Siga nossas redes

Geral

5 fatos para hoje: ataque hacker ao Tesouro; programa de liderança feminina

O ataque foi identificado na noite de sexta-feira; consequências estão sendo avaliadas.

Publicado

em

provacidade-hacker-digital

1- Tesouro sofre ataque de hacker

Em um momento que cresce a preocupação com a segurança cibernética e a proteção de dados pessoais, a Secretaria do Tesouro Nacional sofreu um ataque de hackers. O Tesouro é o órgão do Ministério da Economia que cuida da administração financeira e da contabilidade do governo federal e é responsável pelas emissões soberanas e pelas operações dos títulos de dívida pública do país, como as do Tesouro Direto.

O ataque foi identificado na noite de sexta-feira (13) e, de acordo com o ministério, medidas de contenção foram aplicadas e a Polícia Federal acionada. Inicialmente, as consequências da ação estão sendo avaliadas pelos especialistas de segurança do próprio Tesouro e da Secretaria de Governo Digital.

“Nesta primeira etapa, avaliou-se que a ação não gerou danos aos sistemas estruturantes da Secretaria do Tesouro Nacional, como o Sistema Integrado de Administração Financeira (Siafi) e os relacionados à Dívida Pública. As medidas saneadoras estão sendo tomadas”, afirmou a pasta por meio de nota. Segundo o ministério, novas informações sobre o episódio serão divulgadas quando estiverem disponíveis.

O ataque na rede interna da secretaria foi identificado como “ransomware”, ou seja, quando há bloqueio a partir da inserção de código, programa ou software nocivo que restringe o acesso ao sistema infectado. Nestes casos, geralmente é solicitado o pagamento de um resgate para que o acesso seja restabelecido. O pagamento quase sempre é cobrado por meio de criptomoedas, que são recursos financeiros digitais anônimos.

Já há um projeto no Congresso que pretende regulamentar esses ativos. Reguladores e supervisores em todo o mundo rejeitam as criptomoedas como um ativo confiável e manifestam preocupações relacionadas ao anonimato, algo que facilita a lavagem de dinheiro, o financiamento ao terrorismo e ações como a executada contra o Tesouro.

2- Preço da cesta básica quase empata com salário mínimo

O galope da inflação nos últimos meses tornou cada vez mais difícil o sustento básico da população mais pobre. Em julho, o valor da cesta básica na capital paulista para uma família de quatro pessoas quase empatou com o salário mínimo. O quadro é preocupante porque a cesta básica inclui gastos apenas para compra de 39 produtos, entre alimentos e itens de higiene pessoal e limpeza doméstica. Ficam de fora itens tão importantes quanto a alimentação, como despesas com moradia, transporte e medicamentos, por exemplo.

Levantamento mensal feito pelo Núcleo de Inteligência e Pesquisas do Procon-SP em convênio com o Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese) mostra que em julho o custo da cesta básica paulistana chegou a R$ 1.064,79. A alta foi de 0,44% em relação a junho, de 5,65% no ano e de 22,18% em 12 meses. Em 12 meses até julho, a inflação oficial medida pelo IPCA avançou 8,99%.

No entanto, o que mais chama a atenção na pesquisa é que o valor da cesta de julho quase encostou no salário mínimo de R$ 1,1 mil. A diferença de R$ 35,21 entre o custo da cesta básica e do salário mínimo é a menor desde dezembro do ano passado (R$ 37,11). Com o “troco” dá para fazer muito pouco. É insuficiente, por exemplo, para levar para casa um quilo de carne de segunda. No mês passado, a produto era encontrado no varejo paulistano pelo preço mínimo de R$ 36,10.

“O quadro é grave. Estamos chegando ao patamar do ‘elas por elas’, com os gastos com alimentação, higiene e limpeza empatando com o salário mínimo”, afirma Marcus Vinicius Pujol, diretor da Escola de Proteção e Defesa do Consumidor do Procon-SP, responsável pela pesquisa.

Ele diz que o que atenuou a situação foi o auxílio emergencial do governo federal e os programas estaduais de distribuição de renda. Segundo ele, porém, nenhum desses atenuantes reduzem a gravidade da situação, argumenta. Ele ressalta que o desemprego em alta agrava o estrago provocado pelo aumento da inflação.

Essa também é a avaliação do coordenador de índices de preços da Fundação Getúlio Vargas (FGV), André Braz. “O desemprego piora o impacto da inflação no orçamento”, afirma. Uma coisa, diz ele, é ter dinheiro e os produtos e serviços irem ficando mais caros. “As famílias vão dando um jeito, compram menos, trocam de produto.” Outra coisa é quando não se tem dinheiro e os produtos encarecem, argumenta. “Nesse caso, a sensação de que a inflação é muito maior é flagrante, é uma situação de impotência.”

