Siga nossas redes

Coluna do Samy

Vale a pena investir contra o mercado?

Entenda qual é a tática de ir contra as tendências.

Publicado

em

por

Digital graph with businessman hand overlay | Freepik

Investidores adoram seguir a manada. Ou, como apontam os defensores de uma expressão mais bem acabada, a tendência. “Não brigar com o mercado”, ou seja, seguir aonde todo mundo está indo, na alta e na baixa, parece mesmo o mais lógico a fazer. E muitas  vezes dá resultado. Mas daria mais certo fazer o contrário do que quase todo mundo está fazendo na hora de investir?

É como operam investidores para quem as multidões estão quase sempre erradas e os mercados são tudo, menos eficientes. Compre ao som de canhões e venda ao som de violinos, diz a famosa frase atribuída ao barão Nathan Rothschild, importante financista do início do século XIX. Ou seja, o início de uma guerra, mesmo que você seja uma vítima, é uma ótima hora para comprar ações. No final, com a perspectiva da paz, vai pagar mais caro.

Rothschild seguiu o exemplo no que diz respeito aos canhões, ganhando uma fortuna comprando papéis na baixa do mercado britânico, temeroso da vitória da França, durante a batalha de Waterloo, que selou a derrota de Napoleão. Vale para quem comprou papéis no pior momento da pandemia. Se naquele ponto o Ibovespa caía mais de 40% no ano, desde aquele 20 de março de 2020, subiu mais do que o dobro, 86%.

Quando todos estão vendendo ações de uma indústria, o contrário está comprando. Períodos de alta são bons para vendas. A estratégia parte da ideia de que as massas, nos momentos de euforia ou de medo, agem por impulso. Fazem operações demais e são impacientes com os retornos. Um comportamento que impede os mercados financeiros de serem realmente eficientes, como acredita a famosa teoria dos livros de economia.

Como antídoto para os grandes movimentos no curto prazo, são pacientes. O retorno vem com o tempo. Warren Buffet, que dispensa apresentações, e Michael Burry, famoso por ser retratado no filme “A grande aposta”, são conhecidos por lucrar muito comprando pechinchas. Mas na média mesmo pequenos investidores apostando contra a corrente, segundo o importante estudo de C. Thomas Howard sobre a psicologia dos investidores.

As informações podem estar realmente nos preços, como diz a teoria. Mas o investidor, segundo Howard, um dos pioneiros do estudo no campo, em geral decide comprar ou vender mais baseado em atalhos mentais, inconsistências e reações a eventos inesperados do que na razão. Multidões costumam ser irracionais, gerando distorções no mercado. O antídoto? Paciência.

Contrários usam estratégias de longo prazo. Geralmente, segundo o estudo, contam com uma margem financeira para não se angustiar com o stress de momento. Mas não deixam de sofrer. É difícil estar de fora nos períodos de alta, quando todos estão lucrando. Tampouco é fácil a espera pelo momento da virada, quando os ativos passam a ser avaliados pelo mercado por um valor mais justo. 

Pode dar certo no fim, mas exige dedicação.

Veja também

Este conteúdo é de cunho jornalístico e informativo e não deve ser considerado como oferta, recomendação ou orientação de compra ou venda de ativos.

Compre Ações em apenas 3 cliques e aproveite taxa ZERO de corretagem! Invista já

Anúncio Patrocinado Invista em Ações com TAXA ZERO de corretagem! Invista em Ações com TAXA ZERO de corretagem!