Siga nossas redes

Finanças

Com bancos ofuscando alta das varejistas, Ibovespa fecha em baixa; dólar cai

Moeda americana segue cautela dos investidores com EUA e China e otimismo com nova vacina

Publicado

em

por

InvestNews
bolsa de valores

O Ibovespa, principal índice da B3, fechou em leve queda de 0,23% aos 85.468 pontos, nesta terça-feira (26). A bolsa de valores teve seu desempenho impactado pela queda das ações dos bancos. O Bradesco (BBDC4) recuou 4,13%, enquanto o Itaú Unibanco (ITUB4) e o Banco do Brasil (BBAS3) caíram 3,96% e 2,25%, respectivamente. As instituições financeiras responderiam por 16% da carteira teórica do Ibovespa.

A queda dos bancos ofuscou a alta das varejistas como Magazine Luiza (MGLU3) que teve alta de 6,75% após divulgação do resultado do primeiro trimestre. Além do Magalu, avança também a B2W (BTOW3) com alta de 9,18%.

No cenário externo, apesar da cautela com os impasses entre EUA e China, a notícia de que a nova vacina experimental, desenvolvida pela Novavax, que já teve seu primeiro estudo em humanos iniciado, animou os mercados. Com isso o dólar recua ante o real. O dólar comercial fechou em queda de 1,80%, cotado a R$ 5,360. Na máxima do dia, a moeda americana chegou a R$ 5,394.

Na B3 em alta, os investidores ficaram atentos à queda dos juros futuros, na esteira da deflação de 0,59% do IPCA-15 de maio, no menor nível desde a implantação do Plano Real.

Destaques da bolsa

Entre os destaques positivos do dia estava o setor varejo com B2W (BTOW3) que subiu 9,18%, cotada a R$ 95,40 e Magazine Luiza (MGLU3), que avançou 6,75%, negociada a R$ 64,48. A companhia teve forte alta após a divulgação do seu balanço do primeiro trimestre de 2020, onde teve lucro líquido de R$ 30,8 milhões, mas um desempenho menor em 76,7% ao mesmo período em 2019.

Apesar do resultado desapontara alguns analistas de mercado, muitos investidores enxergam potencial de forte recuperação puxada pelas vendas online no segundo trimestre. O que fez a ação disparar 11% com o resultado.

Outro fator que estaria motivando as varejistas é a retomada gradual da economia em alguns estados que promete melhorias para o mês de junho.

Ainda entre as maiores altas do dia estava a Hypera (HYPE3) que fechou em alta de 7,02%. A companhia informou em fato relevante que seriam pagos à empresa R$ 110,6 milhões como indenização por pagamentos indevidos realizados na gestão de João Alves de Queiroz Filho.

Entre os destaques negativos caíram: as lojas Renner (LREN3), a IRB Brasil (IRBR3) e o banco Bradesco (BBDC3), que recuaram 5,50%, 5,26% e 4,52%.

Juros

 Os juros futuros fecharam o dia com viés de alta nos vencimentos curtos e em baixa nos longos, nesta terça-feira, 26, marcada pela divulgação do IPCA-15 mais baixo da história do Plano Real. Pela manhã, as taxas caíam com mais força em reação à deflação de 0,59% mostrada pelo índice, que elevou as apostas num novo corte de 0,75 ponto porcentual da Selic no Copom de junho, em meio ainda ao tombo do dólar e ao exterior positivo. No começo da tarde, passado o leilão de NTN-B, o ímpeto de fechamento das taxas esfriou, com a ponta curta já operando levemente acima dos ajustes de ontem e as taxas longas bem distantes das mínimas.

Fatores relacionados ao leilão, que foi significativamente maior do que o das últimas semanas, e uma certa cautela com o cenário político acabaram por puxar uma realização de lucros, considerando ainda que as taxas já haviam caído ontem com força. A realização de lucros só não avançou mais em função do dólar, que no fechamento da etapa regular derretia mais de 2%, abaixo dos R$ 5,35.

A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2021 encerrou em 2,385%, de 2,382% ontem no ajuste, e a do DI para janeiro de 2022 subiu de 3,20% para 3,24%. O DI para janeiro de 2025 terminou a sessão regular com taxa de 6,01%, de 6,10% ontem, e a do DI para janeiro de 2027 recuou de 7,06% para 6,98%.

Outro efeito do IPCA-15 foi sobre a precificação da curva em relação às apostas para a Selic, com avanço da expectativa de queda de 0,75 ponto na atual taxa de 3,00% na reunião de junho, o que deixa, assim, o mercado dividido.

IPCA-15

A deflação de 0,59% registrada em maio pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15) foi o menor resultado do indicador desde o início do Plano Real, de 1994. No mês de maio de 2019, o IPCA-15 tinha subido 0,35% segundo os dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Como consequência, a taxa acumulada em 12 meses passou de 2,92% em abril para 1,96% em maio, o resultado mais baixo desde fevereiro de 1999, quando a taxa havia sido de 1,80%.

Em meio à pandemia do novo coronavírus, as famílias voltaram a gastar mais com alimentação e bebidas, segundo dados do IPCA-15. O grupo Alimentação e bebidas passou de um avanço de 2,46% em abril para um aumento de 0,46% em maio, uma contribuição de 0,09 ponto porcentual no IPCA-15 deste mês.

Já o gasto das famílias com Transportes recuou 3,15% em maio, após uma queda de 1,47% em abril. O grupo deu a maior contribuição negativa para a taxa de -0,59% do IPCA-15, o equivalente a -0,63 ponto porcentual.

O destaque foi o recuo de 8,54% nos preços dos combustíveis. A gasolina encolheu 8,51%, o item de maior impacto negativo na inflação do mês, -0,41 ponto porcentual. O etanol ficou 10,40% mais barato, enquanto o óleo diesel diminuiu 5,50% e o preço do gás veicular encolheu 1,21%.

Vacina em teste

A empresa americana de biotecnologia Novavax anunciou ontem que vai começar o primeiro estudo em humanos de sua vacina experimental contra a covid-19. A vacina é uma de pelo menos dez que estão atualmente sendo testadas ao redor do mundo.

A esperança de uma cura vem num momento em que a covid-19 já infectou mais de 5,4 milhões de pessoas globalmente, causando ao menos 344 mil mortes, segundo dados compilados pela Universidade Johns Hopkins.

Ganhe dinheiro comprando um pedaço de alguns dos maiores empreendimentos imobiliários do Brasil. Invista em Fundos de Investimento Imobiliários pela Easynvest!

Anúncio Patrocinado Não corra o risco de faltar dinheiro lá na frente. Não corra o risco de faltar dinheiro lá na frente.

O InvestNews é um canal de conteúdo multiplataforma que oferece a cobertura diária de notícias e análises sobre economia, investimentos, finanças, mercado financeiro, educação financeira, projeções, política monetária e econômica. Tudo o que mexe com o seu dinheiro você encontra aqui, com uma linguagem simples e descomplicada sobre o mundo da economia e dos investimentos.