Siga nossas redes

Finanças

Coronavírus: 5 questões para entender o pânico nos mercados

Medo em torno da epidemia chinesa derrubou bolsas no mundo todo e fez investidores correrem para portos mais seguros.

Publicado

em

Tempo médio de leitura: 6 minutos

O crescente contágio da epidemia do coronavírus para outras partes do mundo vem abalando a confiança dos mercados desde o início da semana. Forte queda nas bolsas, disparada do dólar e temor de desaceleração global acenderam o alerta de que a disseminação da doença chinesa pode tomar proporções maiores.

LEIA MAIS: Bolsa cai mais de 3% e dólar fecha a R$ 4,21 com coronavírus

O número de mortos em decorrência da epidemia chegou a 81 até segunda-feira (27). Cerca de 2700 pessoas já foram diagnosticadas com a pneumonia causada pelo vírus e casos já foram confirmados na Europa e na América do Norte, além de outros países asiáticos.

Após minimizar o grau de perigo do contágio, a OMS corrigiu sua avaliação e passou a considerar o risco “alto” para todo o mundo. Uma das preocupações é que o vírus se espalhe de forma parecida ao SARS, epidemia asiática que matou centenas de pessoas de pessoas e infectou milhares em 2003.

Para José Falcão de Castro, analista de investimentos da Easynvest, a reação imediata do mercado a notícias deste tipo nem sempre é racional. “Os investidores agem muito por expectativa diante de um fato cujo tamanho ainda não é possível entender”, afirma. Por tratar-se de um evento sistêmico, a recomendação é manter a calma, mas permaneça atento aos seus desdobramentos.

Em relatório a clientes, o banco holandês Rabobank chamou atenção para o risco de mais casos aparecerem pelo mundo. “Há evidências de que o vírus tem um período de incubação de cerca de duas semanas antes dos infectados começarem a apresentar sintomas. Isso implica que o número das pessoas afetadas provavelmente aumentará ainda mais”, diz o banco.

Veja abaixo os principais pontos que elevaram o pânico dos mercados esta semana com a epidemia do coronavírus:

1 – Desaceleração da economia chinesa

Mesmo com os esforços para conter o vírus, autoridades chinesas admitiram que a epidemia pode estar fora de controle. Segundo a mídia chinesa, autoridades de Wuhan, de onde surgiu a doença, colocaram o cargo à disposição após críticas de que houve lentidão nas informações sobre o novo vírus. O prefeito afirmou que mais de 5 milhões de pessoas deixaram a região antes do fechamento da cidade. 

A China decidiu estender o feriado do ano-novo Lunar em mais três dias, para evitar deslocamentos, diante do temor de que as festividades agravassem ainda mais a disseminação da doença.

Teme-se que a proibição de viagens e o bloqueio de regiões na China prejudique a atividade econômica da segunda maior economia do mundo. O receio vem em um momento no qual o país começou a reagir após crescer mais de 6% nos três primeiros trimestres de 2019. Especialistas chegaram a considerar o risco de uma queda de um ponto percentual no PIB chinês.

2 – Abalo no setor de commodities

Os papéis das grandes exportadoras de matérias-primas foram as que mais sofreram na Bolsa brasileira, apesar da queda generalizada do seu principal índice, que cedeu 3,29%, aos 114.481 pontos, devolvendo boa parte dos ganhos recentes.

As ações da Vale e Petrobras perderam, juntas, R$ 33,6 bilhões em valor de mercado na sessão. Elas são grandes exportadoras de commodities para a China, seu principal mercado consumidor. Previsões de que o surto também poderia reduzir a demanda por petróleo afetaram os papéis preferenciais da Petrobras (PN), que perdeu 4,66%. 

No radar, esteve a notícia de fontes de que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) discute ampliar os cortes de produção da commodity visando possíveis impactos da disseminação do coronavírus. O Goldman Sachs calculou que a doença poderia reduzir essa demanda em 260.000 barris por dia e cortar os preços em US$ 3 por barril.

O analista de energia Carsten Fritsch, do Commerzbank, disse à agência Estadão Conteúdo que o coronavírus alimenta “temores de um resfriamento da demanda de petróleo, o que significaria que o mercado global de petróleo estaria com excesso de oferta se não forem tomadas outras medidas”.

3 – Restrição a viagens derruba turismo

Companhias aéreas e de turismo estão entre as possíveis prejudicadas pelos desdobramentos do surto na China. O receio é que muitas pessoas desistam de viajar nas próximas semanas e cancelem a compra de passagens aéreas. Além disso, a alta do dólar acaba prejudicando as empresas do segmento.

Tanto que as ações do segmento desabaram na Bolsa brasileira e no exterior. As brasileiras Azul e Gol fecharam em baixa de 3,33% e 6,53%, respectivamente. Já a CVC, maior empresa de viagens do país, recuou 4,88%. Na Europa, as ações da Lufthansa apresentaram desvalorização de 4,33% hoje, enquanto a Air France caiu 5,64%. A IAG, que controla a British Airways, teve perdas de 5,48% e os papéis da britânica de baixo custo Easyjet caíram 4,92%. 

Na contramão, os papéis de empresa do setor farmacêutico tiveram ganhos expressivos. A francesa Ipsen chegou a subir 2%, liderando na ponta positiva. No Brasil, a Raia Drogasil subiu 1,5%, entre as maiores alta do dia.

4 – Novas incertezas no acordo EUA X China

A epidemia lança novas incertezas sobre a trégua comercial entre as duas maiores potências do mundo, que assinaram um acordo parcial recentemente. Segundo o economista-chefe da Infinity Asset, Jason Vieira, o acordo era o alento necessário para que a China iniciasse um novo ciclo de investimentos em 2020 nos mercados emergentes.

“A China está prestes a embarcar num possível ciclo de recuperação da atividade, onde na verdade os indicadores econômicos começam a dar sinais de estabilidade, após um ciclo conciso de contração nos últimos anos”, escreveu Vieira em relatório. 

5 – Valorização dos ativos mais seguros

Diante da maior aversão ao risco, os ativos considerados mais seguros tendem a se valorizar. Não foi diferente desta vez: o dólar, visto como uma das moedas mais fortes, valorizou contra as principais moedas do mundo e subiu 0,58% frente ao real, negociado a R$ 4,21.

Outro ativo que ganhou destaque foi o ouro. O contrato futuro para fevereiro fechou em alta de 0,35%, em US$ 1.577,40 a onça-troy, na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex). 

O Commerzbank vê o coronavírus como “uma bênção e uma maldição para o ouro”. O banco alemão também destaca em relatório o aumento na demanda pelo metal nos mercados, mas diz que a demanda física na própria China poderia ser prejudicada por causa da doença, mesmo em um período de alta demanda como o feriado do ano-novo lunar local.

Seja sócio das maiores empresas do Brasil com corretagem ZERO! Invista em Ações

Anúncio Patrocinado Probabilidades Samy Dana Probabilidades Samy Dana
ANÚNCIO PATROCINADO      Carteira de Dividendos Agosto

Abra sua conta! É Grátis

Já comecei o meu cadastro e quero continuar.
Anúncio Patrocinado Cripto no App Nu