Siga nossas redes

Finanças

Bolsa sobe e dólar fecha quase estável, de olho em Fed e CPI da Covid

Na máxima do dia, Ibovespa superou os 123 mil pontos, nível que não atingia desde 14 de janeiro.

Publicado

em

Tempo médio de leitura: 4 minutos

bolsa
mercado

O Ibovespa, principal indicador da bolsa brasileira, fechou em alta, enquanto o dólar teve leve queda nesta segunda-feira (17), com o mercado na expectativa da ata da última reunião do Federal Reserve (Fed), em busca de pistas sobre o rumo dos juros nos Estados Unidos. Além disso, investidores seguem de olho nos desdobramentos da CPI da Covid.

O Ibovespa subiu 0,87%, aos 122.938 pontos. Na máxima, superou os 123 mil pontos, nível que não atingia desde 14 de janeiro. O dólar caiu 0,09%, a R$ 5,2657. Veja mais cotações.

Em relatórios a clientes, gestores de recursos citaram nesta manhã a divulgação da ata da última reunião do FOMC, o comitê de política monetária do Fed, banco central dos EUA, que será divulgada na sexta-feira e dará mais detalhes sobre como o órgão encara o cenário de crescimento e inflação.

Os agentes também seguem de olho em números globais da contaminação pela covid, especialmente na Ásia, e seus possíveis desdobramentos para a retomada da economia, como pontuou a equipe de pesquisa econômica do Bradesco nesta manhã.

Números mais fracos sobre a economia da China também estavam no radar. Nesta segunda, dados mostraram que o crescimento da produção nas fábricas no país desacelerou em abril e as vendas no varejo ficaram bem abaixo das expectativas, enquanto autoridades alertaram para novos problemas que afetam a recuperação da segunda maior economia do mundo.

No plano doméstico, o foco é na política, com depoimentos esperados na CPI da Covid-19 dos ex-ministros Ernesto Araújo (Relações Exteriores) e Eduardo Pazuello (Saúde).

“O mercado está no processo de digestão de todos balanços e em breve a pauta irá virar novamente para a política e o cenário macro estrutural no Brasil”, disse João Beck, sócio da BRA.

Destaques da bolsa

BRASKEM (BRKM5) subiu 3,15%. A petroquímica anunciou na noite de sexta-feira plano de vender quase um milhão de ações que estão na tesouraria.

VALE (VALE3) teve valorização de 2,62%, acompanhada pelo setor siderúrgico, em dia de alta da cotação do minério de ferro na China. USIMINAS (USIM5) subiu 1,58%, GERDAU (GGBR4) ganhou 3,48% e CSN (CSNA3) teve elevação de 3%.

PETROBRAS ganhou 1,17% na ação ordinária (PETR3) e 1,45% na preferencial (PETR4) seguia em alta após a forte valorização de sexta-feira pós-balanço do primeiro trimestre, apoiada também na alta dos preços globais do petróleo.

CEMIG (CMIG4) teve alta de 1,81%, após a elétrica estatal mineira ter divulgado na sexta-feira à noite que teve lucro líquido de R$ 422,35 milhões no primeiro trimestre, ante prejuízo de R$ 68,1 milhões um ano antes.

Na estreia no pregão após IPOs, a plataforma digital de profissionais autônomos GETNINJAS (NINJ3) recuou 3,75%.

Bolsas internacionais

Os mercados acionários em Wall Street encerraram em baixa nesta segunda-feira, pressionados pelas ações de tecnologia, conforme sinais de inflação crescente alimentaram preocupações de investidores com uma potencial política monetária mais restritiva.

  • O índice Dow Jones caiu 0,16%, a 34.328 pontos
  • S&P 500 perdeu 0,253004%, a 4.163 pontos
  • O índice de tecnologia Nasdaq recuou 0,38%, a 13.379 pontos.

As bolsas europeias fecharam estáveis, já que dados chineses desanimadores e um ressurgimento de casos de covid-19 em alguns países asiáticos superaram o otimismo sobre a reabertura da economia britânica.

  • Em LONDRES, o índice Financial Times recuou 0,15%, a 7.032 pontos.
  • Em FRANKFURT, o índice DAX caiu 0,13%, a 15.396 pontos.
  • Em PARIS, o índice CAC-40 perdeu 0,28%, a 6.367 pontos.
  • Em MILÃO, o índice Ftse/Mib teve valorização de 0,39%, a 24.862 pontos.
  • Em MADRI, o índice Ibex-35 registrou alta de 0,11%, a 9.155 pontos.
  • Em LISBOA, o índice PSI20 valorizou-se 0,89%, a 5.241 pontos.

As ações da China fecharam em uma máxima em mais de dois meses nesta segunda, com os ganhos nas ações de consumo e saúde superando preocupações com dados econômicos fracos do país.

  • Em TÓQUIO, o índice Nikkei recuou 0,92%, a 27.824 pontos.
  • Em HONG KONG, o índice HANG SENG subiu 0,59%, a 28.194 pontos.
  • Em XANGAI, o índice SSEC ganhou 0,78%, a 3.517 pontos.
  • O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em XANGAI e SHENZHEN, avançou 1,46%, a 5.184 pontos.
  • Em SEUL, o índice KOSPI teve desvalorização de 0,60%, a 3.134 pontos.
  • Em TAIWAN, o índice TAIEX registrou baixa de 2,99%, a 15.353 pontos.
  • Em CINGAPURA, o índice STRAITS TIMES valorizou-se 0,81%, a 3.079 pontos.
  • Em SYDNEY o índice S&P/ASX 200 avançou 0,13%, a 7.023 pontos.

(*Com Reuters)

ANÚNCIO PATROCINADO Confira

Abra sua conta! É Grátis

Já comecei o meu cadastro e quero continuar.