Siga nossas redes

Economia

Economia da China fica sob pressão com desaceleração de indústria e varejo

O crescimento dos setores desacelerou com força e ficou abaixo das expectativas em julho.

Publicado

em

por

Reuters
economia

O crescimento da produção industrial e das vendas no varejo da China desacelerou com força e ficou abaixo das expectativas em julho, uma vez que novos surtos de Covid-19 e enchentes prejudicaram as operações das empresas, ampliando os sinais de que a recuperação econômica está perdendo força.

A produção industrial da segunda maior economia do mundo cresceu 6,4% em julho sobre o mesmo período do ano anterior, mostraram nesta segunda-feira (16) dados da Agência Nacional de Estatísticas. Analistas esperavam aumento de 7,8% depois de a produção ter crescido 8,3% em junho.

As vendas no varejo aumentaram 8,5% em julho sobre o ano anterior, bem abaixo da expectativa de alta de 11,5% e do ganho de 12,1% de junho.

A economia da China se recuperou para seus níveis de crescimento pré-pandemia, mas a expansão está perdendo força conforme as empresas enfrentam custos mais altos e gargalos de oferta.

Novas infecções por Covid-19 em julho também levaram a novas restrições, prejudicando a produção industrial do país já afetada pelo clima rigoroso no verão.

Dados divulgados mais cedo este mês também mostraram que o crescimento das exportações, importante motor da recuperação da China desde as perdas do início de 2020 provocadas pela Covid, desaceleraram inesperadamente em julho.

O consumo, a produção industrial e o investimento podem enfraquecer mais em agosto, disseram em nota analistas do Nomura, devido aos controles da Covid-19 e ao aperto das medidas no setor imobiliário e indústrias altamente poluentes.

Um crescente número de analistas vem reduzindo suas estimativas para a China no terceiro trimestre. O Produto Interno Bruto do país expandiu 7,9% no trimestre entre abril e junho na comparação com o mesmo período do ano anterior.

A ANZ reduziu sua previsão para o PIB de 2021 a 8,3% de 8,8% depois dos dados decepcionantes de julho.

Veja também

Seja sócio das maiores empresas do Brasil com corretagem ZERO! Invista em Ações

Anúncio Patrocinado Invista em Ações com TAXA ZERO de corretagem! Invista em Ações com TAXA ZERO de corretagem!