Siga nossas redes

Negócios

Mineradoras têm maior corte de dividendos no 2º tri; alerta para Vale?

Relatório mostra que setor de mineração foi o que mais contribuiu de forma negativa nos proventos totais pagos no período.

Publicado

em

Tempo médio de leitura: 3 minutos

Os dividendos globais renovaram o recorde no segundo trimestre deste ano, totalizando US$ 568,1 bilhões, de acordo com a última edição do Índice Global de Dividendos da Janus Henderson. Os bancos, europeus principalmente, foram os principais responsáveis pela metade do aumento total de quase 5%, em base nominal.

Já o setor de mineração foi, de longe, o que mais contribuiu de forma negativa nos proventos totais pagos no período, cortando em US$ 6,9 bilhões, para US$ 15,4 bilhões. Ou seja, a remuneração aos acionistas ao final de junho de 2023 poderia ter sido ainda maior, não fosse o corte de 30,6% nos pagamentos nominais das mineradoras. 

Minério de ferro no porto de Zhoushan, China 09/05/2019 REUTERS/Stringer

“Os grandes cortes nos dividendos de mineração que vínhamos prevendo desde o ano passado tiveram um impacto significativo [nos pagamentos totais das empresas no segundo trimestre deste ano]”, comentou a Janus Henderson ao InvestNews

Sinal de alerta para Vale?

Ainda assim, a Vale (VALE3) ficou de fora dessa conta, já que não distribuiu dividendos no trimestre passado. Seria, então, um presságio para os acionistas da mineradora brasileira? 

Não necessariamente. Afinal, a Rio Tinto figurou na lista dos 20 maiores pagadores de dividendos do mundo no segundo trimestre deste ano, ocupando o 12º lugar. Porém, a mineradora anglo-australiana promoveu um corte discricionário (“steep cut”) nos dividendos, uma vez que no mesmo período de 2022 figurou no Top 3 de pagadores globais.

Em números, a mineradora passou de pagamentos de US$ 8,3 bilhões no segundo trimestre do ano passado para quase metade desse valor um ano depois. Confira:

Maiores pagadores de dividendos do mundo (em US$ bi):

Ranking2T222T23
1PetrobrasNestlé
2NestléHSBC
3Rio TintoMercedes-Benz
4China MobileChina Mobile
5Mercedes-BenzBayerische Motoren
6BNP ParibasBNP Paribas
7EcopetrolMicrosoft
8AllianzAllianz
9MicrosoftSanofi
10SanofiAxa
11AvivaToyota
12AxaRio Tinto
13AppleZurich Insurance
14LvmhWoodside Energy
15Exxon MobilLvmh

Peso (e preço) das commodities

Para a Janus Henderson, uma medida melhor para aferir a evolução da remuneração aos acionistas entre as empresas do setor de mineração será o fim do ano. “Os dividendos das mineradoras vêm caindo desde o terceiro trimestre do ano passado por causa dos preços das commodities”, comentou.

Nesse quesito, merece atenção o comportamento divergente na cotação das matérias-primas metálicas. Tanto que na região da América Latina, o destaque no segundo trimestre deste ano ficou com o corte nos dividendos pagos pela mineradora Grupo México, terceira maior produtora de cobre do mundo. 

Já a mineradora australiana BHP foi a maior pagadora de dividendos do mundo em 2022, “graças em parte aos fortes preços do carvão”, lembra a gestora de fundos globais. A ver, então, o que vem por aí para a Vale, maior produtora mundial de minério de ferro e níquel.

No entanto, olhando no retrospecto, a Petrobras (PETR3; PETR4), que havia encerrado o segundo trimestre de 2022 como maior pagadora de dividendos do mundo, fechando o ano passado na vice-liderança, promoveu agora o maior corte de dividendos global, de quase 65%, no valor de US$ 6,3 bilhões, justamente devido ao preço mais baixo do petróleo.  

Veja também

Este conteúdo é de cunho jornalístico e informativo e não deve ser considerado como oferta, recomendação ou orientação de compra ou venda de ativos.

ANÚNCIO PATROCINADO Confira

Abra sua conta! É Grátis

Já comecei o meu cadastro e quero continuar.