Siga nossas redes

Finanças

Ibovespa termina a semana em queda, de olho em payroll e balanços

Já o dólar caiu sobre o real nesta sexta, mas teve alta semanal.

Publicado

em

Tempo médio de leitura: 6 minutos

O Ibovespa fechou em queda nesta sexta-feira (4), enquanto o dólar desvalorizou sobre o real, com agentes financeiros repercutindo dados sobre o mercado de trabalho dos Estados Unidos. O mercado também repercute uma sequência de divulgação de resultados corporativos, entre eles os de Petrobras e Bradesco, com forte peso no índice.

O Ibovespa caiu 0,89%, aos 119.508 pontos. Na semana, a baixa foi de 0,57%. O dólar recuou 0,48% no dia, a R$ 4,8747, mas na semana acumulou alta de 3,03% sobre o real.

As taxas dos contratos futuros de juros do Brasil fecharam em baixa, em especial entre os contratos mais longos. Foi o segundo dia consecutivo de queda nas taxas dos Depósitos Interfinanceiros (DIs).

No fim da tarde a taxa do DI para janeiro de 2024 estava em 12,47%, ante 12,454% do ajuste anterior, enquanto a taxa do DI para janeiro de 2025 estava em 10,48%, ante 10,473% do ajuste anterior.

Entre os contratos mais longos, a taxa para janeiro de 2026 estava em 9,94%, ante 9,97% do ajuste anterior, e a taxa para janeiro de 2027 estava em 10,085%, ante 10,111%. O vencimento para janeiro de 2028 marcou 10,36%, ante 10,396%.

Payroll

Após iniciar o dia em alta, o dólar à vista passou a ceder ante o real, na esteira da divulgação de dados mais fracos que o esperado do mercado de trabalho norte-americano, no relatório conhecido como payroll, reforçando as dúvidas sobre a necessidade de mais uma elevação de juros pelo Federal Reserve (Fed) este ano.

Anúncios de vagas de emprego em Cambridge, EUA 08/07/2022. REUTERS/Brian Snyder

A economia dos EUA gerou 187 mil postos de trabalho em julho, abaixo dos 200 mil postos projetados por economistas ouvidos na pesquisa Reuters. O setor privado gerou 172 mil vagas, ante 179 mil esperadas, enquanto o setor público abriu 15 mil novos postos.

Após a divulgação dos números, o dólar à vista migrou para o terreno negativo no Brasil, em sintonia com a perda de força da moeda norte-americana ante divisas fortes no exterior. O dólar também caía ante a maior parte das divisas de países emergentes ou exportadores de commodities.

“Devem crescer as apostas de que o Fed tenha encerrado o ciclo de aperto monetário na última reunião de política monetária”.

consultor econômico André Galhardo, da Remessa Online

Ao avaliar setores específicos, o economista Matheus Pizzani, da CM Capital, chamou a atenção para os serviços.

“O setor de serviços, cujo mercado se mostrava ainda muito aquecido, especialmente em segmentos que vinham pressionando a inflação, como aqueles relacionados à indústria de turismo, apresentou comportamento muito mais moderado no período, criando apenas 17 mil vagas”, afirmou Pizzani em comentário enviado a clientes.

“A menor pressão por parte deste setor (serviços) sobre o CPI (índice de inflação) pode ser crucial para a decisão do Fed de encerrar o ciclo de alta dos juros na próxima reunião.”

economista Matheus Pizzani, da CM Capital

Após a divulgação dos dados do mercado de trabalho, os títulos norte-americanos precificavam 84% de probabilidade de o Fed manter sua taxa básica na faixa de 5,25% a 5,5% em setembro.

Galhardo ponderou ainda, em comentário enviado à imprensa, que depois do forte avanço da moeda norte-americana no Brasil na quinta-feira é esperada alguma correção nesta sexta.

De fato, profissionais ouvidos pela Reuters na tarde de quinta-feira já classificavam como “forte demais” o avanço de quase 2% do dólar à vista na quinta-feira, após o Banco Central cortar a taxa básica Selic em 0,5 ponto percentual, o que abria espaço para correções.

