Siga nossas redes

Economia

Secretário da Fazenda vai deixar cargo após impasse do Orçamento, dizem jornais

Waldery Rodrigues já havia entrado na mira de Bolsonaro quando falou em congelamento de aposentadorias e pensões.

Publicado

em

por

InvestNews
Fachada do Ministério da Economia
Fachada do Ministro da Economia (ME). Foto: Geraldo Magela/Agência Senado

Waldery Rodrigues, atual secretário especial de Fazenda do Ministério da Economia, deixará o governo e será substituído no cargo por Bruno Funchal, hoje secretário do Tesouro, segundo veículos da imprensa noticiaram nesta terça-feira (27). A notícia não foi confirmada oficialmente pelo governo.

Segundo a Agência Estado, o ministro da Economia, Paulo Guedes, demitiu Rodrigues do cargo de secretário especial da Fazenda. A saída de Waldery também foi noticiada pela agência Reuters, a emissora “CNN Brasil” e o jornal “Valor Econômico”.

A saída acontece após embates na sanção do Orçamento. Mas Waldery já havia entrado na mira do presidente Jair Bolsonaro no ano passado, quando falou em entrevista sobre intenção da equipe econômica de propor congelamento de aposentadorias e pensões. 

Segundo agências, o escolhido para o lugar de Waldery foi o atual secretário do Tesouro Nacional, Bruno Funchal. Na hierarquia do Ministério da Economia, o Tesouro Nacional é ligado à Secretaria Especial da Fazenda. Já o nome mais cotado para o posto de Funchal é Jeferson Bittencourt, assessor especial no Ministério da Economia, onde é servidor de carreira.

Desgaste

A saída de Waldery do cargo vem depois de uma série de embates em torno da sanção do Orçamento de 2021, que sofreu um veto de R$ 19,8 bilhões em despesas e um bloqueio adicional de R$ 9,3 bilhões.

A área comandada por ele foi uma das mais ferrenhas defensoras do ajuste no Orçamento por conta da maquiagem em despesas obrigatórias, como os benefícios previdenciários, uma visão contrária à do Congresso, de que a peça poderia ser sancionada integralmente.

Segundo relatos feitos à reportagem, Waldery queria ficar no cargo até junho, mas o Orçamento mostrou a necessidade de antecipar uma mudança que já estava no radar. A condução do processo pelo atual secretário foi muito criticada pela ala política, mas o trabalho de Waldery também costuma ser alvo de outras áreas dentro do Ministério da Economia, que reclamam que as decisões importantes “travam” na Fazenda.

O atual secretário especial de Fazenda já esteve na mira do presidente da República, Jair Bolsonaro, no ano passado, quando defendeu congelar aposentadorias e mexer no seguro-desemprego para liberar recursos ao Renda Brasil, como era chamada a proposta de reformulação dos programas sociais. Na época, Bolsonaro ameaçou dar “cartão vermelho” a Waldery e já chegou a pedir a cabeça do secretário.

Desde aquela época, o secretário silenciou e evitou polêmicas. Na coletiva sobre o Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (PLDO) de 2022, ele evitou falar sobre o impasse até então sem solução em torno do Orçamento de 2021 – as perguntas sobre o tema foram censuradas pelo Ministério da Economia.

Outras baixas na equipe de Guedes

A troca no Tesouro e na Fazenda não é a única dentro do Ministério da Economia. Como mostrou o jornal “O Estado de S. Paulo” na segunda-feira, a assessora especial para reforma tributária, Vanessa Canado, vai deixar a equipe de Guedes. A saída deve ocorrer antes da votação do relatório de reforma tributária na Câmara dos Deputados.

A interlocutores, Vanessa tem dito que encerrou seu trabalho na pasta e que sua saída já estava programada desde janeiro. Essa deve ser a última semana da assessora dentro da Economia.

No início do ano, Bolsonaro pediu a cabeça do presidente do Banco do Brasil (BBAS3), André Brandão, por discordar do plano de enxugamento de agências e corte de pessoal do banco. Também foi demitido o presidente da Petrobras (PETR3 e PETR4), Roberto Castello Branco, por divergências com o presidente sobre a política de preços dos combustíveis e o tratamento aos caminhoneiros, base de apoio do governo.

Além de Castello Branco, Bolsonaro já mandou demitir dois auxiliares de Guedes que bateram de frente com ele. No primeiro ano de mandato, o presidente decidiu demitir o então secretário da Receita Federal, Marcos Cintra, porque considerou que a discussão sobre a criação de um imposto nos moldes da CPMF se tornou “pública demais”. Embora tivesse apoio da equipe econômica, o assunto gerou polêmica e não agradou os seus apoiadores.

Bolsonaro também influenciou na mudança de comando de outro banco público ainda em 2019. Ele disse que o então presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Joaquim Levy, estava com “a cabeça a prêmio” durante conversa com jornalistas. No dia seguinte, Levy pediu demissão do cargo.

No ano passado, o próprio ministro Guedes reconheceu, em agosto, uma “debandada” em sua equipe. No caso do secretário especial de Desestatização, Salim Mattar, o motivo foi a lentidão das privatizações, estagnadas na pandemia, mas travadas desde antes por pressões políticas.

Já o secretário especial de Desburocratização, Gestão e Governo Digital, Paulo Uebel, preferiu deixar o cargo a permanecer “engavetado” no ministério junto com a proposta de reforma administrativa, que acabou saindo pouco depois.

Guedes também perdeu dois auxiliares que foram “promovidos” justamente por avançarem em suas agendas. O ex-secretário especial de Comércio Exterior, Marcos Troyjo, foi indicado em junho para a presidência do Novo Banco de Desenvolvimento – o “Banco dos Brics”, com sede em Xangai, após o sucesso na conclusão do acordo entre o Mercosul e a União Europeia no ano passado.

Já o ex-secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, colheu os louros da aprovação da reforma da Previdência – o maior feito do atual governo na economia até agora – e foi alçado ao posto de ministro do Desenvolvimento Regional. Agora aliado à ala militar do Planalto, ele tem sido o maior “rival” de Guedes no embate sobre a abertura da torneira de gastos do governo no pós-crise.

(* Com informações da Reuters e Estadão Conteúdo)

Com o Tesouro é assim: você empresta dinheiro para o Governo a troco de juros. Bora investir? Aproveite hoje!

Anúncio Patrocinado Invista em Ações com TAXA ZERO de corretagem! Invista em Ações com TAXA ZERO de corretagem!