Siga nossas redes

Finanças

Bolsa fecha em queda de 0,65%, mas não ofusca ganhos de 3% na semana

Pacote fiscal americano continua sem rumo enquanto eleições americanas se aproximam

Publicado

em

por

InvestNews
bolsa de valores

Último pregão da semana e o Ibovespa não conseguiu segurar os 102 mil pontos. Apesar de começar o dia com forte alta, o índice fechou em queda de 0,65% aos 101.259 pontos nesta sexta-feira (23). Contudo, isso não ofuscou os ganhos da semana, foi a terceira semana consecutiva de alta com valorização de 3%.

O Ibovespa teve um movimento de realização de lucros nesta sexta-feira, ainda há incerteza no mercado doméstico especialmente com a questão do risco fiscal. Hoje teve a divulgação do IPCA-15 de outubro, a inflação veio acima do teto das projeções com uma alta de 0,94%, enquanto a mediana apontava 0,82%.

O Investimento Direto no País foi de US$ 1,597 bilhões em setembro, menor do que esperado. A preocupação dos investidores impactou nos juros futuros e no dólar.

No cenário externo continua o impasse com a aprovação do pacote de estímulos nos Estados Unidos. O vaivém da decisão não permite que as bolsas americanas sustentem a alta, especialmente pela proximidade da eleição presidencial no dia 3 de novembro.

Ontem aconteceu o segundo debate presidencial, ainda muito pautado na ideologia e pouco focado nos planos de governo. A expectativa para conhecer as estratégias e propostas dos candidatos fica agora na mão do debate dos vice-presidentes. As bolsas americanas fecharam mistas, o índice S&P 500 subiu 0,34%, Nasdaq avançou 0,37% e Dow Jones caiu 0,10%.

Na Europa também foi um dia positivo com alta generalizada nas bolsas.

O dólar se fortaleceu frente ao real, especialmente com pressão da inflação mensal. O dólar comercial fechou em alta de 0,59%, cotado a R$ 5,627. Na máxima do dia, a moeda americana chegou a R$ 5,633.

Na semana o dólar tem leve queda de 0,25% após sofrer fortes oscilações. Contudo terminou a sexta em alta com o risco fiscal brasileiro e o pacote de estímulos americanos. Em outubro, o dólar acumula alta de 0,20%.

Faltam catalisadores capazes de guiar a moeda americana em direção mais firme ante o real, seja para baixo ou para cima, ressaltam profissionais das mesas de câmbio.

LEIA MAIS:

Destaques da Bolsa

O destaque positivo do dia foi da Braskem (BRKM5) que valorizou 4,35%. A companhia repercute a recomendação do banco Santander de compra, com preço alvo de R$ 28.

Subiram também Embraer (EMBR3) e CSN (CSNA3) que avançaram 3,96% e 2,63%, respectivamente.

No lado oposto do Ibovespa recuaram: Petrorio (PRIO3) com queda de 3,66%, seguida dos frigoríficos Marfrig (MRFG3) e JBS (JBSS3) que caíram 3,43% e 3,31%, respectivamente.

A Petrorio recuou acompanhando a queda nos preços do petróleo. A commoditie foi pressionada pela notícia de que a Líbia vai aumentar a produção de petróleo e também após um crescimento dos poços em atividade nos Estados Unidos.

O barril do WTI para dezembro caiu 1,94%, a US$ 39,85. E o Brent para o mesmo mês recuou 1,63%, a US$ 41,77 o barril.

A JBS repercute os conflitos da carta do fundo SPS que contaria o pedido do BNDESPar de abrir processo arbitral de indenização.

Indicadores

O IPCA-15 subiu 0,94% em outubro – maior taxa para o mês desde 1995 (+1,34%) e mais que o dobro da alta de 0,45% em setembro. O ajuste de alta dos juros futuros é monitorada pelos agentes de câmbio.

O índice de transações correntes, que mede a diferença de valor entre os produtos exportados e importados, serviços e pagamentos de juros (exportações menos importações), foi divulgado hoje pelo Banco Central e ficou aquém do esperado. A diferença somou US$ 2,30 bilhões, enquanto o esperado era US$ 3 bilhões.

Bolsas na Europa

As bolsas europeias fecharam com ganhos nesta sexta-feira, apoiadas por alguns indicadores que agradaram, bem como por um balanço do Barclays que superou as expectativas e sustentou ações do setor financeiro. De qualquer modo, continuaram no radar os riscos da segunda onda de casos da covid-19 na região, bem como as dificuldades para se aprovar mais estímulos fiscais nos Estados Unidos.

O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em alta de 0,62%, em 362,50 pontos, com baixa de 1,36% na semana.

No noticiário corporativo, o balanço do Barclays veio acima das previsões e a ação da companhia subiu 6,96% em Londres.

Outros bancos também se saíram bem, com Deutsche Bank em alta de 2,05% e Commerzbank, de 3,11%, em Frankfurt, BPM subindo 2,00% em Milão, Santander em alta de 3,35% em Madri e Société Générale, de 1,93% em Paris.

