Siga nossas redes

Economia

Parecer da reforma tributária da Câmara deve ser finalizado em 16 de maio

Deputado federal Reginaldo Lopes (PCdoB) participou de encontro com empresários nesta manhã em SP.

Publicado

em

Tempo médio de leitura: 5 minutos

O deputado federal Reginaldo Lopes (PCdoB), coordenador do grupo de trabalho da reforma tributaria da Câmara, disse na manhã desta sexta-feira (10) que pretende finalizar o relatório com o seu parecer técnico dentro do prazo e entregá-lo no dia 16 de maio.

“A matéria é muito importante e a sociedade brasileira espera transparência, dinamismo para tomar essas decisões. Tudo indica que nos vamos concluir, de fato, na segunda semana de maio”, disse.

O grupo de trabalho foi criado em 15 de fevereiro e tem, inicialmente, 90 dias para concluir os trabalhos. Ele participou de uma evento na Câmara de Comércio Americana para o Brasil (Amcham) onde foi discutida as prioridades empresariais para a reforma.

Para o deputado Reginaldo Lopes será uma reforma ampla e ele explica a necessidade de aprovação em duas etapas.

“Quando você unifica vários tributos e cria dois novos tributos, um imposto sobre valor adicional agregado e um imposto seletivo tem que ser por emenda constitucional. A forma de imposto direto sobre renda e patrimônio é apenas lei ordinária. Então, vamos tratar a proposta em duas etapas. É um erro achar que é conflitante reforma indireta com a reforma direta. É um erro achar que com a reforma dos impostos indireto você não faz justiça tributária e não garante progressividade.”

O secretário extraordinário da reforma tributária do Ministério da Fazenda, Bernard Appy, também esteve presente no evento com empresários. “Ou a gente entende que é um jogo de ganha ganha, ou não tem sentido a gente discutir isso”, disse Appy ao ser questionado sobre desoneração dos setores. Ele destacou que os dois modelos de proposta de emenda à constituição propostos são infinitamente melhor do que o sistema tributário atual.

O relator da reforma da Câmara, o deputado Aguinaldo Ribeiro (PP) participou do evento pela internet e disse que pretende aprovar a reforma tributária na Casa até o fim do primeiro semestre deste ano.

Em pesquisa realizada neste ano pela Amcham com mais de 500 líderes empresarias, 68% responderam que a aprovação da reforma era a prioridade para o país.

Ressarcimento de saldos credores

Appy informou que a reforma contempla um mecanismo eficaz de ressarcimento de créditos acumulados, com características nas duas propostas.

Na PEC 45, há um único imposto sobre bens e serviços que seria de competência municipal, estadual ou federal. Já na PEC 110 tem uma contribuição sobre bens e serviços que tem características sobre valor adicional que seria federal e o imposto sobre serviços que seria competência dos estados e municípios.

“O imposto sobre serviço que seria um imposto de competência compartilhada nas duas propostas, ele teria um modelo de arrecadação integrada em que é gerido conjuntamente pelos entes da federação. Uma das grandes vantagens desse modelo de arrecadação integrada para uma empresa que acumula saldos credores, o montante não e distribuído para os entes da federação. Ele permanece nessa agência centralizadora que na PEC 110 se chama conselho federativo (UBS) e, portanto, o recurso está pronto para ser devolvido para quem acumulou pelo saldo credor”, afirmou.

Bernard Appy disse que esse sistema é construído para dar segurança que as empresas recuperarão seus saldos credores.

“Essa é uma garantia absoluta de ressarcimento de saldos credores que, infelizmente, não existe hoje no sistema tributário brasileiro”, disse ele.

Questionado se haveria crédito sobre a folha salarial, ele disse que isso não faz sentido algum a isenção do IVA, pois nenhum imposto foi pago antecipadamente.

Sobre isenções tributárias de setores específicos, Appy disse que essas decisões serão tomadas pelo Congresso.

Reforma x crescimento país

“A reforma tributária tem um impacto muito positivo sobre o crescimento. Qual esse impacto é difícil estimar com precisão. Eu acredito que em 10 a 15 anos, agente tenha um aumento de por baixo 10 pontos percentuais do PIB”, disse o secretário extraordinário da reforma do Ministério da Fazenda.

O que prevê a reforma tributária

A reforma tributária é uma proposta do governo federal para unificar impostos e simplificar o sistema tributário brasileiro com a extinção de produtos como o PIS, Cofins, ICMS, ISS, IPI e PIS/Pasep. O objetivo é aumentar a competitividade entre as empresas, acabar com a guerra fiscal e melhorar a economia do país.

A PEC 45/19 da Câmara e a PEC 110/19 do Senado fazem parte da discussão em tramitação. Para entrar em vigor, o texto precisa ser aprovado pelo Congresso antes de ser enviado para sanção presidencial.

No início desta semana, o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL) disse que o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva ainda não tem uma base consistente no Congresso Nacional para conseguir aprovar a reforma tributária.

De acordo com o secretário extraordinário da reforma tributária do Ministério da Fazenda, Bernard Appy, a expectativa é de que a primeira etapa da reforma, focada na criação de um imposto sobre consumo, seja apreciada na Câmara em maio, seguindo depois para o Senado, onde o prazo de votação ainda está indefinido.

A segunda etapa da reforma visará mudanças na tributação na renda e sobre folha de pagamentos.

Veja também

ANÚNCIO PATROCINADO Confira

Abra sua conta! É Grátis

Já comecei o meu cadastro e quero continuar.