Destaques da B3

Petrobras

As ações da Petrobras caíam 4,2% no papel PETR3 e 2,98% no PETR4). Na noite anterior, a empresa informou que seu lucro líquido recuou 47% no segundo trimestre ante o mesmo período do ano passado, para R$ 28,8 bilhões, em meio a uma queda dos preços do petróleo no mercado internacional e dos combustíveis no Brasil.

A empresa também anunciou nesta sexta-feira que seu conselho de administração aprovou, na véspera, um programa de recompra de ações para permanência em tesouraria e posterior cancelamento, sem redução do capital social.

Bradesco

As ações do Bradesco caíram 4,77% no papel BBDC3 e 6,65% no BBDC4, também repercutindo balanço divulgado no dia anterior. O banco registrou lucro líquido recorrente de R$ 4,52 bilhões no segundo trimestre, uma queda de 35,8% em relação ao mesmo período de 2022.

Bolsas mundiais

Wall Street

As bolsas caíram nos Estados Unidos nesta sexta, após o payroll apontar desaceleração do crescimento do mercado de trabalho norte-americano, enquanto os três principais índices em Wall Street registraram perdas semanais, conforme investidores se preparavam para mais possíveis surpresas negativas um dia após balanço decepcionante da Apple.

Segundo dados preliminares, o S&P 500 perdeu 0,52%, para 4.478,61 pontos. O índice de tecnologia Nasdaq cedeu 0,36%, para 13.909,24 pontos. O Dow Jones caiu 0,42%, para 35.073,53 pontos.

Europa

As ações europeias se estabilizavam nesta sexta-feira após três dias de vendas, com alguns balanços positivos e dados do payroll, enquanto permanecia o nervosismo em torno da desaceleração do crescimento na zona do euro.

O índice pan-europeu STOXX 600 fechou em alta de 0,29%, a 459,28 pontos, após cair cerca de 3% nas últimas três sessões.

  • Em LONDRES, o índice Financial Times avançou 0,47%, a 7.564,37 pontos.
  • Em FRANKFURT, o índice DAX subiu 0,37%, a 15.951,86 pontos.
  • Em PARIS, o índice CAC-40 ganhou 0,75%, a 7.315,07 pontos.
  • Em MILÃO, o índice Ftse/Mib teve desvalorização de 0,41%, a 28.586,37 pontos.
  • Em MADRI, o índice Ibex-35 registrou alta de 0,66%, a 9.368,40 pontos.
  • Em LISBOA, o índice PSI20 valorizou-se 0,57%, a 6.024,10 pontos.

Ásia e Oceania

As ações da China e de Hong Kong fecharam em alta nesta sexta-feira com a melhora do sentimento do investidor após uma coletiva de imprensa coorganizada pelo banco central da China, mas os ganhos foram limitados pela contínua falta de detalhes sobre os planos de estímulo econômico do governo.

  • Em TÓQUIO, o índice Nikkei avançou 0,10%, a 32.192 pontos.
  • Em HONG KONG, o índice HANG SENG subiu 0,61%, a 19.539 pontos.
  • Em XANGAI, o índice SSEC ganhou 0,23%, a 3.288 pontos.
  • O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em XANGAI e SHENZHEN, avançou 0,39%, a 4.020 pontos.
  • Em SEUL, o índice KOSPI teve desvalorização de 0,10%, a 2.602 pontos.
  • Em TAIWAN, o índice TAIEX registrou baixa de 0,21%, a 16.843 pontos.
  • Em CINGAPURA, o índice STRAITS TIMES desvalorizou-se 0,35%, a 3.292 pontos.
  • Em SYDNEY o índice S&P/ASX 200 avançou 0,19%, a 7.325 pontos.

(* com informações da Reuters)

Veja também

Este conteúdo é de cunho jornalístico e informativo e não deve ser considerado como oferta, recomendação ou orientação de compra ou venda de ativos.

ANÚNCIO PATROCINADO Confira

Abra sua conta! É Grátis

Já comecei o meu cadastro e quero continuar.