Na agenda de indicadores, os sinais foram mistos. O índice de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) composto da zona do euro caiu de 50,4 em setembro a 49,4 em outubro, na mínima em quatro meses e novamente apontando contração da atividade, mas o PMI da indústria teve uma alta inesperada a 54,4, na leitura preliminar da IHS Markit.

Após o dado, o Morgan Stanley cortou projeção para a economia da zona do euro no quarto trimestre, esperando agora contração de 0,1% (de alta de 1,3% antes prevista).

No Reino Unido, o PMI composto recuou a 52,9 em outubro, abaixo da expectativa. Já as vendas no varejo avançaram 1,5% em setembro ante agosto, acima da previsão de alta de 0,5%.

Na Alemanha, o PMI composto recuou a 54,4 em outubro, porém a indústria apareceu como surpresa positiva. Analistas também têm destacado a segunda onda da covid-19, que deve prejudicar a atividade e ainda influencia negativamente a confiança no continente. Nos EUA, a dificuldade de aprovar mais estímulos fiscais atua também como um freio no otimismo global.

Na Bolsa de Londres, o índice FTSE 100 fechou em alta de 1,29%, a 5.860,28 pontos. Na comparação semanal, ele caiu 1,00%. Em Frankfurt, o índice DAX avançou 0,82%, para 12.645,75 pontos, com baixa de 2,04% na semana.

Na Bolsa de Paris, o índice CAC 40 registrou ganho de 1,20%, a 4.909,64 pontos, com recuo de 0,53% na comparação semanal. Em Milão, o índice FTSE MIB fechou com alta de 1,09%, a 19.285,41 pontos, com queda de 0,54% na semana.

Na Bolsa de Madri, o índice IBEX 35 subiu 1,42%, a 6.893,40 pontos. Na comparação semanal, a praça espanhola subiu 0,64%, na contramão da maioria. Em Lisboa, o índice PSI 20 teve ganho de 0,52%, a 4.139,40 pontos, em baixa de 2,10% na comparação semanal.

Bolsas americanas

As bolsas de Nova York fecharam o pregão desta sexta-feira sem direção única, diante da falta de resolução para o impasse fiscal nos Estados Unidos. As negociações entre democratas e republicanos se desenrolaram durante os últimos dias e algumas autoridades chegaram a dizer que um acordo estava próximo, mas a semana termina sem uma definição sobre os estímulos à economia, a dez dias das eleições presidenciais de 3 de novembro.

O Dow Jones recuou 0,10%, a 28.335,57 pontos, o S&P 500 subiu 0,34%, a 3.465,39 pontos, e o Nasdaq avançou 0,37%, a 11.548,28 pontos.

Na comparação semanal, os índices acionários registraram perdas de 0,95%, 0,53% e 1,06%, respectivamente.

“Um projeto de lei de estímulo pré-eleitoral continua improvável”, avaliam analistas do Citigroup.

A presidente da Câmara dos Representantes dos EUA, Nancy Pelosi, voltou a demonstrar otimismo, mas o diretor do Conselho Econômico da Casa Branca, Larry Kudlow, afirmou que as negociações “não estão progredindo rapidamente”.

O secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, que negocia diretamente com a democrata, disse que houve progresso nas tratativas, mas “diferenças significativas” ainda permanecem. Na visão do Citi, as negociações em curso nesta semana podem formar a base para um projeto de lei pós-eleição.

Na quinta à noite, o presidente americano, Donald Trump, e o candidato do Partido Democrata à presidência, Joe Biden, participaram do último debate. Para o banco suíço Julius Baer, o ex-vice de Barack Obama “entrou em apuros” quando questionado sobre a produção de energia, mas o impacto sobre os eleitores “pode ser muito limitado” neste momento da campanha. Biden defendeu a transição para energias limpas e o fim de subsídios do governo ao setor de petróleo.

No noticiário sobre a pandemia de covid-19, a AstraZeneca e a Universidade de Oxford foram autorizadas a retomar os testes de uma vacina experimental nos EUA. No entanto, o número de novos casos de coronavírus continua a aumentar pelo mundo, o que também leva cautela aos mercados.

A divulgação do índice de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) composto dos EUA, entretanto, foi bem recebida no mercado. O indicador subiu de 54,3 em setembro para 55,5 em outubro, maior nível em 20 meses.

As ações da American Express, que divulgou balanço nesta sexta, cederam 3,64%. Os papéis da Intel, que informou resultados corporativos após o fechamento do mercado na quinta, caíram 10,58%. No S&P 500, o subíndice do setor de serviços de comunicação liderou os ganhos (+1,07%) e o de energia foi destaque de perdas (-0,55%).

*Com Estadão Conteúdo

Ganhar dinheiro com Ações pode ser bem mais fácil que parece. Invista pela Easynvest!

Anúncio Patrocinado Black Novermber 2020 Black Novermber 2020

O InvestNews é um canal de conteúdo multiplataforma que oferece a cobertura diária de notícias e análises sobre economia, investimentos, finanças, mercado financeiro, educação financeira, projeções, política monetária e econômica. Tudo o que mexe com o seu dinheiro você encontra aqui, com uma linguagem simples e descomplicada sobre o mundo da economia e dos investimentos.