Siga nossas redes

Finanças

Deutsche Bank lidera lista com 7.720 credores da Americanas; veja principais

A companhia, que tem como acionistas de referência o mesmo trio bilionário de investidores que fundou a 3G Capital, pediu recuperação judicial na semana passada.

Publicado

em

Tempo médio de leitura: 4 minutos

A Americanas (AMER3) divulgou nesta quarta-feira uma lista de 7.720 credores, e dívidas totalizando R$ 41,2 bilhões, com o Deutsche Bank respondendo pela maior exposição à varejista. O banco alemão, que tem US$ 1 bilhão de dólares (o equivalente a R$ 5,2 bilhões) com a varejista, informou que não tem exposição direta de crédito com a companhia. Segundo fontes, o Deutsche atua como agente fiduciário (trustee) de dois títulos de dívida (bonds) que a Americanas emitiu no exterior no segundo semestre.

A companhia, que tem como acionistas de referência o mesmo trio bilionário de investidores que fundou a 3G Capital, pediu recuperação judicial na semana passada, após revelar “inconsistências” contábeis. O movimento levou grandes investidores, como BlackRock e Capital International, a reduzirem suas posições na empresa.

Veja abaixo outros bancos com exposição à varejista:

  • Bradesco: R$ 4,51 bilhões
  • Santander Brasil: R$ 3,65 bilhões
  • BTG Pactual: R$ 3,5 bilhões
  • BV: 3,28 bilhões
  • Itaú Unibanco: R$ 2,73 bilhões
  • Safra: R$ 2,5 bilhões
  • Banco do Brasil: R$ 1,3 bilhão
  • Daycoval: R$ 509 milhões
  • Caixa Econômica Federal: R$ 501 milhões
  • ABC Brasil: R$ 415,6 milhões
  • BNDES: R$ 276 milhões
Exibição de cotações do mercado de ações
Crédito: leungchopan

Em nota, o BV informou a agência Estado que os valores que a Americanas disse dever a ele estão inflados, e que vai reiterar a informação à varejista. Segundo o BV, no último dia 11, quando a Americanas informou um rombo contábil de R$ 20 bilhões, a exposição do BV era de cerca de R$ 206 milhões.

Entende-se que a lista apresentada ainda não deve ser definitiva. Como a empresa não estava preparada para uma recuperação judicial, ainda há informações sendo levantadas.

Americanas deve até à Ame

A Americanas deve R$ 974,8 milhões à fintech do grupo, a Ame Digital, de acordo com dados da lista de credores da recuperação judicial da varejista. O montante é superior ao devido a alguns bancos, como o Daycoval e à Caixa.

A lista não detalha a que tipo de operação se refere o débito com a Ame. A empresa é a fintech do grupo e, além de atuar no chamado “mar aberto”, também é meio de pagamento de operações nos canais da Americanas.

Entre os credores da recuperação judicial, o documento coloca a Ame na classe III, de credores sem garantias reais. É a mesma classe em que estão os bancos, que são os maiores credores da companhia.

Na véspera, o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro suspendeu o bloqueio de cerca de R$ 1,2 bilhão da Americanas em poder do BTG Pactual, que havia sido obtido via mandado de segurança impetrado pelo banco de investimentos.

O BTG entrara na Justiça contra decisão que, entre outras matérias, concedia à varejista o direito de reaver valores compensados por credores no âmbito de decisão judicial de 13 de janeiro.

A Americanas também conseguiu decisão favorável contra “arresto/sequestro dos valores reclamados pela companhia e que tinham sido bloqueados pelos Bancos Safra e Votorantim”. O dinheiro bloqueado voltará a ser de propriedade da companhia, no entanto, deverá ser mantido em depósito judicial.

Na véspera, Itaú Unibanco e Bradesco rejeitaram alegações de que os bancos têm responsabilidade na situação da Americanas.

As ações da Americanas subiam 30% na máxima do dia na bolsa paulista nesta quarta-feira. Antes do anúncio sobre a descoberta dos problemas contábeis, o papel valia R$ 12.

Mais cedo nesta quarta-feira, a Americanas divulgou que a BlackRock, maior gestora de recursos do mundo, reduziu sua participação na empresa para cerca de 0,12% das ações, mais 0,36% via instrumentos de derivativos. Em dezembro, segundo dados no site da Americanas, essa fatia era ao redor de 5,05%.

No começo da semana, a Capital International Investors (CII) comunicou a companhia sobre a redução de sua participação acionária na varejista de 7,04% para 4,07%.

Com Reuters e agência Estado

Veja também

ANÚNCIO PATROCINADO Confira

Abra sua conta! É Grátis

Já comecei o meu cadastro e quero continuar.