Siga nossas redes

Economia

5 fatos hoje: lucro da Caixa cai e varejistas ganham crédito tributário

Senado aprova projeto que impede despejos até 30 de outubro

Publicado

em

por

Katherine Rivas
Caixa Econômica Federal
Fachada do prédio da Caixa Econômica Federal (CEF). Foto: Pillar Pedreira/Agência Senado

1 – Projeto que proíbe despejos é aprovado

O Senado aprovou projeto que proíbe as ações de despejo de inquilinos durante o período de pandemia do novo coronavírus. O texto segue para sanção do presidente Jair Bolsonaro. A proposta abrange decisões liminares da Justiça, de caráter provisório, concedidas entre 20 de março e 30 de outubro. (estado de calamidade).

O principal motivo de despejo era a falta de pagamento do aluguel, se o projeto for aprovado isso não poderá ocorrer mesmo com contrato assinado. Atualmente, a desocupação é permitida, dentro de 15 dias, em caso de demissão ou extinção do contrato de trabalho quando o aluguel do imóvel é vinculado ao emprego. Ou se o sublocatário permanecer no imóvel após a extinção do contrato; ou a partir da saída de algum fiador, caso o locatário não apresentar nova garantia dentro de 30 dias. E também quando o prazo do contrato para imóveis não residenciais (comércios, lojas) encerra.

Já as regras dos contratos em que o imóvel seria retomado pelo dono em até 30 dias podem ser aplicadas no caso de não pagamento do aluguel, cujo contrato não possua nenhuma das seguintes garantias: caução, fiança, seguro de fiança e uso de fundos de investimento como garantia do pagamento.

2 Caixa bloqueia transferência de auxílio

Contrariando a lei do auxílio emergencial de R$ 600, a Caixa vai impedir cidadãos que recebem o benefício pela poupança digital de fazer a transferência dos recursos da segunda parcela para alguma outra conta por meio de DOC ou TED até o dia 30 de maio.

O presidente da Caixa, Pedro Guimarães, justificou que a medida foi adotada porque as famílias estavam transferindo o dinheiro para conhecidos e driblando o calendário de saques formulado para evitar aglomerações nas agências. A lei que criou o benefício, porém, garante a operação. O texto diz que é garantida “no mínimo uma transferência eletrônica de valores ao mês sem custos para conta bancária mantida em qualquer instituição financeira habilitada a operar pelo Banco Central”.

Questionada sobre a lei, a Caixa respondeu que as regras seguem o estabelecido pela portaria nº 386 do Ministério da Cidadania, publicada no Diário Oficial da União no dia 15 de maio de 2020. A transferência para outras contas e saques deve ocorrer a partir de 30 de maio, seguindo o mês de aniversário. Até o momento será possível apenas o pagamento de contas, boletos, e compras com cartão de débito virtual.

3 Lojas Americanas vão emitir R$ 500 milhões em debêntures

A varejista Lojas Americanas confirmou na quarta-feira (20) a emissão de R$ 500 milhões em debêntures. Será a 14ª emissão de debêntures simples da companhia, não conversíveis em ações, em série única. Serão emitidos 50 mil papéis, no valor de R$ 10 mil cada um. Os recursos captados devem ser utilizados para fortalecer o caixa da companhia.

As debêntures terão prazo de vencimento de três anos, a contar da data de emissão. Sobre o valor nominal unitário dos papéis, incidirão juros de 100% da taxa DI, mais spread de 3% ao ano. “Não será admitida a realização de resgate antecipado facultativo, total ou parcial das debêntures”, afirma a varejista.

4 – Caixa tem lucro líquido recorrente de R$ 3 bi no 1º trimestre

A Caixa Econômica Federal anunciou hoje, lucro líquido recorrente de R$ 3 bilhões no primeiro trimestre do ano, cifra 7,5% inferior em relação ao mesmo intervalo de 2019. Na comparação com os três meses anteriores, porém, houve um crescimento de 21,5%.

Na pandemia, a Caixa conseguiu reverter a trajetória da sua carteira de crédito, que apresentava queda. O saldo de empréstimos do banco teve alta de 2,0% no primeiro trimestre ante um ano, totalizando R$ 699,6 bilhões. No trimestre, o aumento foi de 0,9%.

O banco público informa que disponibilizou mais de R$ 154 bilhões para apoiar a economia em meio à pandemia. Do total, R$ 60 bilhões foram para o capital de giro de micro, pequenas e médias empresas, R$ 43 bilhões para o crédito imobiliário; R$ 40 bilhões para a compra de carteiras, R$ 6 bilhões para o crédito agrícola e R$ 5 bilhões para crédito às Santas Casas.

5 – Créditos tributários de R$ 2 bi injetam ânimo em varejistas

Varejistas brasileiras tiveram uma inesperada injeção de recursos em meio à pandemia de coronavírus. Nos últimos dias, companhias como Hering, Via Varejo e Lojas Renner tiveram reconhecidos créditos tributários de quase R$ 2 bilhões. A compensação financeira mexeu com as ações dessas empresas na B3, e subiram na esteira do fôlego financeiro extra.

A Hering recebeu um crédito de R$ 280 milhões na segunda-feira (18). O resultado animou os investidores no papel da rede de confecções, que enfrentava resultados abaixo do esperado mesmo antes da crise do coronavírus. As ações da Hering chegaram a disparar 11,7% no dia, fechando em alta de 4,55%.

O maior crédito concedido foi para a rede de moda Renner, que conseguiu R$ 1,3 bilhão, enquanto a Via Varejo teve decisão favorável no valor de R$ 374 milhões. No caso da Renner, a decisão judicial deve representar um ganho líquido de R$ 900 milhões, o equivalente a 3% da empresa, de acordo com o Citibank.

O dinheiro não vai diretamente para o caixa das companhias – trata-se, como o nome diz, de crédito com a Receita Federal. As decisões se baseiam no entendimento do Supremo Tribunal Federal (STF) de que o valor devido de ICMS, de cobrança estadual, não pode ser contabilizado com as receitas das empresas para o cálculo dos saldos do PIS e da Cofins, tributos federais.

Faça seu dinheiro trabalhar por você! Invista pela Easynvest

Anúncio Patrocinado Não corra o risco de faltar dinheiro lá na frente. Não corra o risco de faltar dinheiro lá na frente.

O InvestNews é um canal de conteúdo multiplataforma que oferece a cobertura diária de notícias e análises sobre economia, investimentos, finanças, mercado financeiro, educação financeira, projeções, política monetária e econômica. Tudo o que mexe com o seu dinheiro você encontra aqui, com uma linguagem simples e descomplicada sobre o mundo da economia e dos investimentos.