Siga nossas redes

Criptonews

Real Digital: BC anuncia 14 instituições para teste do piloto

Entre os projetos selecionados, grandes bancos do mercado financeiro predominam.

Publicado

em

Tempo médio de leitura: 4 minutos

*ARTIGO

O Banco Central do Brasil (BC) anunciou na última quarta-feira (24) a seleção de 14 instituições para participar do piloto do Real Digital, a tão aguardada moeda digital brasileira. 

A autoridade recebeu 36 propostas de interesse na participação no “Piloto RD”, entre candidaturas individuais e consórcios de entidades, totalizando mais de 100 instituições de diversos segmentos financeiros.

Com o objetivo de testar e aprimorar a tecnologia por trás do Real Digital, os projetos selecionados terão a oportunidade de simular transações de emissão, negociação, transferência e resgate da moeda digital. 

Dentre as instituições escolhidas, estão bancos regulados, instituições de pagamento, cooperativas, empresas de criptoativos e operadores de infraestrutura do mercado financeiro — diversidade que reflete o compromisso do BC em envolver diferentes atores do sistema financeiro nesse processo de inovação.

Segundo comunicado oficial, o BC iniciará a incorporação dos participantes à plataforma do Piloto do Real Digital até meados de junho de 2023.

Com essa iniciativa, o Brasil se coloca na vanguarda da revolução das moedas digitais emitidas pelos bancos centrais (CBDCs), representando um importante passo rumo à digitalização da economia e à promoção de transações mais rápidas, seguras e eficientes.

As 14 instituições selecionadas

Com base nos critérios estabelecidos no Regulamento do Piloto RD, as 14 instituições foram escolhidas por sua expertise e capacidade de contribuir para o desenvolvimento e testes do Real Digital, sendo elas:

  1. Bradesco;
  2. Nubank;
  3. Banco Inter, Microsoft e 7Comm
  4. Santander, Santander Asset Management, F1RST e Toro CTVM
  5. Itaú Unibanco:
  6. Basa, TecBan, Pinbank, Dinamo, Cresol, Banco Arbi, Ntokens, Clear Sale, Foxbit, CPqD, AWS e Parfin:
  7. SFCoop: Ailos, Cresol, Sicoob, Sicredi e Unicred;
  8. XP, Visa;
  9. Banco BV;
  10.  Banco BTG;
  11.  Banco ABC, Hamsa, LoopiPay;
  12.  Banco B3, B3 e B3 Digitas;
  13.  ABBC: banco Brasileiro de Crédito, Ribeirão Preto, Original, ABC, BS2 e Seguro; ABBC, BBChain, Microsoft e BIP;
  14.  Banco do Brasil

A seleção inicial tem representantes de instituições financeiras dos segmentos prudenciais S1 a S4, sendo que elas já possuem um histórico de inovação e estão envolvidas com tecnologias emergentes, como blockchain e criptoativos. 

Com a participação dessas instituições, o BC busca aproveitar a experiência e conhecimento de cada uma delas para garantir um piloto sólido e abrangente. Com isso, a autarquia visa fortalecer ainda mais a credibilidade e confiança na iniciativa.

Testando a tecnologia

A implementação de um caso de uso específico — um protocolo de entrega contra pagamento (DvP) de título público federal entre clientes de várias instituições, além dos serviços associados a essa transação — será o meio pelo qual a programabilidade e a privacidade do piloto RD serão testadas nesta fase. 

Testar esses atributos da infraestrutura é fundamental para identificar possíveis desafios e aprimorar a eficiência do Real Digital, que usará da plataforma Hyperledger Besu, robusta tecnologia baseada no ecossistema da rede ethereum (ETH), para seus testes.

Quanto à privacidade, o BC relata estar comprometido em garantir a proteção dos dados dos usuários e a confidencialidade das transações realizadas. Dessa maneira, serão realizados testes rigorosos para avaliar a privacidade das informações no sistema.

Do piloto à realidade

Com a digitalização financeira em ascensão, espera-se maior agilidade e segurança nas transações, impulsionando a confiança e a credibilidade em todo mercado. Isso porque a transparência e rastreabilidade da tecnologia blockchain contribuem para garantir um ambiente confiável para as operações financeiras.

Previsto para o fim de 2024, o Real Digital tem enorme potencial de gerar uma revolução completa na economia brasileira e fazer jus ao posicionamento que alguns especialistas dão ao Brasil como um dos países mais inovadores do mundo. 

A integração do Real Digital com contratos inteligentes (smart contracts) também amplia as oportunidades de automatização e eficiência nas operações, abrindo caminho para novas aplicações. Programas de fidelidade e cashback, por exemplo, têm potencial para se expandir, oferecendo benefícios mais abrangentes e convenientes para consumidores.

Com essa iniciativa, o Brasil se posiciona na vanguarda da inovação financeira, abrindo caminho para uma economia mais eficiente e inclusiva.

Mayara é co-autora do livro “Trends – Mkt na Era Digital”, publicado pela editora Gente. Multidisciplinar, apaixonada por tecnologia, inovação, negócios e comportamento humano.

*As informações, análises e opiniões contidas neste artigo são de inteira responsabilidade do autor e não do InvestNews.

Veja também

ANÚNCIO PATROCINADO Confira

Abra sua conta! É Grátis

Já comecei o meu cadastro e quero continuar.