Siga nossas redes

Finanças

Ofertas de ações estão com tudo. Vale a pena entrar nessa?

Nas próximas semanas, quatro companhias devem estrear suas ações na B3; veja os cuidados antes de comprar estes papéis.

Publicado

em

IPO

Ao que tudo indica, 2020 deve ser um ano movimentado em ofertas de ações na Bolsa brasileira. Nem terminou janeiro e a fila de empresas interessadas em emitir papéis – tanto as já listadas quanto as que querem abrir capital – vem crescendo. 

LEIA MAIS: As melhores oportunidades para investir em 2020

Nas próximas semanas, quatro companhias devem estrear suas ações na B3, o chamado IPO (em português, Oferta Pública Inicial de Ações). A construtora Mitre Realty e a empresa de hospedagem de sites Locaweb devem fazer isso já no começo de fevereiro.


Mais para frente, são esperados os IPOs da construtora Moura Dubeux e da empresa de serviços industriais Priner. Sem contar a abertura de capital da Caixa Seguridade, uma das mais aguardadas pelos investidores e que, segundo o banco, está próxima de acontecer.

É um bom começo de ano, se comparado a todas as cinco aberturas de capital na B3 ao longo de 2019: Centauro (CNTO3), Neoenergia (NEOE3), Vivara (VIVA3), BMG (BMGB4) e C&A (CEAB3). Nos últimos anos, uma leva de empresas brasileiras esnobou a B3 e preferiu a bolsa de Nova York. Seguiram esse caminho a Stone (STNE), a PagSeguro (PAGS), a Arco Educação (ARCE), a Afya (AFYA) e a XP (XP). 

Outro mercado bastante aquecido é o de ofertas subsequentes (follow-ons). Nele, empresas que já têm ações na bolsa emitem novos papéis, seja para levantar recursos para seu caixa (oferta primária), seja para vender a fatia de um dos sócios (oferta secundária).

Após o follow-on da Minerva (BEEF3) ter levantado R$ 1,4 bilhão, esta semana saem as ofertas do grupo de educação Ânima (ANIM3) e do grupo Positivo (POSI3). Mas a operação mais aguardada pelo mercado é a venda das ações que o BNDES detém na Petrobras no começo de fevereiro. Estima-se que a oferta vai levantar R$ 23,5 bilhões.

Para 2020, a previsão é de um volume recorde de R$ 120 bilhões em ofertas iniciais e follow-ons, segundo informação do “Estadão”. No ano passado, as emissões alcançaram R$ 90 bilhões, já o maior valor para um ano fechado.

Quando vale entrar em ofertas de ações?

Consultada pelo InvestNews, a economista e especialista em investimentos Glenda Ferreira listou algumas dicas para o investidor que pretende participar de uma oferta de ações. Segundo ela, é preciso primeiro se informar sobre os detalhes da operação e, claro, sobre a empresa que vai emitir as ações. Afinal, a ideia é tornar-se um sócio de parte da companhia.

1 – Se for um follow-on:

Pergunte: para onde vão os recursos? 

  • Se vão para o caixa da empresa (oferta primária), pode significar que a intenção é quitar dívidas ou fazer novos investimentos. “Se é só para pagar dívida, não é bom. Afinal, você quer que a empresa cresça e faça melhorias”, diz Glenda. Se é para investir, é relevante saber que tipos de investimentos são esses e se eles farão a empresa crescer.
  • Se vão para o sócio vendedor (oferta secundária), é importante entender o motivo da saída deste sócio. “Quem sai se a empresa está indo bem?”, afirma ela. Também pode acontecer se o sócio ser o governo, o que pode ser um sinal de que a empresa poderá ser mudar o foco de sua gestão, por exemplo. “O controlador não tem motivo para vender uma empresa que está barata. Se ele conhecer bem a companhia e está lá h[a muitos anos, pode não fazer sentido comprar”, diz Fernando Camargo Luiz, sócio fundador da Trópico Investimentos.

Se for um IPO (oferta inicial):

Pergunte: o preço é justo?

  • Para a empresa que quer abrir seu capital, vale o mesmo questionamento que nos follow-ons, mas com um cuidado ainda maior: o que ela pretende fazer com os recursos? “Investir em IPO nunca foi fácil e nunca vai ser”, diz Fernando Camargo Luiz, sócio fundador da Trópico Investimentos. Segundo ele, o primeiro passo é entender a relação entre o preço e o valor da ação ofertada: saber quanto desse preço considera o crescimento futuro da empresa e quanto a empresa já produz de valor hoje.

Pergunte: como está a empresa?

  • Segundo a economista Glenda, também é fundamental ter um olhar cético e bem criterioso aos números. “Os coordenadores da oferta e a empresa vão querer mostrar suas melhores características ao público e até tentar ocultar uma coisa ou outra que possa não estar em seu melhor momento”, diz. Além disso, é importante saber como os concorrentes dessa empresa estão posicionados no mercado e se o que foi apresentado no prospecto da oferta faz sentido.

Seja sócio das melhores empresas da bolsa: Abra uma conta na easynvest.

O InvestNews é um canal de conteúdo multiplataforma que oferece a cobertura diária de notícias e análises sobre economia, investimentos, finanças, mercado financeiro, educação financeira, projeções, política monetária e econômica. Tudo o que mexe com o seu dinheiro você encontra aqui, com uma linguagem simples e descomplicada sobre o mundo da economia e dos investimentos.