Siga nossas redes

Finanças

Pão de Açúcar despenca em dia de distribuição de ações do Éxito

Papel chegou a despencar 25% nesta manhã; analistas recomendam cautela.

Publicado

em

Tempo médio de leitura: 3 minutos

A ação do Pão de Açúcar (PCAR3) operou e fechou em forte queda nesta quarta-feira (23), tendo como pano de fundo ajustes relacionados à cisão do Éxito. O papel encerrou o pregão com perda de 19,39%, a R$ 6,56.

Unidade da rede de supermercados Pão de Açúcar, em São Paulo. (Foto: Karina Trevizan)

Ygor Araujo, analista da Genial Investimentos, atribui a volatilidade à distribuição da companhia para seus acionistas das ações que possui no Éxito. Ele explica que, depois da operação, a varejista colombiana passará a ter um free-float de 53%, contra 3,5% anteriormente.

“O pregão de hoje deve trazer volatilidade a ação do GPA em níveis semelhantes ao visto no evento de cisão entre Assaí (ASAI3) e Pão de Açúcar. Mantemos a recomendação de compra e estamos colocando o preço-alvo sob revisão” 

Ygor Araujo, analista da Genial Investimentos

Já os analistas da Levante destacam que “essas ações representam aproximadamente 83% da participação do GPA no capital social do Éxito (de aproximadamente 96%) e, se tudo correr conforme esperado, o spinoff deve gerar um valor expressivo para os acionistas”.

“O principal fator que deve gerar esse destravamento de valor está relacionado à correta precificação dos ativos após a segregação das operações, visto que o mercado hoje atribui praticamente zero de valor ao Éxito, que é listado na bolsa de valores de Bogotá com valor de mercado de R$ 6,7 bilhões (valor não muito confiável, dada a baixa liquidez do ativo), enquanto o GPA está avaliado em R$ 5,3 bilhões na B3.”

A Levante avalia que os últimos números divulgados pelo Pão de Açúcar, referentes ao 2º trimestre de 2023, mostram “sólido crescimento da bandeira Pão de Açúcar em relação ao mesmo período do ano anterior”, mas ainda assim há pontos de atenção.

“Apesar dos sinais de melhora, não esperamos que a varejista retome os níveis de margem bruta próximos ao observado no segundo trimestre de 2022, que foi de 26,6%, tão cedo.”

Levante, em relatório

“É importante ressaltar que mudanças estratégicas e reajustes podem levar tempo para se refletirem totalmente nos resultados financeiros, especialmente em um cenário competitivo e dinâmico. A recuperação do formato premium e a melhoria da margem bruta são metas desafiadoras, e a empresa deve continuar focada na implementação dos pilares estratégicos e na busca de eficiência operacional para alcançar esses objetivos”, diz a casa em relatório.

Veja também

Este conteúdo é de cunho jornalístico e informativo e não deve ser considerado como oferta, recomendação ou orientação de compra ou venda de ativos.

ANÚNCIO PATROCINADO Confira

Abra sua conta! É Grátis

Já comecei o meu cadastro e quero continuar.