3- Programa estimula liderança feminina na inovação cientifica

A terceira edição do programa Mulheres na Ciência e Inovação, voltado para pesquisadoras do Brasil das áreas de ciência, tecnologia, engenharias e matemática, tem inscrições abertas até o dia 22 deste mês no site do Museu do Amanhã.

Resultado de parceria entre o Museu do Amanhã e o Conselho Britânico, o programa é gratuito. O objetivo é fortalecer a liderança feminina na inovação de base científica e tecnológica. A formação consiste em sete encontros online, com foco em temas relacionados à inovação, ao empreendedorismo, gênero e à ciência.

O projeto será realizado entre os meses de setembro e outubro. Podem participar mulheres que estejam cursando pelo menos a graduação, que tenham uma proposta de produto ou ideia inovadora de base científica ou tecnológica e que desejam empreender. Será dada prioridade a inovações voltadas, em especial, para o benefício feminino.

O curso oferece 200 vagas, com reserva para pesquisadoras negras, indígenas, quilombolas e LGBTQIA+.

4- Frente Parlamentar apoia investimento externo

A preocupação em torno do recebimento de recursos de outros países fez surgir uma nova frente parlamentar no Congresso Nacional. Lançada oficialmente nesta semana, a Frente Parlamentar em Apoio aos Investimentos Estrangeiros para o Brasil pretende apresentar projetos específicos e fazer andar propostas já em tramitação para mudar o ambiente de negócios e tornar o país mais atrativo ao capital estrangeiro.

“Hoje há muitos recursos no mundo para investir, mas não há ambiente no Brasil que garanta este investimento”, afirmou ao Estadão/Broadcast o senador Izalci Lucas (PSDB-DF), autor da proposta de criação da frente, apelidada de “Investe Brasil”.

Segundo o senador, a frente pretende focar determinados assuntos de forma suprapartidária, como a desburocratização, a simplificação de processos e a reforma tributária. A intenção é abrir um diálogo com a sociedade civil, com empresários e com Estados e municípios, para melhorar o ambiente de negócios.

“Hoje, o investidor, quando vem ao Brasil, fica maluco. Cada Estado tem uma tributação, um ICMS”, pontuou o senador, ao falar sobre um dos principais desafios a serem enfrentados. “Queremos trabalhar em conjunto com o BNDES, a Apex e o próprio parlamento.”

O lançamento oficial da frente, em Brasília, contou com a presença de parlamentares já tradicionalmente ligados a questões econômicas, como os senadores Antonio Anastasia (PSD-MG) e Wellington Fagundes (PL-MT), mas também com 30 embaixadores e empresários de outros países, entre árabes, chineses e europeus, além do ministro de Relações Exteriores, Carlos França.

5- Desmatamento recua na Amazônia, mas segue alto sob Bolsonaro

 O desmatamento na floresta amazônica caiu 10% em julho na comparação com o ano anterior depois de quatro aumentos mensais consecutivos, mostraram dados preliminares nesta sexta-feira, mas a destruição continua muito mais alta do que antes de o presidente Jair Bolsonaro tomar posse.

A parcela de floresta desmatada totalizou 1.498 quilômetros quadrados no mês de julho, de acordo com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

Entre janeiro e julho, o desmatamento da Amazônia aumentou 7,8% na comparação com um ano atrás, atingindo 5.108 quilômetros quadrados, revelaram dados do Inpe.

No ano passado, o desmatamento atingiu uma alta de 12 anos sob as vistas de Bolsonaro, que enfraquece a vigilância ambiental e defende a mineração e agricultura comercial em áreas protegidas da floresta tropical.

As cifras mais recentes do Inpe cobrem o período de registros anuais de desmatamento no Brasil, medidos entre agosto de 2020 e julho de 2021 para minimizar a interferência da cobertura de nuvens.

Nos 12 meses transcorridos até julho, os dados preliminares indicam uma redução de 4,6% no desmatamento. Cientistas dizem que uma redução nos números preliminares geralmente significa que haverá uma redução na medição final mais precisa conhecida como Prodes.

A Amazônia é considerada um anteparo vital contra a mudança climática, e sua destruição é a principal fonte das emissões de gases de efeito estufa do Brasil.

(*Com informações de Reuters, Estadão Conteúdo e Agência Brasil)

Veja também

Investir é mais fácil do que você imagina. Aqui tem o investimento ideal para o seu perfil. Vem pro Nu invest!

Anúncio Patrocinado Invista em Ações com TAXA ZERO de corretagem! Invista em Ações com TAXA ZERO de corretagem!