7/2023 REUTERS/Viktoria Lakezina

Quando a Dinamarca concordou em liderar um programa de reconstrução da cidade portuária, o embaixador Ole Egberg Mikkelsen sabia que estaria ajudando a restaurar a infraestrutura de água e energia para tornar a cidade habitável novamente. Ele não esperava que o esforço envolvesse a construção de abrigos antiaéreos para crianças.

O projeto foi acordado em 3 de julho para restaurar até 16 escolas danificadas, acrescentando abrigos quando apropriado, “porque as famílias com crianças disseram que não voltariam para uma cidade tão perto da linha de frente sem isso”, disse Mikkelsen.

Mas isso ainda não é suficiente para convencer Daria Chestina a voltar do Brasil com sua filha de nove anos, Varvara.

Varvara perdeu contato com seus amigos depois de fugir dos bombardeios e dos tanques que passavam por Mykolaiv. Quando chegou a Curitiba, ela ficou reclusa, zangada e sem vontade de comer.

Chegando lá, Chestina, gerente comercial de um grande terminal de grãos no porto de Mykolaiv antes da guerra, rapidamente encontrou trabalho em uma consultoria de commodities brasileira. E Varvara agora está feliz em sua escola internacional, onde aprende português e inglês.

A mãe de Chestina já voltou para Mykolaiv para reabrir sua padaria, e ela mesma visitou a cidade em maio. Mas, para Chestina, os abrigos antiaéreos escolares não são suficientes para remover a ameaça das barragens de mísseis, de que ela já teve que fugir uma vez, na cidade de Luhansk, em 2014, quando a Rússia anexou a Crimeia e alimentou uma insurgência armada na região de Donbass, no leste da Ucrânia.

Prédio destruído por ataque aéreo russo, em Orikhiv, região de Zaporizhzhia 10/07/2023 Comandante militar regional de Zaporizhzhia Yurii Malashko via Telegram/Divulgação via REUTERS

“Se eu não tivesse minha filha, já estaria de volta à Ucrânia”, disse Chestina, de 31 anos, que teme que jovens como ela, que falam uma língua estrangeira e têm habilidades globalmente requisitadas pelo mercado de trabalho, nunca retornem. Isso pode esvaziar um recurso crítico para a construção de uma nova Ucrânia.

Se as pessoas não voltarem, disse ela, então “por que fazemos esta guerra?”

Veja também

ANÚNCIO PATROCINADO Confira

Abra sua conta! É Grátis

Já comecei o meu cadastro e quero continuar.